A Revolução do Mergulho Técnico – parte 2

Uma equipe técnica mergulha nos destroços do King Edward VII, com 108 metros de profundidade, perto de Scapa Flow, em 1997.
Uma equipe técnica mergulha nos destroços do King Edward VII, com 108 metros de profundidade, perto de Scapa Flow, em 1997.

MERGULHADOR TÉCNICO

A Dados Técnicos: Revolução do Mergulho - parte 2

No mês passado, o mergulhador norte-americano MICHAEL MENDUNO relembrou o surgimento do que viria a ser o mergulho técnico. Agora ele analisa como recebeu esse nome, a controvérsia gerada pelo “gás do diabo” nitrox e a batalha para enfrentar a segurança no início dos anos 90. Imagem principal cortesia de LEIGH BISHOP

Veja também: Mergulhadores tecnológicos de Guz marcam data de inverno

UM DOS PROBLEMAS nos primeiros dias do mergulho tecnológico era que quase todo o mergulho estava “no armário”. Não foi amplamente comentado ou escrito na imprensa de mergulho, nem discutido em fóruns da indústria de mergulho, como o programa da Diving Equipment and Marketing Association (DEMA).

Entendeu-se que se você estivesse fazendo esse tipo de mergulho, você guardaria isso para si mesmo, para não ser culpado, envergonhado ou, pior, machucar alguém.

Não havia fórum para troca de informações e ideias, e não havia treinamento cursos. Infelizmente a falta de informação tornou os mergulhadores menos seguros!

Mergulho em cavernas em Wakulla Springs em 1987.
Mergulho em cavernas em Wakulla Springs em 1987.

Comecei o aquaCorps Journal em janeiro de 1990 para mudar isso. Nosso slogan inicial era “The Independent Journal for Experienced Divers”.

Eu comecei a fazer mergulhos descompressivos relativamente profundos (45-60m) em Califórnia no final da década de 1980 com um grupo de ciência cidadã do Vale do Silício chamado Expedição Cordell. Conduziu estudos de levantamento biológico nos montes marinhos ao largo da costa de Big Sur.

Fiquei tão entusiasmado com os mergulhos e com o que estávamos fazendo que quis escrever sobre isso e procurei diversas revistas de mergulho. Ninguém tocaria nisso.

Eventualmente um CalifórniaBaseada revista chamado Discover Diving concordou em publicar meu artigo, mas não sem advertências e avisos em todas as páginas de que não se tratava de mergulho recreativo.

Também fui apresentado ao mergulho em cavernas e ganhei uma cópia do livro de Bill Stone de 1987, The Wakulla Springs Project, que me surpreendeu totalmente: “Você consegue fazer isso?”

Artigo do Dr. Bill Hamilton na primeira edição do aquaCorps.
Artigo do Dr. Bill Hamilton na primeira edição do aquaCorps.

Naquele primeiro emitem do aquaCORPS, apresentamos um artigo do Dr. Bill Hamilton intitulado Call It “High-Tech” Diving.

Também nos referimos a ele como mergulho “avançado” e “esportivo profissional”, um apelido inventado pelo biólogo marinho e pioneiro do rebreather Dr. Walter Stark, inventor do primeiro rebreather eletrônico de circuito fechado de produção, o Electrolung.

Na altura, não sabíamos realmente como chamar esta nova forma de mergulho desportivo que atravessava as comunidades tradicionais de mergulho desportivo. Nenhum dos nomes parecia funcionar.

Também ficou claro que precisávamos estabelecer esta forma de mergulho separada e distinta do mergulho recreativo.

Jean-Pierre Imbert

'A segurança é a principal consideração no mergulho. Ele controla inteiramente as capacidades de profundidade e tempo.

Jean-Pierre Imbert

O RECREACIONAL A indústria do mergulho não estava satisfeita com o fato de o mergulho profundo e descompressivo – as “palavras D” – terem saído do armário e não queria ter nada a ver com o que estava surgindo.

As pessoas estavam, com razão, preocupadas com o facto de um aumento nas mortes por mergulho desencadear a intervenção do governo dos EUA e eliminar a isenção da indústria do mergulho recreativo das normas da Administração de Segurança e Saúde Ocupacional (OSHA). Os mergulhadores do Reino Unido tinham preocupações semelhantes sobre o aumento da regulamentação do Health & Safety Executive (HSE).

Drew Richardson escreveu este artigo no Undersea Journal há 28 anos. Hoje ele é presidente e CEO da PADI.
Drew Richardson escreveu este artigo no Undersea Journal há 28 anos. Hoje ele é presidente e CEO da PADI.

