Resgate ilícito de destroços da Jutlândia – suposto culpado nomeado

arquivo – Diving NewsResgate ilícito de naufrágios na Jutlândia – suposto culpado nomeado

À medida que se aproxima o 100º aniversário da Batalha da Jutlândia na Primeira Guerra Mundial, um site de notícias investigativas chamado The PipeLine revelou detalhes de um suposto saque sistemático dos destroços do cruzador de batalha HMS Queen Mary por uma empresa de salvamento com sede na Holanda.

A batalha do Mar do Norte ocorreu em 31 de maio/1º de junho de 1916, e Queen Mary afundou com 1266 tripulantes, o maior número de mortos em qualquer navio britânico na Jutlândia. Vinte e cinco dos 250 navios envolvidos foram afundados durante a ação e quase 10,000 marinheiros morreram, dois terços deles britânicos.

De acordo com Andy Brockman, que escreveu o relatório do The Pipeline, o Ministério da Defesa do Reino Unido sabe sobre o salvamento ilícito pelo menos desde o início de 2011. O site trabalhou com um grupo de arqueólogos marítimos para entregar as evidências do Ministério da Defesa na primavera de 2015, mas Brockman diz que o ministério não tomou nenhuma medida desde então para proteger o local ou perseguir os infratores.

As evidências apresentadas incluíam fotografias mostrando uma traineira convertida, que se acredita ser o mv Good Hope e pertencente à empresa de salvamento com sede na Holanda Friendship Offshore BV, removendo material identificável do Queen Mary site. Um cidadão do Reino Unido teria estado a bordo do navio de salvamento.  

Embora os túmulos de guerra não sejam reconhecidos em águas internacionais, em teoria os destroços da Jutlândia são protegidos pela Imunidade Soberana, ao abrigo da qual os navios estatais não podem ser resgatados sem o consentimento desse Estado.

HMS Queen Mary também é designado um “local protegido” pela Lei de Proteção de Restos Militares da Grã-Bretanha de 1986, de modo que qualquer cidadão do Reino Unido envolvido em salvamento poderia ser processado.

Esta designação só ocorreu em 2006, e Brockman sugere que esta pode ter sido uma eventual reacção à “quantidade crescente de provas concretas provenientes de pesquisas arqueológicas de que os navios estavam a ser atacados por salvadores”. 

Grande parte desta evidência veio do arqueólogo-mergulhador Dr. Innes McCartney, cujas pesquisas desde 2000 revelaram suspeitas de salvamento em pelo menos 15 dos naufrágios identificados. Até agora, no entanto, nenhum salvador foi nomeado em conexão com os danos.

Os arqueólogos marítimos há muito que alegam que o Ministério da Defesa é indiferente ao destino dos navios de guerra afundados e que, de tempos a tempos, emite contratos lucrativos de salvamento a negociantes de sucata.

No próximo ano, a Convenção da UNESCO sobre a Protecção do Património Cultural Subaquático, que se aplica a todos os naufrágios com mais de 100 anos, também entrará em vigor para a protecção teórica dos naufrágios da Jutlândia. 

O PipeLine afirma que a Friendship Offshore BV ignorou os pedidos de resposta ao seu artigo. Leia e veja as fotografias em http://thepipeline.info/blog/2016/05/22/exclusive-named-the-salvage-company-which-looted-jutland-war-graves-as-mod-fails-to-act/    

23-May-16

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x