A tartaruga que sustenta o mundo

arquivo – Vida MarinhaA tartaruga que sustenta o mundo

As tartarugas, e em particular as tartarugas verdes mais comumente encontradas pelos mergulhadores, não são reverenciadas à toa, diz ALEXANDER KURAKIN. Fotografias de ANDREY NEKRASOV

DIZEM QUE SÓ SÃO TRÊS coisas no mundo que nunca nos cansamos de contemplar – chamas, água corrente e alguém trabalhando. Quando vi pela primeira vez uma tartaruga verde “voando” na água, não muito longe de Marsa Alam, no Egito, percebi que essa lista precisava ser ampliada.
A graça, o poder interior e a harmonia dos movimentos deste animal são absorventes para quem observa. É como o vôo de um pássaro, mas em câmera lenta.
O mundo subaquático é um mundo de silêncio, no entanto, e não precisamos tanto de termos físicos como musicais para descrever tal movimento.
Uma silhueta vaga aparece. Cresce rapidamente, separa-se do fundo azul e transforma-se numa grande tartaruga. Suas nadadeiras/asas dianteiras movem-se para cima e para baixo, mostrando-nos o largo, que é lento e largo.
Mas aqui a tartaruga avista um grupo de mergulhadores e perde o ritmo. Sua cabeça se volta para o local problemático, primeiro um olho, depois o outro. As nadadeiras tremem de forma alarmante, a amplitude de movimento diminui, o andamento acelera e obtemos moderato.
Um dos mergulhadores se move descuidadamente, e uma explosão de ritmo é a resposta – apesar de seu tamanho impressionante, a criatura blindada faz uma curva acentuada e rapidamente se afasta para longe, usando golpes rápidos e poderosos – allegro transformando-se em presto.
Mas manter essa taxa por muito tempo não combina com o temperamento da tartaruga. Depois de uma dúzia de pinceladas começa a abrandar, depois o espaço azul absorve novamente a silhueta e voltamos ao largo familiar.

NA ANTIGUIDADE, A TERRA foi pensado para descansar nas costas de uma tartaruga gigante no “oceano mundial”. As tribos que viviam no que hoje é a Índia acreditavam que a tartaruga era uma das principais figuras do universo. Diz a lenda que sete elefantes sustentam a Terra nos ombros e ficam nas costas de uma tartaruga. A tartaruga é segurada por uma cobra.
Os nativos americanos acreditavam que a “árvore cósmica” crescia nas costas de uma tartaruga e simbolizava todo o universo. Nas lendas japonesas, uma tartaruga sustenta a “montanha mundial” que se ergue do oceano primitivo para organizar o espaço e o tempo. E na Índia, a tartaruga gigante foi uma das encarnações do deus e guardião do mundo Vishnu.
A parte inferior de sua concha (o plastrão) era identificada com a superfície da Terra, enquanto a parte superior (a carapaça) simbolizava a abóbada celeste.
No folclore de muitas nações, conceitos como Mãe Terra, água, início da criação, fertilidade, tempo e imortalidade estão associados à tartaruga.
As tartarugas vivem em nosso planeta há muito tempo. Os paleontólogos acreditam que eles apareceram durante o período Triássico da era Mesozóica, há cerca de 220 milhões de anos (compare isso com a nossa história de 2 a 5 milhões de anos).
O tamanho das tartarugas verdes atuais pode ser impressionante (comprimento máximo da carapaça superior a 2 m, peso 500 kg), mas isto não é nada comparado com o seu ancestral fóssil, o archelon.
Esta tartaruga, originária dos mares do período Cretáceo, crescia mais de 4.5m de comprimento e pesava mais de 2 toneladas.

HOJE EM DIA SÃO ENCONTRADAS TARTARUGAS quase em toda parte nas águas tropicais e subtropicais dos oceanos Atlântico, Índico e Pacífico, mas apenas seis espécies destes répteis sobreviveram.
A maioria deles são predadores que se alimentam de vários invertebrados e peixes. E apenas um tipo segue uma dieta vegetariana – as tartarugas verdes mais frequentemente vistas pelos mergulhadores.
Podemos vê-los quando pastam na grama em águas costeiras rasas, pairam sobre um recife distante ou dormem em uma caverna marinha. Podemos ter uma ilusão de bem-estar com estes avistamentos, mas a tartaruga verde certamente já passou por tempos melhores do que estes.
Quando os navios de Cristóvão Colombo se aproximavam das Índias Ocidentais no século XV, os marinheiros ficaram impressionados com o número de “pedras vivas” que pontilhavam a superfície do mar. Estas eram tartarugas verdes. O conjunto de ilhas onde este fenômeno foi observado chegou a ser chamado de Las Tortugas.
Na verdade eram tantas as tartarugas que criavam dificuldades aos navios, que tinham que tentar contorná-las enquanto tentavam seguir um rumo direto.
Teria sido difícil imaginar que dentro de alguns séculos as tartarugas seriam raras ali. Até o nome Las Tortugas ficaria obscurecido, pois as ilhas passaram a ser conhecidas como Caymans.