Naquela época, eu tinha vários amigos que eram escaladores e estavam envolvidos no que era então chamado de “escalada técnica”, em que os indivíduos usavam cordas e proteção para enfrentar rochas que de outra forma não poderiam ser escaladas.

A palavra “técnico” tinha todas as conotações corretas. Cheguei até a imaginar que um dia os “mergulhos técnicos” poderiam ser classificados por graus de dificuldade e/ou exposição, da mesma forma que os escaladores classificavam as escaladas em rocha, por exemplo uma subida 5.11, usando o Sistema Decimal de Yosemite (YDS) desenvolvido pelo Sierra Club. .

Então eu usei o termo para mergulho. Usei “mergulho técnico” pela primeira vez em aquaCorps #3 Deep, publicado em janeiro de 1991. A seguir emitem Mudei o slogan do aquaCorps para “The Journal for Technical Diving”.

Também lançamos um boletim informativo complementar chamado TechnicalDiver.

Mais tarde naquele ano, Drew Richardson, então vice-presidente da Associação Profissional de Instrutores de Mergulho (PADI), escreveu um editorial: Mergulho Técnico – A PADI tem a cabeça na areia?” para o Undersea Journal da PADI.

Isso ajudou a legitimar o mergulho tecnológico, distinto do mergulho recreativo. E o nome pegou! Ao contrário da crença popular, a PADI não pretendia encerrar o mergulho tecnológico, mas queria distingui-lo do mergulho recreativo.

NÓS CHAMAMOS a “revolução do mergulho técnico”, mas a revolução consistiu realmente na adaptação da tecnologia de mistura de gases ao mercado consumidor.

O conceito era simples e brilhante: seria possível melhorar a segurança e o desempenho dos mergulhadores, permitindo-lhes aumentar a profundidade e o tempo de fundo, otimizando o gás respiratório para a exposição planeada.

Neste caso, otimizar significava:

1) Manter níveis de oxigênio eficientes e confiáveis ​​durante o mergulho;

2) Reduzir/eliminar efeitos indesejáveis ​​de gases inertes, tais como narcose e HPNS (Síndrome Neurológica de Alta Pressão) e facilitar a libertação de gases;

3) Reduzir a densidade do gás respiratório para minimizar o trabalho respiratório e evitar o acúmulo de CO2.

Outra expedição abaixo dos 100m, desta vez para a equipe de mergulho Britannic 1998, exibindo seus AquaZepp DPVs.
Outra expedição abaixo dos 100m, desta vez para a equipe de mergulho Britannic 1998, exibindo seus AquaZepp DPVs.

Como tal, o mergulho com mistura de gases também representou uma poderosa mudança de paradigma para a comunidade do mergulho desportivo. Como escreveu o autor Neil Postman no seu livro Technopoly: The Surrender of Culture to Technology: “As novas tecnologias competem com as antigas – por tempo, por atenção, por dinheiro, por prestígio, mas principalmente pelo domínio da sua visão do mundo”.

Da noite para o dia, o surgimento do mergulho técnico, possibilitado pelo uso da tecnologia de mistura de gases, virou o mundo do mergulho recreativo de cabeça para baixo.

Enquanto os “mergulhadores profundos” da PADI desciam cautelosamente até ao limite de profundidade de 40 m, muitos mergulhadores tecnológicos subiam até essa profundidade para fazer a sua primeira paragem de descompressão.

Escusado será dizer que os instrutores de mergulho recreativo já não representavam o ápice da cadeia alimentar do mergulho desportivo.

Além disso, embora antes considerado a marca da elite, mergulhar além dos 67 m no ar era considerado cada vez mais tolo.

Como disse o cofundador do Woodville Karst Plain Project (WKPP), Bill Gavin, sobre o mergulho recorde em águas profundas: “É como estabelecer o recorde de velocidade de Bonneville Flats enquanto está bêbado. Qual é o objetivo?

É claro que a tecnologia mix não estava sendo promovida apenas para mergulhadores técnicos. Além do uso pela comunidade tecnológica emergente, Dick Rutkowsky, ex-aquanauta, vice-diretor de mergulho da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA), fundador da Associação Internacional de Mergulhadores Nitrox (IAND) e cofundador da American Nitrox Divers Inc (ANDI), começou a promover o uso de nitrox para mergulho recreativo.

E ele foi extremamente recalcitrante em sua defesa. “Mergulhar no ar é como fazer sexo sem camisinha. A tecnologia está aí. É estúpido não usá-lo”, disse Rutkowsky na época.

