Enredado em algas à noite

arquivo – Médico/SaúdeEnredado em algas à noite

Trazemos mais dois casos dos arquivos de DAN – Brittany Trout analisa um emaranhado fatal, enquanto CAREN LIEBSCHER sugere que você tome cuidado com os dedos!

O INCIDENTE
O tanque de Dave escorregou da alça do BC cinco minutos depois do mergulho. Ele alertou Tim e sinalizou que iria à superfície para ajustar seu equipamento.
Dave e Tim subiram enquanto Sam, sem saber da decisão, continuou o mergulho.
Quando Dave e Tim voltaram para o barco, perceberam que Sam não o havia seguido e não tinham certeza de sua localização. Após uma breve busca na superfície, concluíram que ele ainda devia estar em profundidade.
Durante o mergulho livre, Ron viu Sam emaranhado em algas espessas a cerca de 7.5 m de profundidade. Sam ainda estava usando sua máscara, e seu regulador estava em sua boca. Ele estava consciente e lutando para se libertar das algas.
Sam começou a entrar em pânico, fazendo com que ele se debatesse e ficasse ainda mais enredado. Depois de várias tentativas frustradas de libertá-lo, Ron voltou à superfície e alertou os outros que Sam estava enredado e precisava de ajuda.
Eric respondeu com equipamento de mergulho do barco. Infelizmente, quando ele chegou, Sam não estava mais usando a máscara, seu regulador não estava em sua boca e ele não estava respirando.
Eric libertou Sam e o trouxe à superfície. Outra tripulação do barco ouviu os pedidos de ajuda e estava lá para tirar Sam da água.
A RCP foi iniciada imediatamente e Sam foi transportado para um hospital local, onde foi declarado morto.

ANÁLISE DE FATALIDADE
Compreender as causas profundas e a série de eventos que levam a uma fatalidade no mergulho é importante para a prevenção de futuros incidentes.
Os investigadores recuperaram o equipamento de mergulho de Sam, que testaram e descobriram que estava funcionando corretamente. O tanque continha cerca de 140 bar, indicando que Sam não estava sem ar, mas seu regulador não estava em sua boca quando ele se recuperou.
O gatilho neste caso foi o emaranhamento de algas, o que tornou o mergulho uma emergência e deu início à cadeia de eventos que levou à fatalidade.
O pânico de Sam serviu como agente incapacitante, fazendo com que ele se envolvesse em um comportamento irracional que não ajudou a resolver o emaranhado e o levou a abandonar seu regulador. Isso, por sua vez, fez com que ele sofresse asfixia e se afogasse.

DISCUSSÃO
Sam tinha alguma experiência anterior, mas não tinha a devida treinamento e nunca havia mergulhado à noite antes. Dave e Tim também não tinham formalidade treinamento e certificação, embora tivessem mais experiência.
Mergulho formal treinamento prepara um mergulhador para responder com calma e confiança a situações de emergência. O mergulho que envolve riscos únicos – neste caso, mergulho nocturno, caça à lagosta e mergulho na floresta de algas – requer formação adicional, preparação e equipamento apropriado. Recomenda-se a aquisição de certificações para tais ambientes.
Mergulhar em algas requer equipamento simplificado para reduzir o risco de emaranhamento e o transporte de uma ferramenta de corte. Sam não tinha esse cortador e não sabemos se seu equipamento era simplificado.
Além de ser responsável pela própria segurança ao obter treinamento para ambientes de risco, também é aconselhável mergulhar com um Divemaster e / ou mergulhador de resgate treinados para reagir em emergências.
Mergulhar com amigos significa mergulhar em pares, não em grupos ímpares. O mergulho em pares é a melhor prática para evitar a separação dos amigos.
Num grupo de três ou mais, a falta de comunicação entre companheiros é mais provável, mesmo para mergulhadores treinados, porque pode não ser claro quem esteve em comunicação com qual companheiro.
Dave e Tim comunicaram a subida um ao outro, mas Sam não foi incluído. Isto pode ter contribuído para o seu pânico, porque ele não conseguiu localizar outras pessoas para ajudar a libertá-lo das algas.
Este incidente fatal foi causado por um factor previsível e, embora a falta de formação formal possa ter contribuído, existem outras lições valiosas nesta tragédia que os mergulhadores certificados não devem ignorar.

O ALTO PREÇO DE DOIS ANÉIS
Usar uma aliança de casamento é claramente uma afirmação, mas, senhoras e senhores, vocês realmente precisam usar uma durante o mergulho? Leia nossa história e considere…
Foi por volta do Natal férias temporada 2014/15, quando surgiram dois casos semelhantes. Dois membros da DAN em diferentes partes do mundo – Maldivas e Brasil – quase perderam os dedos anelares enquanto mergulhavam.
Quem não se agarraria a uma grade de um barco instável porque outro barco passou muito perto ou as condições do mar estavam um pouco difíceis? Foi o que os homens fizeram enquanto se preparavam para o passo de gigante para iniciar os mergulhos.
Se você fizer isso, entretanto, tome cuidado com parafusos, ganchos ou outras pequenas peças de metal salientes. Parafusos de proteção contra furacões, por exemplo, podem ser bastante enganosos. Se um anel ficar preso nele, será impossível suportar o peso do mergulhador e seu equipamento, bem como a força do salto.
Um dedo não pode suportar tal força por muito tempo e em instantes se separará do resto do corpo. Isso aconteceu com os dois homens.
Enquanto um dos mergulhadores mergulhava na água abaixo dele, seu dedo ficou pendurado no parafuso, preso pelo anel. Uma cena estranha, mas de certa forma boa, porque a equipe conseguiu recolher o dedo – ou o que sobrou dele. Eles então o salvaram em um pouco de gelo para recolocá-lo na mão.
No caso do outro homem o dedo foi arrancado e caiu no mar! Felizmente sua esposa, que já estava na água, conseguiu recuperá-lo.
Ambos os casos foram um choque para todos e muito dolorosos para as vítimas. No entanto, a tripulação do barco foi extremamente prestativa, chamou imediatamente os serviços de emergência e prestou os primeiros socorros para estancar o sangramento e acalmar os homens.
No Brasil, conseguiram chamar um helicóptero – felizmente, o amigo da vítima era piloto – então, ele foi rapidamente evacuado para uma clínica em São Paulo, junto com o dedo.
O mergulhador nas Maldivas foi levado de barco para a clínica mais próxima em Malé e depois para Singapura para uma cirurgia sofisticada. Reconectar nervos, tendões, músculos, ossos, cartilagens, vasos sanguíneos e pele enquanto tenta manter a funcionalidade total é complicado. Esse milagre específico durou sete horas na sala de operações.
Após tal lesão e cirurgia, não é surpresa que haja necrose – morte do tecido circundante – durante o processo de cicatrização da ferida. Os médicos brasileiros resistiram com tratamento com O2 hiperbárico (OHB) em câmara de recompressão.

CONCLUSÃO
A cirurgia não só foi extensa, mas a recuperação demorou muito tempo – e ainda demora. Pode ser necessário bem mais de um ano de fisioterapia antes que um dedo destacado recupere a sensibilidade total.
Os custos de evacuação, cirurgia da mão, hospitalização e tratamento hiperbárico ascenderam num destes casos a cerca de 100,000 euros.
Nós da DAN Europa pensamos que esta era uma história para partilhar. Você pode evitar muitos problemas ao considerar deixar suas joias, especialmente anéis, mas também brincos e piercings, em casa antes de mergulhar.

Apareceu no DIVER abril de 2017

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x