Da baleia à ave marinha, eles viajam da mesma forma

arquivo – Notícias de mergulho Das baleias às aves marinhas, elas viajam da mesma forma

Não importa o tamanho, a forma ou o meio de propulsão de um animal marinho, desde a baleia até às aves marinhas, todos viajam através ou acima do oceano seguindo padrões semelhantes, de acordo com um estudo australiano “primeiro do género”.

Pesquisadores da Universidade da Austrália Ocidental e do Instituto Australiano de Ciências Marinhas analisaram os resultados de um projeto colaborativo mundial denominado Programa Analítico do Movimento da Megafauna Marinha (MMMAP).

Este analisou a velocidade e os padrões de movimento de mais de 2500 animais marinhos marcados de 50 espécies, rastreados por satélite durante os últimos 30 anos.

Entre as espécies terrestres, o movimento tende a estar ligado ao tamanho do corpo; mas a equipa ficou surpreendida ao descobrir que espécies marinhas não relacionadas, como baleias, tubarões, ursos polares e aves marinhas, apresentavam padrões de movimento semelhantes.

As diferenças que existiam entre todas as espécies estavam ligadas aos seus destinos e pensava-se que estivessem relacionadas com a forma como utilizavam os vários habitats marinhos.

O movimento em mar aberto entre estes “companheiros de viagem” era geralmente direcionado diretamente para um local chave, enquanto os animais próximos da costa, potencialmente em busca de alimento ou proteção, eram mais propensos a adaptar o seu comportamento.

“Os habitats costeiros, como os recifes e as ervas marinhas, são geralmente mais complexos em comparação com os habitats de mar aberto no mar e, portanto, estimulam padrões de movimento mais complexos nestes animais”, disse a co-autora do relatório, Dra. Michele Thums.

A capacidade partilhada dos animais de adaptar o comportamento ao habitat ofereceu esperança de que seriam mais resilientes às rápidas mudanças dos ambientes costeiros do que seria de esperar, dizem os investigadores.

Embora os resultados do estudo sugiram que as espécies marinhas se adaptaram a diferentes propriedades do ambiente marinho costeiro e offshore, continua a ser importante compreender como e com que rapidez elas foram capazes de se adaptar, disse a autora principal, Dra. Ana Sequeira.

“Isto é particularmente importante para orientar a gestão da conservação, tendo em conta as previsões de alterações severas nos oceanos, incluindo a subida do nível do mar e a redução da cobertura de gelo marinho no Ártico”, disse ela.

O relatório é publicado no PNAS, e a equipe agora planeja investigar as interações globais entre a megafauna marinha e o transporte marítimo.

Divernet – O Maior Online Recurso para mergulhadores

02-Mar-18

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x