NÃO SURPREENDENTEMENTE, houve um retrocesso dramático por parte do estabelecimento existente da indústria de mergulho recreativo, que na época tinha pouca ou nenhuma base de conhecimento de nitrox ou tecnologia de mistura de gases e estava preocupada com a segurança, os métodos de mistura e o potencial de incêndios de oxigênio.

No outono de 1991, Bob Gray, fundador e diretor executivo da DEMA, decidiu proibir os fornecedores de nitrox e treinamento agências como IAND e ANDI de participarem da feira internacional anual.

Mais tarde, soube que a mudança foi instigada pela Cayman Water Sports Association, que estava preocupada com a violação dos limites de profundidade do nitrox pelos mergulhadores e também não queria que os mergulhadores turísticos estendessem seus tempos de fundo, muito obrigado. Também contou com o apoio da Skin Diver revista – Cayman Water Sports era o maior anunciante da SDM na época.

Muitos telefonemas e faxes acalorados foram trocados. Tom Mount, que se tornou presidente da IAND e mudou o nome para International Association of Nitrox & Technical Divers (IANTD), e Ed Betts, presidente e cofundador da ANDI, voaram para se encontrar com Gray.

Enquanto essas conversas aconteciam, pedi a ajuda do Dr. Bill e, junto com o fundador e CEO da Diving Unlimited Inc, Dick Long, com seu Scuba Diving Resources Group e Richard Nordstrom, então CEO da empresa Cis-Lunar Development Labs da Stone, organizei o Enriched Workshop Air Nitrox (EAN) em janeiro de 1992 em Houston, Texas.

O workshop aconteceu dias antes do show da DEMA acontecer lá.

Nosso objetivo era reunir todas as partes interessadas para discutir o nitrox e seus usos. À luz do workshop, Gray concordou em rescindir a proibição de vendedores de nitrox frequentarem a DEMA.

Também como resultado do workshop, a comunidade do mergulho desportivo estabeleceu o primeiro conjunto de políticas abordando o uso do nitrox, bem como estabeleceu que o nitrox não se limitava ao mergulho técnico, mas poderia ser usado por todos os mergulhadores desportivos.

Divulgamos as conclusões do workshop escrito pelo Dr. Bill em TechnicalDiver Vol. 3.1 naquele julho.

Naquele ano, a primeira página do guia do expositor da DEMA trazia um alerta sobre o uso de nitrox com equipamento de mergulho. Ironicamente, gerou um enorme burburinho no evento, fazendo com que os participantes perguntassem: “O que é nitrox?” Isto provou ser uma excelente publicidade para a tecnologia de mistura de gases e para a treinamento agências.

O VERÃO DE 1992 foi trágico para a comunidade incipiente de mergulho tecnológico. Houve oito mortes em mergulho de alto perfil, incluindo duas no naufrágio do Andrea Doria e uma no sistema de cavernas de Ginnie Springs, na Flórida, junto com uma série de situações que resultaram em ferimentos.

Os mergulhadores Steve Gatto e Tom Packer em 1990, com louças e vasos recuperados do naufrágio do Andrea Doria.
Os mergulhadores Steve Gatto e Tom Packer em 1990, com louças e vasos recuperados do naufrágio do Andrea Doria.

Então, naquele outono, houve uma dupla fatalidade envolvendo uma equipe de pai e filho no submarino alemão não identificado, conhecido como U-Who (mais tarde identificado como U869 por John Chatterton e Richie Kohler).

Muitos temiam que essas mortes provocassem regulamentação governamental e encerrassem efetivamente o mergulho técnico.

Com um número crescente de mortes, Skin Diver revista iniciou uma cruzada com uma série editorial de três partes nos últimos três meses de 1992, pedindo o fim do mergulho profundo e do uso de nitrox, ou pelo menos um retorno ao armário.

O editor Bill Gleason, em seu editorial de outubro de 1992, Deep Diving / Nitrox Perspective, escreveu: “Volte para o armário e dê aos mergulhadores responsáveis ​​a oportunidade de fechar e trancar a porta no mergulho profundo”.

O fato de alguns desses editoriais confundirem o uso do nitrox com mergulho profundo mostra a falta de informação e entendimento da época em relação à tecnologia. O Nitrox é normalmente usado como gás de fundo em mergulhos relativamente rasos (menos de 40 m) e por mergulhadores técnicos como gás de descompressão após mergulhos profundos com hélio.

