Bobinas GBR de double-hit

arquivo – Diving NewsGBR carretéis de double-hit

Pela segunda vez em 12 meses, levantamentos aéreos da Grande Barreira de Corais da Austrália revelaram níveis severos de branqueamento de corais. No ano passado, o efeito foi mais extremo no terço norte do recife, mas agora o terço médio também sofreu intenso branqueamento de corais.

“O impacto combinado deste branqueamento consecutivo estende-se por 900 milhas, deixando apenas o terço sul ileso”, disse um dos dois observadores em ambos os anos, Professor Terry Hughes, Diretor do Centro de Excelência para Estudos de Recifes de Coral da ARC. em Townsville.

“O branqueamento é causado por temperaturas recordes impulsionadas pelo aquecimento global”, disse o professor Hughes. “Este ano, estamos a assistir a um branqueamento em massa, mesmo sem a ajuda das condições do El Niño.”

As últimas pesquisas cobriram mais de 5000 quilómetros e as estimativas dos danos sofridos por quase 800 recifes de coral individuais corresponderam de perto aos resultados de 2016.

“Os corais branqueados não são necessariamente corais mortos, mas na severa região central prevemos elevados níveis de perda de corais”, disse o colega observador do Prof Hughes, Dr. James Kerry. “É necessária pelo menos uma década para uma recuperação completa, mesmo dos corais de crescimento mais rápido, por isso os eventos de branqueamento em massa com 12 meses de intervalo oferecem zero perspectivas de recuperação para os recifes que foram danificados em 2016.”

O ciclone tropical Debbie aumentou a devastação quando, no final de março, abriu uma faixa de até 60 milhas de largura através do que até então era um recife relativamente saudável.

O recife GBR estava “lutando com múltiplos impactos”, o mais premente dos quais era o aquecimento global, disse o Prof Hughes.

“À medida que as temperaturas continuam a subir, os corais sofrerão cada vez mais destes eventos: o aquecimento de 1°C até agora já causou quatro eventos nos últimos 19 anos.” Os outros dois eventos foram em 1998 e 2002.

“Em última análise, precisamos de reduzir as emissões de carbono e a janela para o fazer está a fechar-se rapidamente”, disse o professor Hughes.

Os levantamentos aéreos foram, tal como em 2016, apoiados por extensas pesquisas na água que foram publicadas na Nature.

Divernet – O Maior Online Recurso para mergulhadores

11-Abr-17

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x