Tour do Naufrágio 100: Hathor e Plympton

Excursão aos destroços de Hathor e Plympton
Excursão aos destroços de Hathor e Plympton

Este passeio é um prazer duplo, pois JOHN LIDDIARD amostra dois naufrágios em um local de mergulho no sudoeste, adequado para todos os níveis de mergulho. Ilustração de MAX ELLIS.

Últimos momentos do Plymton.jpg
Últimos momentos do Plympton

PARA CELEBRAR A CONCLUSÃO DO NOSSO PRIMEIRO SÉCULO DE PASSEIOS DE DESTRUIÇÃO, não temos apenas um novo visual, mas dois por um.

Ou seja, dois naufrágios em um passeio e dois naufrágios em um mergulho. Eles são o Hathor e Plympton nas Ilhas Scilly, nessa ordem porque Hathor domina o local, permanecendo e obscurecendo grande parte Plympton.

Em 1909 o Plympton dirigiu até o pináculo mais ao sul das rochas Lethegus vindo do sudeste, inicialmente parando quase em pé nas rochas, posteriormente virando e depois rolando pelo recife para quebrar de cabeça para baixo.

Onze anos depois, em dezembro de 1920, o maior Hathor estava sendo rebocado em direção a Portland quando as tempestades fizeram com que os rebocadores o soltassem. Ela foi arrastada com a popa para o mesmo pináculo do Lethegus, vinda do sudoeste, parando do outro lado do rio. Plympton.

Quando você considera que o Plympton é principalmente esmagado abaixo do Hathor, é mais como um naufrágio que estamos realmente em turnê.

Nosso passeio começa em uma ravina no lado sudeste da rocha que causou a destruição de ambos os destroços, onde o eixo da hélice do Hathor quebra a uma profundidade de 20m (1).

A seção intacta do eixo segue em direção à popa enquanto, na direção oposta, abaixo da extremidade do eixo, seções do virabrequim e dos pistões da HathorO motor está espalhado no fundo da ravina (2).

Continuando em direção ao mar, a linha dos destroços é bastante óbvia e fácil de seguir. À frente do motor estão os Hathorcaldeiras (3). Em vez de demorar, vale a pena continuar avançando e descendo em um ritmo razoável para tirar primeiro do caminho a parte mais profunda do mergulho.

À medida que o recife desce, o caminho é marcado por uma seção da braçola da escotilha de porão e, em seguida, uma placa de convés com um guincho de carga ainda montado (4) a uma profundidade de 28m.

Seguindo ao longo de bombordo do convés, há um segundo guincho de carga (5) e um par de postes de amarração na borda do convés.

Polia-bloco-algemado-ao-convés-do-Hathor
Bloco de polia acorrentado ao convés do Hathor

Aqui nossa rota sai do Hathor e desce até o fundo do mar a 35m, onde a cauda do PlymptonO eixo da hélice emerge abaixo do Hathorcasco (6). Este eixo leva a uma pequena seção da quilha, seguida pelo recorte da hélice com o PlymptonA hélice de ferro ainda está no lugar. A alguns metros daqui, o Plymptono leme está deitado na areia (7). Agora voltando em direção ao Hathor, o topo do mastro dianteiro e um par de torres (8) sobressaia do contorno geral do casco.

O casco do Hathor está agora quase plano em um fundo marinho nivelado até a proa, que caiu para bombordo. A fenda onde o arco tombou facilita o acesso ao interior e revela algumas anêmonas coloridas.
O guincho da âncora (9) caiu do convés, de cabeça para baixo, abaixo da placa de montagem, com tubos de aço que teriam guiado a corrente acima dele.

A ponta da proa está a 48m, com um dos Hathoras âncoras estão encostadas nele de um lado (10). Acima da âncora, a corrente sai do tubo de amarração na face superior de estibordo da proa.

Tendo seguido principalmente o lado de bombordo dos destroços, nossa rota é inclinada para estibordo, voltando para águas mais rasas. O mastro pelo qual passamos anteriormente está sobre os destroços, seguido por um guincho de carga (11).

À medida que a profundidade diminui, olhando para estibordo do Hathor revelará o casco revirado, esmagado e quebrado do Plympton (12), onde caiu ao longo da outra face da rocha. A partir daqui, um mergulho poderia continuar até a proa (13), mas tendo estado profundamente na proa do Hathor, uma rota mais rasa e interessante é continuar neste naufrágio até a popa.

