Como encontrei um petroleiro de 125 anos ainda vazando

Atrás da ponte.
Atrás da ponte.

MERGULHADOR DE NAufrágios

Como encontrei um petroleiro de 125 anos ainda vazando

Você não pode manter um bom homem abatido – exceto que o caçador de naufrágios SELCUK KOLAY está sempre abaixo da superfície, encontrando naufrágios novos e muitas vezes significativos. Uma descoberta recente foi a de um petroleiro afundado pelo famoso submarino britânico HMS Perseus no Mar Egeu na 2ª Guerra Mundial. Principal fotografia subaquática por Ali Ethem Keskin

0519 arco maia

Selcuk Kolay na proa dos maias. Inserir: Os Lackawanna, mais tarde os maias.

no início de junho de 2016, Eu estava no Mar Egeu, a caminho dos Dardanelos para Babakale, o ponto mais ocidental da Turquia.

Planejava mergulhar no Melpomeni, um naufrágio que descobri em 1980.

Decidi seguir a rota oeste ao redor da ilha de Bozcaada (Tenedos em turco) com meu sonar de varredura ligado, e cerca de seis milhas náuticas a sudoeste da ilha notei um naufrágio até então desconhecido a uma profundidade de 68 m.

Já era fim de tarde, então decidi passar a noite na ilha e mergulhar nos destroços na manhã seguinte antes de seguir para Babakale.

Com minha companheira de mergulho Kaya Yarar, seguimos para o porto no nordeste da ilha e desfrutamos de um jantar maravilhoso em um restaurante local de frutos do mar.

Logo após o café da manhã no porto, na manhã seguinte, voltamos ao local do naufrágio. Era um dia calmo e a superfície estava muito lisa mas, aproximando-nos das coordenadas, notámos uma fina camada de óleo – e um forte cheiro a combustível.

Bem no topo dos destroços podíamos ver bolhas de óleo emergindo das profundezas.

Eu tinha certeza de que o naufrágio devia ser de um navio-tanque.

Examinando cuidadosamente a imagem do sonar, percebi que os destroços estavam divididos em dois, com as seções inclinadas em 45°, a proa apontando aproximadamente para sudoeste e a popa para noroeste.

Enviamos a linha de tiro para baixo e nos preparamos para mergulhar, usando 18/45 como mix de fundo. Aterrissamos próximo à popa, onde ficava a linha de tiro, e percebemos que toda a seção de popa estava a bombordo. Este era obviamente um navio bastante antigo, mas com bolhas de petróleo ainda emergindo em vários pontos.

Tentando evitar o óleo, passamos por cima do casco até o lado onde ficava o convés. Nadando ao longo do convés ao lado do naufrágio, rumamos a meia-nau enquanto tomamos vídeo cenas.

O ponto de ruptura na seção de popa.
O ponto de ruptura na seção de popa.

Depois de um tempo, encontramos um campo de destroços e os destroços terminaram. Este foi o break-point, mas como a secção frontal não estava visível, decidimos regressar à linha de tiro para evitar ter que fazer longas paragens de descompressão.

A secção de proa necessitaria de um segundo mergulho, mas como o tempo piorou decidimos deixá-la para outra ocasião. No dia seguinte saímos da ilha e seguimos para Babakale.

No caminho, eu estava considerando a possível identidade desse navio-tanque. Houve muita atividade ao redor da ilha durante a Segunda Guerra Mundial. Os petroleiros foram vítimas de submarinos britânicos enquanto transportavam combustível da Roménia para o Norte de África para o exército de Hitler.

O petroleiro italiano Maya, construído na Grã-Bretanha em 1894, transportava cerca de 7000 toneladas de diesel quando foi torpedeado pelo HMS Perseus em 1941, e o petroleiro alemão Wilhelmsburg transportava ainda mais diesel, cerca de 8000 toneladas, quando foi afundado pelo HMS Rorqual.

Apareceu no DIVER maio de 2019

Em setembro, em um conferência internacional sobre naufrágios na ilha grega de Kea Conheci o pesquisador submarino alemão Dimitri Galon. Seus avós eram originários de Bozcaada, então ele tinha interesse nos naufrágios da ilha.

Depois de examinar os seus documentos, concluímos que o Wilhelmsburg tinha sido torpedeado mais a norte, pelo que parecia que os destroços que descobri em Junho deviam ser do Maya.

Dimitri decidiu juntar-se a nós em Bozcaada com a sua equipa de três outros mergulhadores no ano seguinte para mergulhar nos destroços, e as equipas turca e alemã encontraram-se no porto de Bozcaada em Setembro.

Decidi não mergulhar desta vez, mas concentrar-me em marcar os destroços de tal forma que o tiro atingisse o campo de destroços onde ocorreu a ruptura. Dessa forma, os mergulhadores poderiam ver todos os destroços durante o mergulho.

Fazendo várias passagens sobre os destroços e observando com muita atenção a tela do sonar, consegui colocar o peso bem entre as duas seções.