MESMO SEM HUMANO intervenção, a natureza é bastante severa com esses andarilhos sem casca. As jovens tartarugas verdes passam a juventude entre acumulações de algas flutuando na superfície do oceano, comendo águas-vivas, crustáceos e moluscos. São presas saborosas para tubarões e outros peixes predadores.
Somente quando completam cinco anos e atingem um tamanho respeitável é que ousam retornar às águas costeiras rasas.
Aqui mudam a alimentação, passando a ser o prato principal as ervas marinhas. Durante os próximos 10 a 20 anos, eles continuam viajando em busca de novas pastagens.
Então, o eterno instinto de procriação leva as tartarugas de volta à mesma praia onde nasceram de um ovo anos antes. Os cientistas ainda não descobriram exatamente como as tartarugas encontram o caminho para o seu local de nascimento.
Alguns acreditam que se movem em direção ao cheiro de um “banco doméstico” espalhado pelas correntes oceânicas, outros que navegam usando o sol e as estrelas, e um terceiro grupo insiste que são os campos magnéticos terrestres que os guiam no seu caminho.
De uma forma ou de outra, as tartarugas atravessam grandes distâncias para encontrar alguma ilha que deixaram duas ou três décadas antes. Em um caso registrado oficialmente, uma tartaruga nadou 1250 milhas para chegar em casa!
Nas águas de sua querida ilha, as tartarugas encontram parceiros que fizeram a mesma difícil jornada. Algum tempo após o acasalamento, as fêmeas rastejam para a praia à noite. As tartarugas podem ser ativas e graciosas no azul profundo, mas são desajeitadas em terra, por isso cada movimento é executado com grande dificuldade.
E há muito a ser feito: encontrar um lugar acima da zona de respingo e cavar um buraco bastante profundo com nadadeiras projetadas não para cavar, mas para nadar.
A mãe tartaruga põe de 100 a 200 ovos nos dois a cinco ninhos que ela faz em uma temporada. Ela os cobre com areia e os disfarça cuidadosamente – mas como uma criatura pode conseguir esconder algo quando deixa suas “pegadas” semelhantes a lagartas na areia?

COM SENTIDO DE ALÍVIO a fêmea finalmente retorna ao mar enquanto, na areia profunda e quente, começa a dura vida das tartarugas. Muitos ninhos são destruídos durante as seis a oito semanas de incubação, à medida que cobras, guaxinins, jaguatiricas, onças, cães vadios e outros predadores desfrutam de uma dieta nutritiva de ovos de tartaruga.
Eventualmente, os filhotes pequenos (com cerca de 5 cm de comprimento) escavam para sair da areia e seguem em direção ao mar. Poucos conseguem passar pelo desafio dos predadores que aguardam um lucro fácil – aos já mencionados juntam-se enormes bandos de aves de rapina.
E aquelas pequenas tartarugas que chegam à água ainda não podem comemorar a sua vitória, porque cardumes de peixes famintos estão rondando além da zona de respingo. Os cientistas estimam que a taxa de sobrevivência dos filhotes pode ser medida em centésimos de ponto percentual.
Mas tudo é equilibrado por natureza. Até que os humanos se intrometessem nessa aritmética cruel, as tartarugas podiam pesar a balança por conta própria.
Uma tartaruga verde vive cerca de 80 anos, o que lhe dá a oportunidade de produzir tantos ovos que mesmo nas condições mais desfavoráveis ​​é garantido um balanço positivo do número de espécies, como demonstraram Colombo, Cook e outros exploradores da Era dos Descobrimentos. .
Infelizmente, os exploradores olhavam para as tartarugas não do ponto de vista estético, mas gastronômico. Afinal, a viagem durava meses e o armazenamento a longo prazo dos produtos era muito limitado, de modo que as tartarugas eram consideradas apenas uma fonte confiável de carne fresca.
Ao longo dos anos, à medida que a comunicação entre o Velho e o Novo Mundo aumentou, também aumentou a taxa de consumo de tartarugas.
A verde também era conhecida como tartaruga comestível, sendo importante ressaltar que “verde” não descreve a cor do animal (que pode ser verde, marrom ou marrom escuro), mas a da gordura raspada de dentro da casca superior.
O chamado calipee, um tecido cartilaginoso tenro, era cortado da parte inferior da casca, e este e a gordura eram os ingredientes mais importantes da famosa sopa de tartaruga.
Infelizmente, a sopa de tartaruga continua popular e os ovos de tartaruga são amplamente utilizados na culinária e na confeitaria em todo o mundo. Assim, o número destes répteis diminuiu e as tartarugas, que ainda podem ser encontradas na costa mediterrânica da Turquia ou nas proximidades das estâncias turísticas egípcias de Marsa Alam e Abu Dabab, dificilmente são uma tribo marítima próspera.
Felizmente, muitos países costeiros perceberam que atrair turistas que desejam ver as tartarugas em seu ambiente nativo pode ser muito mais lucrativo do que comê-las.

VISITAMOS A MALÁSIA costa leste, onde em 1991 nove ilhas offshore foram unidas como um parque marinho, Pulau Redang. Um dos maiores “jardins de infância” de tartarugas do mundo está localizado na Ilha Redang.
A equipe garante que ninguém incomode as mães blindadas durante a postura dos ovos e protege os preciosos conjuntos até que os bebês comecem a eclodir.
A intervenção humana nesta fase é útil, porque aumenta dezenas de vezes as taxas de sobrevivência. Nas noites de verão, quando um grande número de pequenas tartarugas surge da areia, os conservacionistas percorrem a praia, recolhendo a “colheita” em grandes baldes de plástico.
Estas tartarugas passam uma noite seguras nos baldes durante o período de caça mais activa dos seus predadores, e são libertadas de manhã, não na praia, mas no fundo do mar. Isto não garante que todos sobreviverão, mas as suas probabilidades aumentam significativamente. O trabalho realizado pelo parque marinho é importante, mas cada um de nós pode proteger as tartarugas.
Se nos abstivermos de comprar lembranças de tartarugas feitas de carapaça e não pedirmos sopa de tartaruga, tudo isso irá limitar a rentabilidade do negócio das tartarugas, e quanto mais pessoas seguirem esta linha, mais hipóteses teremos de salvar estes incríveis animais e preservando a beleza e a diversidade do mundo.
Afinal, nosso mundo repousa sobre uma tartaruga.

Apareceu no DIVER maio de 2017

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x