Como o casco quebrado do Hathor sobe a face da rocha, outra caldeira é orientada para baixo ao longo dos destroços (14) para dar um total de quatro. O Hathor está listado como tendo dois, então por que quatro?

As caldeiras extras poderiam vir do Plympton, que também tinha dois? É uma ideia divertida, mas não há como eles terem acabado no Hathoré o casco. Eles estão esmagados e quebrados abaixo.

Houve um terceiro acidente não identificado envolvido? Além das caldeiras, não há sinais de destroços que não possam ser facilmente instalados como parte do Plympton or Hathor.

A caldeira (14) tem um aspecto ligeiramente diferente das duas atrás dela, embora isto possa dever-se ao facto de terem rodado de forma diferente. O mais provável, penso eu, é que o Hathor tinha um par de caldeiras duplas, cada uma construída como duas 'quase caldeiras', costas com costas.

Em 7060 toneladas, Hathor era grande o suficiente para usar tanto vapor. À medida que os destroços se desintegraram, as caldeiras de duas extremidades desfizeram-se e agora parecem quatro caldeiras mais pequenas.

Já atrás das caldeiras, o nosso percurso cruza o nosso ponto de partida, onde o veio da hélice está partido. O poço leva de volta ao lado da rocha para uma seção intacta do túnel (15).

A partir do final disto, o Hathorhélice sobressalente (16) pode ser encontrado no fundo da ravina a 24m. Os destroços gerais se quebram neste ponto, embora o eixo de transmissão leve mais para trás antes de terminar acima de uma crista rochosa a 16m (17).

Cabeços dentro dos arcos Hathors
Cabeços dentro dos arcos Hathors

Isto dá a orientação geral para continuarmos para a popa, descendo novamente aos 22m até uma pilha de correntes (18), depois uma pequena torre e uma seção curva da grade de popa (19). Eu suspeito que como Hathor afundou e parou parcialmente nesta cordilheira. Quando a popa se separou do resto dos destroços, o eixo de transmissão foi puxado para permanecer com a parte dianteira dos destroços.

A grade continua ao redor da popa, passando pelo motor de direção (20), empurrado para cima enquanto a popa assentava sobre o eixo do leme, depois termina nas partes quebradas de um guincho (21), mostrando que a popa havia girado ligeiramente, em relação à direção geral do navio ao pousar.

Se não houver onda, uma possibilidade de subida é voltar ao ponto de partida e subir as rochas.

No entanto, mesmo no dia mais calmo, é provável que haja uma onda razoável, pelo que descompressões mais longas serão mais seguras e mais confortáveis ​​num SMB atrasado.

O que nos leva ao final do nosso primeiro século de Passeios em Naufrágios. Ninguém sabe quantos naufrágios existem no Reino Unido. Os especialistas geralmente concordam que existem mais de 100,000.

Isso deixa 99.9% pela frente e me mantém no emprego pelos próximos 8332 anos.

Obrigado a Richard Ross e Tim Walsh.

BOM DUPLO

PLYMPTON, navio de carga, CONSTRUÍDO em 1893, Afundado em 1909

HATOR, navio de carga, CONSTRUÍDO em 1912, Afundado em 1920

Não é sempre que você pode explorar dois naufrágios que realmente estão um em cima do outro.

Mas o Plympton e os votos de Hathor nas rochas Lethegus, perto de St Agnes, nas Ilhas Scilly, oferecem exatamente esse tipo de veículo de dois andares, escreve Kendall McDonald.

O primeiro a afundar foi o navio a vapor de 2869 toneladas Plympton, construído por Furness Withy em West Hartlepool. O navio de parafuso único era movido por motores de três cilindros de expansão tripla com duas caldeiras que lhe davam 256 cv. Ela tinha 314 pés de comprimento e uma boca de 40 pés.

Ela era capitaneada por Alexander Stewart com uma tripulação de 24 pessoas e um passageiro quando fez escala em Falmouth vindo de Rosário, Argentina. Lá ela recebeu ordens para levar sua carga de 4100 toneladas de milho em sacos para Dublin e descarregá-lo lá.