There was some current, so the four German divers (Dimitri, Derk Remmers, Jarek Grueber and Markus Kerwath) and three of the five Turkish divers (Savas Karakas, Erol Oztunali, Hasan Tan, Odak Bingol and Rabia Turk) used scooters.

Eles conseguiram cobrir todo o naufrágio, levaram alguns bons vídeo filmagem e não relatou vazamentos na seção de proa, que estava em pé sobre sua quilha, a 25-30m da seção de popa.

Nós tivemos que esperar alguns dias para um clima melhor antes do próximo mergulho. Como já havia coberto a seção de popa, planejei mergulhar de proa com o fotógrafo subaquático Ali Ethem Keskin em rebreathers, usando 18/45 como gás diluente.

A visibilidade não era nada especial, cerca de 5m, mas a proa era enorme e impressionante.

Atrás da ponte.
Atrás da ponte.

Passamos por cima das duas grandes âncoras do tipo Almirantado ainda colocadas em ambos os lados do castelo de proa e nadamos pelo convés frontal em direção à ponte, onde a estrutura superior de madeira havia desaparecido completamente.

Logo atrás da ponte podíamos ver as grandes aberturas de ventilação em ambos os lados, e atrás delas o campo de destroços onde o navio havia quebrado, ao pé do segundo mastro.

Voltamos por bombordo em direção à proa, alcançamos a linha de tiro e retornamos à superfície após cerca de 36 minutos de tempo total de descompressão.

Depois de jantarmos cedo naquela noite, todos nos reunimos e examinamos as imagens para ter certeza da identidade do naufrágio, comparando-as com fotos e especificações originais.

Os mastros, a posição do funil de popa, a popa, a superestrutura a meia-nau, o guincho, as âncoras e o pequeno guindaste no castelo de proa estavam entre os detalhes que, combinados com as dimensões e posição do naufrágio, que condiziam com a guerra alemã diários, não deixou dúvidas sobre a identidade dos destroços. No final daquela sessão sabíamos que se tratava de facto do petroleiro italiano Maya.

Comemoramos e ambas as equipes concordaram em se reunir novamente no ano seguinte para trabalhar em um novo projeto de descoberta de naufrágios.

Desde então, creio ter localizado o petroleiro alemão Wilhelmsburg, embora ainda não tenha realizado os mergulhos necessários para verificar a identidade do naufrágio.

Podem ter sido afundados há muito tempo, mas a existência de ambos os petroleiros naufragados representa claramente uma ameaça contínua ao futuro do Mar Egeu, das costas turca e grega e das ilhas gregas.

HISTÓRIA DO MAYA

O navio de 108 m foi construído por David J Dunlop em Port Glasgow, lançado como Lackawanna em 1893 e concluído no ano seguinte.

Tonnage was 3855 gross, and her 413hp three-cylinder reciprocating steam engine gave a maximum speed of 9.5 knots.

A Anglo-American Oil comprou o Lackawanna em 1901 e, em 1909, vendeu-o à Deutsch-Amerikanische Petroleum em Hamburgo, que rebatizou o navio Sirius.

Em 1919, tornou-se propriedade do governo dos EUA como parte das reparações de guerra alemãs e, mais tarde naquele ano, foi repassada ao governo belga.

Em 1921, o Sirius foi vendido para a Società Andora de Gênova, renomeado como Fiama e iniciou uma carreira de 20 anos navegando sob a bandeira italiana.

Samengo & Mussinelli a compraram em 1924 e a chamaram de Maya (abaixo). Ela mudaria de mãos mais quatro vezes, em 1925, 1927, 1928 e 1938.

Quando a Itália entrou na Segunda Guerra Mundial em junho de 2, a Marinha italiana requisitou os maias de Cisterne Italiane Soliani e Saltamerenda de Gênova para uso nos mares Adriático, Egeu e Negro.

At 7.35am on 5 September, 1941, while steaming in convoy from Piraeus in Greece to the Dardanelles with the Romanian freighter Balcic and Italian torpedo-boat Sirio, Maya was attacked by British submarine HMS Perseus, commanded by Lt-Cdr ECF Nicolay.

Perseus disparou quatro torpedos, seu registro informando que Maya havia virado para bombordo com uma lista antes de Perseus mergulhar para evitar um contra-ataque de carga de profundidade.

At 9.36am Perseus went up to fire a further torpedo at Maya, which had stopped and was listing about 50° to port with her gunwale submerged. The torpedo missed, and another depth-charge counter-attack followed. When Perseus came back up at 10.37 there was no sign of the Maya or the Balcic.

Maya had received one hit amidships but sustained only one casualty. Sirio took her on tow but, deemed beyond salvage, cannon were used to scuttle the tanker south-west of Bozcaada.

O HMS Perseus atingiria uma mina italiana três meses depois ao largo de Cefalônia, afundando com a perda de todos, exceto um dos 60 tripulantes, conforme descrito em DIVER (O milagre do rebreather de O2, Janeiro).

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x