Peixe-lua fica na Irlanda

arquivo – Notícias de mergulhoSunfish fica na Irlanda

Avistamentos de peixes-lua oceânicos são relatados de tempos em tempos nas Ilhas Britânicas, mas se você sempre calculou que sua melhor chance de mergulhar com o maior peixe ósseo do mundo exigiria uma viagem ao Extremo Oriente, você pode ter sorte mais perto de casa.

Acontece que a mola mola pode ser encontrada nas águas irlandesas durante todo o ano – e em números muito mais elevados do que se pensava anteriormente.

Os novos insights vêm de cientistas da Escola de Ciências Biológicas, Terrestres e Ambientais da University College Cork e do Centro MaREI de Energia Marinha e Renovável, em colaboração com pesquisadores na Espanha e na Holanda.

Sabe-se que os peixes-lua oceânicos crescem até 3 metros e podem pesar até uma tonelada, mas os seus padrões migratórios permanecem relativamente misteriosos. Eles eram conhecidos por visitar as águas costeiras da Irlanda no verão para se alimentar das flores de águas-vivas, mas há muito se presumia que eles se mudariam para o sul, para águas mais quentes no outono.

A equipe realizou levantamentos aéreos durante todo o ano nas águas offshore da Irlanda, voando mais de 10,500 quilômetros no verão e no inverno e estendendo-se por quase 200 quilômetros no Atlântico. Seu projeto ObSERVE Aerial foi considerado o primeiro esforço abrangente de pesquisa offshore com bom tempo durante o inverno.

As descobertas dos pesquisadores confundiram a crença anterior de que os peixes-lua eram visitantes relativamente raros, pois estimou-se que pelo menos 12,700 poderiam ser encontrados no mar no verão – com um mínimo de 8200 restantes, mesmo no inverno.

“Como os peixes-lua passam mais de 80% do seu tempo abaixo da superfície, onde não podemos vê-los, tanto as estimativas de verão como de inverno representam estimativas mínimas”, disse a autora principal do estudo, Dra. Patricia Breen.

“Os dados que recolhemos serão importantes para determinar o número e a distribuição de muitas espécies marinhas protegidas durante o período de inverno.”

O estudo identificou várias áreas-chave de alta densidade de peixes-lua, que se pensa refletirem a distribuição das águas-vivas, e estimou que os peixes-lua consumiam cerca de 2600 toneladas de águas-vivas por dia para manter o seu grande volume.

“Isso torna o peixe-lua uma parte extremamente importante do ecossistema marinho”, disse o ecologista marinho e membro da equipe, Dr. Mark Jessopp. “É provável que desempenhem um papel pouco reconhecido, mas importante, no controle da proliferação de grandes águas-vivas.”

Novos insights sobre a abundância e distribuição sazonal do peixe-lua oceânico (Mola mola) no Atlântico Nordeste são publicados na Scientific Reports e podem ser lidos SUA PARTICIPAÇÃO FAZ A DIFERENÇA

Divernet – O Maior Online Recurso para mergulhadores

12-Jul-17

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x