Cartas do século 18 revelam perda de corais

Cartas do século 18 revelam perda de corais
Cartas do século 18 revelam perda de corais

No que se acredita ser o primeiro estudo desse tipo, pesquisadores dos EUA e da Austrália compararam cartas náuticas britânicas de 240 anos com dados de satélite modernos para determinar como os recifes de coral de Florida Keys mudaram.

E suas descobertas revelam que mais da metade dos que existiam há dois séculos desapareceram.

A pesquisa foi publicada pouco antes de Florida Keys ser atingida pelo furacão Irma – cujos efeitos nos recifes rasos ainda precisam ser avaliados. Onde a orla de recife é extensa, pode ajudar a mitigar os efeitos das tempestades nas zonas costeiras.

Entre as cartas náuticas estudadas estavam as de George Gauld, um topógrafo do Almirantado Britânico que elaborou os registros mais antigos conhecidos dos recifes da Flórida entre 1773 e 1775, pouco antes da Guerra da Independência Americana, em um esforço para ajudar a proteger a navegação.

Veja também: Os recifes de coral do mundo são maiores do que pensávamos…

Contendo descrições detalhadas da vida selvagem e da geologia e consideradas “surpreendentemente precisas”, elas confirmam que os recifes mais próximos da costa sofreram desde então uma perda de corais de até 90%.

A pesquisa foi liderada pelo cientista ambiental Prof Loren McClenachen do Colby College em Waterville, Maine, trabalhando com a Universidade de Queensland em Brisbane e outros órgãos dos EUA e da Austrália.

“Descobrimos perto da costa que secções inteiras de recifes desapareceram, mas, em contraste, a maior parte dos corais mapeados mais longe da terra ainda é hoje habitat de recifes de coral”, disse o professor McClenachen. Exatamente quando e por que os recifes desapareceram ainda não foram identificados.

O estudo mediu a perda de habitats de recifes de coral numa vasta área geográfica, enquanto a maioria dos estudos se concentra na perda de corais vivos em pequenas secções de recifes.

“Quando se soma isto à perda de 75% de corais vivos nas Keys, numa escala mais precisa, a magnitude da mudança é muito maior do que se pensava”, disse o professor McClenachen, acrescentando que as descobertas tiveram importantes implicações para a conservação.

“Temos a tendência de nos concentrar em áreas conhecidas onde podemos medir as mudanças. Isso faz sentido. Por que você procuraria corais onde nunca soube que existiam?”

Quando os cientistas perderam de vista a escala da abundância passada, as expectativas de conservação e recuperação provavelmente seriam muito mais baixas, disse ela.

Recifes fantasmas: cartas náuticas documentam grande escala espacial de perda de recifes de coral ao longo de 240 anos é publicado na Science Advances e pode ser lido SUA PARTICIPAÇÃO FAZ A DIFERENÇA.

Divernet – O Maior Online Recurso para mergulhadores

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x