Recifes de corais de Chagos sofrem grande impacto

arquivo – Notícias de Mergulho Os recifes de coral de Chagos sofrem um grande impacto

O arquipélago de Chagos, no norte do Oceano Índico, um Território Ultramarino Britânico e a maior reserva marinha “proibida” do mundo, foi duramente atingido pelo branqueamento de corais, revelaram importantes biólogos marinhos.

Os investigadores afirmam ter visto a devastação em primeira mão durante uma expedição de investigação da Fundação Bertarelli em Abril, mas o Chagos Conservation Trust (CCT) escolheu o dia 8 de Junho – Dia Mundial dos Oceanos – para divulgar as suas descobertas.

“Acredita-se que até 85% dos corais foram afetados pelo pior evento de branqueamento desde 1998”, disse o Dr. Ronan Roche, da Universidade de Bangor, um dos membros da equipe. O branqueamento é causado pelo aquecimento dos oceanos, e os pesquisadores registraram temperaturas de 31°C mesmo a uma profundidade de 20m. 

As 55 ilhas do arquipélago de Chagos estendem-se por 210,000 milhas quadradas, o dobro do tamanho do Reino Unido, sendo Diego Garcia a maior. De acordo com o CCT, o maior atol de coral vivo do mundo está rodeado pela água do mar mais limpa alguma vez testada. Abriga pelo menos 220 espécies de corais, 50 espécies de tubarões e raias e 800 espécies de peixes.

“Nossa preocupação é a duração das altas temperaturas no Oceano Índico que começaram em 2015 e continuam a aumentar, com previsões mostrando que as temperaturas mais altas estão atingindo agora”, disse a professora Heather Koldewey, chefe de Marinha e Água Doce, Sociedade Zoológica de Londres. .

Sublinhando a importância da protecção dos recifes, o Presidente do CCT, Prof Charles Sheppard, disse que mais de 90% dos corais de Chagos morreram no evento El Niño de 1998, mas que “como uma reserva marinha totalmente protegida é mais resiliente, e os nossos dados de longo prazo mostram que as taxas de recuperação são mais rápidas do que em outros recifes”.

Apenas 1% das reservas marinhas em todo o mundo estão totalmente protegidas e, de acordo com o CCT, os cientistas concordam que, para que o oceano sobreviva, é necessária uma protecção de 30%. Atualmente, todas as 196 partes e 168 signatários da Convenção sobre Diversidade Biológica comprometeram-se com 10% de proteção marinha até 2020. 

“Sei que este recife tem as melhores probabilidades de qualquer outro no mundo, e vimos sinais de esperança durante a expedição, com algum recrutamento de corais juvenis – a próxima geração – e corais vivos saudáveis ​​a profundidades superiores a 25 m”, disse o Prof Koldewey. “Mas temos de fazer mais – no final, só existe um oceano.” 

DIVERNET – O Maior Online Recurso para mergulhadores

09-Jun-16

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x