À meia-noite de 13 de agosto de 1909, ela se deparou com uma densa neblina que durou todo o dia seguinte. Stewart sabia que estava em apuros.

O chumbo era usado em intervalos curtos e a sirene soava quase continuamente. A partir das 4h do dia 14 de agosto, o capitão Stewart montou uma vigilância de escuta, com todos os tripulantes no convés se esforçando para ouvir a buzina de nevoeiro de Bishop Rock. Eles ainda não tinham ouvido quando o Plympton correu para o recife Lethegus, encheu-se de água e foi abandonado. A tripulação e os passageiros pousaram em segurança em St Agnes.

Assim que os ilhéus se convenceram de que todos estavam seguros, eles iniciaram a antiga prática sciliana de desmontar os destroços, que encontraram encalhados perto da proa. Contudo, enquanto trabalhavam Plympton subiu com a maré cheia e, sem aviso, virou e afundou. Dois homens que estavam abaixo morreram afogados.

Onze anos depois, em 2 de dezembro de 1920, um navio maior afundou no topo do Plympton. O alemão de 7060 toneladas Hathor tinha 465 pés de comprimento e boca de 60 pés, construído em 1912 com motores de tripla expansão de 482 CV e duas caldeiras. Ela foi internada no Chile durante a Primeira Guerra Mundial, quando seu motor principal foi negligenciado e considerado muito suspeito.

Apesar disso, após o Armistício ela navegou para Portland com uma carga completa de nitrato de sódio e torta de óleo, mas seu motor quebrou nos Açores.

Ela foi rebocada por dois rebocadores, que a perderam duas vezes quando as amarras se separaram e finalmente se tornaram incontroláveis ​​​​ao largo das Ilhas Scilly em 1º de dezembro de 1920. O reboque foi retirado de St Agnes. Hathor encalhou e finalmente afundou para se misturar aos destroços do Plympton.

GUIA TURÍSTICO

Mapa dos destroços de Hathor-Plympton
Mapa dos destroços de Hathor-Plympton

CHEGANDO LA: A scilloniano navega diariamente de Penzance, 01736 334220. Alternativamente, voe de Land's End com Skybus, 08457 105555, ou de helicóptero de Penzance, 01736 363871. Para um grupo com kit de mergulho, um contêiner de carga pode ser reservado para o scilloniano.

MARÉS: A corrente nunca é forte o suficiente para impedir o mergulho, embora em alguns lugares afunile entre as rochas, sendo mais forte pouco antes da cheia de St Mary's.

COMO ENCONTRAR: A Plympton e Hathor encontram-se contra Lethegus Rocks, ao sul da ilha de St Agnes. As coordenadas GPS para o pináculo mais meridional das rochas são 49 52.85N, 6 20.85W (graus, minutos e decimais). Esta sobe até aos 1.2m de profundidade e é o ponto de partida para o nosso mergulho na Hathor fica a sudeste disto, à medida que a rocha cai em

MERGULHO, ALOJAMENTO E AR: Serviços de mergulho de St Martin, 01720 423420/ 422848.

Qualificações: A variação de profundidade torna estes naufrágios adequados para mergulhadores que desejam desenvolver a sua experiência em profundidade sem se comprometerem com um mergulho de perfil retangular.

LANÇAMENTO: É um longo caminho desde o deslizamento em Penzance, mas a viagem é viável para um grande RIB em boas condições de mar, especialmente se os mergulhadores apanharem o ferry.

OUTRAS INFORMAÇÕES: Carta do Almirantado 34, Ilhas de Scilly. Estrada de Santa Maria. Mapa 101 do Explorador de Pesquisa de Artilharia, Ilhas de Scilly. Mergulhe nas Ilhas Scilly e North Cornwall, de Richard Larn e David McBride. Naufrágios nas Ilhas Scilly, Gibsons de Scilly. Informações turísticas das Ilhas Scilly.

PROS: Dois belos naufrágios que proporcionam mergulho cobrindo a extensão habitual da experiência do clube de mergulho.

CONTRAS: Exposto a Sudoeste.

PROFUNDIDADE: 20-35m – 35-45m

Classificação de dificuldade

Apareceu no DIVER junho de 2007

Versão em PDF do Wreck Tour 100 Hathor & Plympton

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x