A proteção dos oceanos é mais popular do que se imaginava

arquivo – Diving NewsA proteção do oceano é mais popular do que se imaginava

Os mergulhadores preocupados com o facto de o público em geral não reconhecer a escala das ameaças humanas aos oceanos podem estar a subestimar os actuais níveis de preocupação.

Parece que a maioria do público não só reconhece as ameaças, mas também apoia amplamente as contramedidas que estão a ser tomadas nas suas partes do mundo, de acordo com um novo estudo publicado na Ocean and Coastal Management.

No que se acredita ser a primeira vez, uma equipa internacional de investigadores analisou inquéritos de percepção pública sobre questões marinhas que alcançaram mais de 32,000 pessoas em 21 países, e descobriu que 70% dos entrevistados acreditavam que o ambiente marinho estava ameaçado pelas actividades humanas, com 45% acreditando que os níveis de ameaça são altos ou muito altos.

Os entrevistados identificaram a poluição, seguida pela pesca, alteração de habitat, mudanças climáticas e perda de biodiversidade nessa ordem como os principais desafios.

As avaliações científicas classificaram geralmente a pesca e a perda de habitat como as maiores ameaças aos ambientes marinhos no passado, pelo que a ênfase do público na poluição representa uma divergência, de acordo com a Universidade de Califórnia San Diego, participante do estudo. 

A poluição foi classificada como a principal ameaça em todos os países do estudo, mas houve diferenças regionais, como a pesca ser considerada a principal ameaça na América do Norte e na Nova Zelândia, enquanto a perda de habitat e as alterações climáticas tiveram uma classificação mais elevada na Europa.

O estudo concluiu que 73% do público apoiava o estabelecimento de Áreas Marinhas Protegidas (AMPs) nas quais foram impostas restrições à pesca, alteração de habitat e mineração/extracção para proteger os ecossistemas, embora a compreensão da natureza das restrições das AMP variasse amplamente. .

“Há muito pensamento científico sobre a conservação dos oceanos em todo o mundo, mas há muito menos informação sobre o que as pessoas realmente pensam sobre o oceano e algumas das medidas de proteção”, disse a co-autora Jennifer O'Leary do Califórnia Universidade Estadual Politécnica.

“Isto é importante porque sempre que introduzimos medidas de proteção, pedimos às pessoas que mudem o seu comportamento. E sabemos, através de pesquisas comportamentais, que focar no que as pessoas já pensam é importante e pode facilitar a aceitação das mudanças.”

A professora Heike Lotze, da Universidade de Dalhousie, no Canadá, que liderou o estudo, manifestou surpresa pelo facto de a maioria das pessoas sobrestimar a proporção dos oceanos já protegidos, o que tende a dar-lhes uma visão demasiado optimista da conservação e gestão dos oceanos.

“No entanto, a maioria das pessoas ainda queria ver muito mais áreas oceânicas protegidas do que atualmente”, disse ela.

Divernet – O Maior Online Recurso para mergulhadores

26-Feb-18

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x