Enquanto isso, a Associação de Esportes Aquáticos de Cayman emitiu um alerta de que as câmaras locais não tratariam mergulhadores que tivessem se curvado durante o mergulho com nitrox. O famoso colunista do Skin Diver, ER Cross, até se posicionou com uma coluna intitulada Por que não usarei Nitrox.

É claro que naquele momento já era tarde demais para colocar o gênio de volta na garrafa.

Folheto Tek93.
Folheto Tek93.

Em janeiro de 1993, a aquaCorps realizou a primeira conferência anual de mergulho tecnológico, tek.93, em Orlando, Flórida, novamente pouco antes do show da DEMA.

Isto reuniu membros das comunidades de mergulho técnico, recreativo, militar e comercial para fins de educação e partilha de informações, bem como para abordar a recente onda de acidentes de mergulho e o que era necessário para a comunidade de mergulho técnico avançar.

Como resultado da conferência, um grupo de nós, incluindo Billy Deans, Kevin Gurr e outros, reuniu o primeiro conjunto de padrões de consenso comunitário ou “melhores práticas” para mergulho técnico.

Publicamos isso como Blueprint for Survival 2.0 em junho na aquaCorpsm #6 Computing. Foi um conjunto de 21 recomendações para melhorar a segurança do mergulho técnico nas áreas de treinamento, fornecimento de gás, mistura de gás, descompressão, equipamentos e operações, com base no trabalho original de Sheck Exley sobre análise de acidentes Basic Cave Diving: A Blueprint for Survival .

Nesse livro, Exley desenvolveu um conjunto de 10 princípios ou recomendações baseados em análises minuciosas de acidentes de mergulho em cavernas, e ajudou a reduzir as fatalidades em mergulhos em cavernas.

Nós também começamos uma nova seção na revista, Relatórios de Incidentes, que apresentava análises detalhadas de acidentes de mergulho técnico e logo se tornou uma das seções mais lidas da revista.

Uma das minhas citações favoritas na época veio de um artigo científico de Jean-Pierre Imbert, que trabalhou no programa experimental de mergulho com hidrogênio da COMEX SA e mais tarde se tornou um técnico da IANTD. instrutor, e outros: “A segurança é a consideração principal no mergulho. Ele controla inteiramente as capacidades de profundidade e tempo.”

Ironicamente, o artigo foi intitulado Mergulho seguro em alto mar até 1500 pés usando hidrogênio. É provável que poucas pessoas na época considerassem seguro mergulhar a 457 m ou usar misturas respiratórias de hidrogênio. Mas essa foi a lição que estávamos aprendendo. Segurança era tudo!

Ao longo dos anos seguintes, as várias agências de formação tecnológica, incluindo a Technical Diving International (TDI), formada em 1994 por Bret Gilliam e Mitch Skaggs, e mais tarde a Global Underwater Explorers (GUE), fundada em 1998 por Jarrod Jablonski, desenvolveram sólidos cursos de formação e o histórico de segurança melhorou.

O mergulho técnico começou a se firmar como um ramo legítimo do mergulho esportivo, e mesclar tecnologia na forma

do nitrox foi gradualmente adotado pelo lado recreativo do negócio de mergulho.

Em 1995, a PADI, juntamente com o British Sub-Aqua Club (BSAC), a National Academy of Scuba Educators (NASE) e a Scuba Schools of America (SSA), juntaram-se a outras agências de treinamento de mergulho recreativo e técnico para oferecer treinamento enriquecido com nitrox no ar. A era da tecnologia single-mix – mergulho aéreo – estava morta.

O estabelecimento do mergulho tecnológico e do uso de nitrox ajudou a alimentar o desenvolvimento do que se poderia chamar de infraestrutura de mistura de gases no nível das lojas de mergulho no varejo. Este foi um passo necessário para o eventual surgimento da tecnologia de rebreather.

No sentido horário, de cima para baixo: abrir a torneira nitrox foi, no mínimo, controverso; controvérsia profunda em Skin Diver; a revista Just Say No to Nitrox? editorial de Bill Gleason; Dick Rutkowsky: ‘A tecnologia está aí. É estúpido não usar isso’; aviso de nitrox na primeira página do guia do show DEMA de 1992.
No sentido horário, de cima para baixo: abrir a torneira nitrox foi, no mínimo, controverso; controvérsia profunda em Skin Diver; a revista Just Say No to Nitrox? editorial de Bill Gleason; Dick Rutkowsky: ‘A tecnologia está aí. É estúpido não usar isso’; aviso de nitrox na primeira página do guia do show DEMA de 1992.

Leia as partes 1 e 3 aqui:

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x