Tour dos Naufrágios 122: Karlsruhe

O passeio pelos naufrágios de Karlsruhe
O passeio pelos naufrágios de Karlsruhe

Aquecendo para mergulhar nos destroços do Scapa Flow em Orkney? Existem poucos naufrágios melhores para esse propósito do que este, o mais raso dos cruzadores alemães da Primeira Guerra Mundial, diz JOHN LIDDIARD. Ilustração de MAX ELLIS

AO DECIDIR QUAL DO FLUXO SCAPA naufrágios aparecerão no deste ano Passeios em Naufrágios, eu tinha apenas uma pequena escolha para apresentar – o cruzador Grand Fleet da Primeira Guerra Mundial Karlsruhe, ou o barco de escolta da 2ª Guerra Mundial F2.

No final resolvi finalizar o conjunto de cruzadores, então o tour deste mês é o SMS Karlsruhe, a 26m do fundo do mar, alguns metros mais raso que os outros cruzadores, um mergulho de aquecimento popular e conveniente como um segundo mergulho após um dos naufrágios mais profundos.

A Karlsruhe está mais quebrado que os outros cruzadores, mas esse é um dos seus encantos. Muitos detalhes escondidos bem no fundo dos outros estão à vista no Karlsruhe.

Como em todos os naufrágios do Scapa, uma bóia está permanentemente fixada. No Karlsruhe está preso à frente de um par de torres pesadas (1) a bombordo, logo à frente do meio do navio, a apenas 14m. Abaixo disso, os turcos de estibordo correspondentes caíram soltos no fundo do mar (2) entre uma escada substancial e um mastro de 26m.

O caminho a seguir é com o baralho no ombro esquerdo. Os mastros também caíram no fundo do mar e, em seguida, uma grande parte do convés de tábuas de teca deslizou ligeiramente quando o casco desabou (3).

Esta não é uma parte tão importante do naufrágio em si, mas marca o ponto em que se deve começar a procurar a bitácula do leme (4), uma seção em forma de cone que está semienterrada no fundo do mar, entre a seção do convés que acabamos de passar e a torre de comando blindada (5).

Esta última característica é imperdível, um pesado cilindro de aço com alguns metros de diâmetro e altura, com anéis menores no topo para proteger o capitão durante a batalha enquanto ele comandava o navio.

Permanecendo no fundo do mar, nosso passeio agora é feito na proa longa e cônica do cruzador. Duas torres de canhão de 5.9 polegadas (6) permaneceram frouxamente conectados às suas bases, aos eixos da torre e ao convés circundante, enquanto o convés desabou. Este par estaria originalmente lado a lado, talvez ligeiramente deslocado para que ambos pudessem atirar no mesmo lado do navio ao mesmo tempo.

Eixo do carregador abaixo de um par de torres de canhão dianteiras
revista eixo abaixo de um par de torres de canhão dianteiras

Tal como nos outros cruzadores Scapa Flow, as costas das torres são abertas, revelando detalhes dos mecanismos de brecha e elevação dos canhões.

A forma como o convés se dobrou torna-se mais aparente um pouco mais à frente, onde um par de cabrestantes de âncora (7) ficam quase um acima do outro com seus próprios fragmentos de deck revestido de teca, onde originalmente estariam lado a lado.

bobinas de cabo
Bobinas de cabo

Dos cabrestantes, a corrente da âncora pende frouxamente antes de desaparecer pelos canos de escora, com pares de grandes cabeços de amarração de cada lado (8).

corrente de âncora
Corrente de âncora

A proa em si é surpreendente, pois as placas do casco apodreceram deixando apenas um esqueleto da proa (9), um local privilegiado para algumas grandes anêmonas plumosas, onde a corrente quase insignificante se acumula no final dos destroços.

Agora indo para a popa, passando pelos turcos do barco, uma placa com uma escotilha oval (10) marca uma área que antes teria sido uma superestrutura não blindada, agora em grande parte deteriorada.

Nossa rota agora atravessa outra grande seção do convés de tábuas de teca, antes de chegar a uma pilha espalhada de carvão (11).

Uma olhada nas fotos do Karlsruhe revela que mais uma vez havia armas nesta área, mas o máximo que consegui encontrar foi uma das flechas (12) isso teria apoiado um canhão até a quilha do navio.

Uma de um par de torres de canhão avançadas
Uma de um par de torres de canhão avançadas

Logo abaixo estão alguns dos recursos do Karlsruhe isso estaria bem dentro de qualquer um dos outros destroços – um fogão de cozinha (13) e um armário de metal.

Os destroços aqui mergulham onde o casco foi aberto para salvamento, mas a rota de popa é fácil de seguir continuando ao longo da borda dos destroços. Agora no convés de popa, outra torre de canhão (14) caiu no fundo do mar para descansar de lado, o cano da arma quase obscurecido pelo lodo.

a arma e o escudo
A arma e o escudo

Mais decks de tábuas de teca abrem caminho para a popa até um único cabrestante para uma âncora kedge (15).

Em ambos os lados do convés há pares de postes de amarração (16), depois pares de recortes semicirculares (17), cada um com pouco menos de 1m de diâmetro. Ainda não identifiquei a sua finalidade – poderia ser tão sofisticada como a colocação de minas, ou tão simples como barracos sanitários pendurados na popa. Eu adoraria saber com certeza. Não há nada comparável nos outros destroços de cruzadores, mas o Karlsruhe é uma geração diferente de cruzador.

Bem na popa há um único tubo para uma âncora kedge (18).

