Há 70 anos, Honor Frost mergulhou em um poço…

Arqueólogo subaquático pioneiro Honor Frost (coleções especiais do arquivo HF)
Arqueólogo subaquático pioneiro Honor Frost (coleções especiais do arquivo HF)

Hoje (12 de dezembro de 2022) marca o 70º aniversário do primeiro mergulho do pioneiro arqueólogo subaquático britânico Honor Frost.

Nascido em 1917, Frost realizou esse mergulho no inverno de 1952 – não nos destroços de um navio histórico no Mar Mediterrâneo, mas em 6 metros de água gelada, tarde da noite, num jardim londrino coberto de neve.

Leia também: Primeira mulher mergulhadora de cavernas entra no Hall da Fama

Muitos anos depois, ela disse à BBC Hora das Mulheres que um engenheiro polonês chamado Kazimierz Bobak a convidou para visitar um “poço experimental” em Wimbledon.

“Ele tinha acabado de inventar uma bomba que combinava com um traje de mergulho completo – não era mergulho – e disse que eu poderia experimentar.

“Como sempre considerei que qualquer tempo passado na superfície era uma perda de tempo, fiquei muito, muito emocionado com isso… Eles me deram uma tocha, então entrei no poço e sentei no fundo por algum tempo.” ao iluminar através das folhas mortas, ela finalmente pensou: “'Oh, querido, eles devem estar bombeando!', porque eles tinham que bombear para cada inspiração de ar que eu respirava.”

Veja também: Arqueólogo estadual morre em mergulho de aquecimento

Você não ficou com medo? perguntou o entrevistador. “Não, suponho que deveria ser... tenho respeito pelo mar, mas nunca tive medo de água”, respondeu ela.

Imediatamente viciada na ideia da exploração subaquática, Frost abandonou a sua carreira na arte e no teatro e, de acordo com a Honor Frost Foundation, “começou uma nova carreira ao longo da vida e extremamente influente na arqueologia subaquática”.

Honor Frost mergulhando em 1971 (coleções especiais do arquivo HF)
Honor Frost examina um local de naufrágio (HF Archive Special Collections)

Uma mulher nos campos dominados pelos homens, tanto do mergulho como da arqueologia marítima, na década de 1950, Frost encontrou-se no centro do desenvolvimento desta última como disciplina.

Ela seria uma das primeiras arqueólogas a demonstrar que as escavações debaixo de água poderiam ser realizadas com os mesmos padrões que em terra, afirma a fundação. 

Mas primeiro ela teve que empreender seu mergulhador treinamento, o que ela fez no Mediterrâneo mais quente, onde o mergulho ainda estava sendo refinado no sul da França. Ela ficou ainda mais inspirada por poder mergulhar nos destroços de um navio romano durante sua estada lá.

Frost disse à BBC que ela tinha tive a sorte de ingressar no primeiro clube de mergulho civil do mundo. “Naquela época não sabíamos muito sobre o lado médico – fisiologia do mergulho – e certamente não sobre o aparelho, porque ele estava sendo inventado e as pessoas estavam apenas começando a produzi-lo comercialmente.

“Então o problema sempre foi melhorar os designs, e tive muita sorte porque nunca tive que comprar nada – sempre recebi para testar, como todo mundo.” 

Ela desenvolveu suas habilidades arqueológicas quando se juntou a outra arqueóloga, Kathleen Kenyon, como desenhista para escavações em Jericó em 1957. 

Ela então mudou-se para o Líbano para explorar os antigos portos de Biblos, Sidon e Tiro, desenvolvendo no processo um interesse especial em portos, portos e âncoras antigos.

Frost estava convencida de que as âncoras poderiam desempenhar um papel fundamental na identificação de naufrágios e na revelação de antigos padrões de comércio, e tais artefactos continuaram a fasciná-la ao longo da sua vida, diz a fundação.

Honor Frost teve um interesse vitalício em âncoras e no que elas poderiam revelar (HF Archive Special Collections)
Honor Frost teve um interesse vitalício em âncoras e no que elas poderiam revelar (HF Archive Special Collections)

Já em 1958, Frost participou da primeira escavação de um naufrágio da Idade do Bronze do século 13 aC que carregava uma carga de lingotes de cobre e estanho e foi descoberto na costa do Cabo Gelidonya, no sul da Turquia.

Durante este projeto, a fundação afirma que Frost ajudou a desenvolver novas técnicas para ajudar os arqueólogos mergulhadores a investigar locais. O projeto é agora considerado a primeira escavação subaquática sistemática de um naufrágio.

“Essas escavações extremamente influentes desempenhariam um papel crucial no desenvolvimento da arqueologia subaquática e nas técnicas pioneiras utilizadas hoje”, afirma. “Honor mergulhou e escavou muitos outros locais subaquáticos históricos e foi fundamental na promoção da arqueologia marítima como disciplina.”

Ela também ajudou a fundar o Conselho de Arqueologia Náutica, serviu durante muitos anos no conselho da Sociedade de Pesquisa Náutica e desempenhou um papel no estabelecimento do Revista Internacional de Arqueologia Náutica em 1972.

“Honor Frost esteve na vanguarda da evolução da arqueologia marítima”, resume Alison Cathie, presidente do conselho de administração da fundação. “Seus desenhos requintados, atenção meticulosa aos detalhes e seu brilhante profissionalismo logo estabeleceram sua reputação. 

“Em 1968 ela foi contratada pela UNESCO para explorar o porto de Alexandria, identificando os restos do farol e uma estátua colossal de Ísis.

Logo depois, ela trouxe à tona um naufrágio púnico na costa de Marsala, na Sicília, que provou ser uma escavação realmente importante em muitos aspectos, e sua fundação continua a contribuir para a pesquisa lá.” 

Trabalhando em um naufrágio púnico (coleções especiais do arquivo HF)
Trabalhando em um naufrágio púnico (coleções especiais do arquivo HF)
Em Sidon em 1969 (Coleções Especiais do Arquivo HF)
Em Sidon em 1969 (Coleções Especiais do Arquivo HF)

Frost morreu em 2010, tendo deixado sua valiosa coleção de arte para estabelecer o Fundação Honor Frost. A organização afirma que continua a apoiar escavações subaquáticas, oferece bolsas para projetos de investigação e promove o avanço e a investigação, incluindo a publicação, da arqueologia marítima.

Centra-se principalmente no Mediterrâneo Oriental, especificamente no Líbano, na Síria, em Chipre e no Egipto. “O legado da Honor continua a inspirar uma nova geração de mergulhadores a proteger o património subaquático”, afirma.

A fundação também produz Séries podcast Mergulhar e cavar, cuja segunda temporada foi lançada em outubro, conforme relatado em Divernet. É apresentado pela arqueóloga marítima da fundação, Dra. Lucy Blue, e pela historiadora Bettany Hughes. 

Também na Divernet: Moedas levaram mergulhadores ao naufrágio da Roma Antiga, Procura-se: Voluntários de Arqueologia Subaquática, LabMA: Abrindo portas para o mergulho em Montenegro

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

3 Comentários
Mais votados
Recentes mais velho
Comentários em linha
Ver todos os comentários
Brian Mann
Brian Mann
1 ano atrás

Absolutamente brilhante

Hugh MacLeod
Hugh MacLeod
1 ano atrás

Um assunto muito interessante, tenho algumas coisas que aprendi mergulhando há muitos anos no Pacífico

Pedro J. Mackenzie
Pedro J. Mackenzie
1 ano atrás

Dá vontade de mergulhar.

Entre em contato

3
0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x