Contornando a popa e ficando próximo ao fundo do mar, o leme se soltou e repousa no fundo do mar (19). Ao fazê-lo, abriu um buraco no casco através do qual se pode ver o topo do eixo do leme e os enormes aríetes do motor de direção.

Permanecendo no casco, o eixo da hélice de estibordo e a estrutura em A (20) lidera o caminho a seguir, desaparecendo apenas momentaneamente antes de chegarmos ao buraco de resgate. Os salvadores estavam atrás de metais não ferrosos, mas no caso do Karlsruhe não eram particularmente eficientes, porque várias seções do anel da turbina quebrado (21) descanse entre os detritos na extremidade traseira deste buraco.

Olhando para frente, caldeiras (22) pode ser visto abaixo do casco.

Estrutura em A do eixo da hélice de bombordo.
Estrutura em A do eixo de transmissão de bombordo

O mergulho pode terminar aqui com o lançamento de um SMB atrasado, mas o lado de bombordo do casco tem apenas 14m de profundidade e é fácil de seguir de volta à linha de bóia (23).

Com uma conta na computador de mergulho que calcula paradas profundas, alguns minutos aos 14m podem ser obrigatórios.

Telégrafo
Telégrafo

ESCUTADO EM SCAPA

A KARLSRUHE, cruzador leve. CONSTRUÍDO EM 1916, Afundado em 1918

A KARLSRUHE FOI LANÇADO nos estaleiros Kaiserliches em Wilhelmshaven em 31 de janeiro de 1916.

Ele foi um dos três cruzadores leves que substituíram as perdas sofridas pela Marinha Alemã na Primeira Guerra Mundial, escreve Kendall McDonald.

Todos os três navios eram da classe Konigsberg II, mas representavam uma grande melhoria em relação aos navios que substituíram. Karlsruhe juntou-se à Frota de Alto Mar em novembro, após ser equipado.

Karlsruhe era grande - 5354 toneladas, fortemente blindado e com dois conjuntos de turbinas com engrenagens acionando duas hélices que podiam fornecer 28 nós. Ela tinha 497 pés de comprimento com uma boca de 47 pés e um calado de 21 pés.

Ela estava armada com oito canhões de 5.9 polegadas em montagens individuais no castelo de proa e no tombadilho, e dois canhões antiaéreos de 3.5 polegadas.

No convés, ela tinha dois tubos de torpedo de 19.7 polegadas, um de cada lado do funil, e mais dois tubos foram colocados debaixo d'água no convés da plataforma. Ela poderia carregar e colocar 200 minas nas rampas de cada lado da popa. Havia 475 homens e 25 oficiais na tripulação.

KarlsruheO serviço de guerra começou quando ela se juntou à 2ª Divisão de Escotismo e foi destacada para cobrir os caça-minas que operavam na Baía Alemã.

Ela se juntou à frota alemã em ação contra as Ilhas Bálticas para apoiar o 8º Exército, que avançou em direção ao Golfo de Riga. O Karlsruhe liderou uma invasão das ilhas e desembarcou tropas alemãs que destruíram a guarnição russa.

Ela então foi colocar minas no Báltico, e seu último serviço ativo foi como guarda contra qualquer ataque de navios britânicos durante a evacuação das bases de submarinos em Bruges e Zeebrugge em outubro de 1918.

Karlsruhe fez sua última viagem após o Armistício em novembro de 1918, quando era o navio líder de uma linha de cruzadores que se rendeu aos navios da Marinha Real, elevando o total para 74 navios de guerra alemães internados em Scapa Flow.

Na manhã de 21 de junho de 1919, KarlsruheA tripulação do navio a afundou e ela afundou no fundo do mar ao largo da ilha de Cava.

Ela foi um dos quatro cruzadores e três navios de guerra que nunca foram erguidos, embora tenha sido realizado um trabalho pesado de salvamento com explosivos, principalmente nas seções intermediárias e avançadas.

GUIA TURÍSTICO

CHEGANDO LA: Northlink Ferries opera serviços de Scrabster para Stromness e Aberdeen para Kirkwall, 0845 6000 449.

O guia turístico do naufrágio de Karlsruhe
O guia turístico do naufrágio de Karlsruhe

COMO ENCONTRAR: As coordenadas GPS são 58 53.357 N, 003 11.394W (graus, minutos e decimais) com proa para noroeste. O Karlsruhe é fácil de encontrar a partir das coordenadas com um GPS e um ecobatímetro, especialmente porque há uma bóia presa aos destroços.

MARÉS: O SMS Karlsruhe pode ser mergulhado em qualquer estado da maré.

MERGULHO E AR: A maior parte do mergulho em Scapa é feita em barcos grandes, muitos deles com acomodação em “beliches flutuantes” liveaboard. Os barcos geralmente baseiam-se em Stromness, mas podem atracar durante a noite em outros portos. O ar é fornecido por compressores integrados. Nitrox pode ser misturado na maioria dos barcos por um custo extra. Ar, pesos e cilindros costumam estar incluídos no preço, portanto viajar com pouca bagagem e utilizar o equipamento do barco é sempre uma opção. Scapa Flow Charters opera os barcos Jean Elaine e Sharon Rosa, 01856 850879.

ACOMODAÇÃO: Durma a bordo ou hospede-se em um hotel ou pousada. Há um acampamento em Stromness, embora acampar neste clima não seja recomendado. Ilhas Órcades Painel turístico, 01856 872856.

Qualificações: Um mergulho fácil para um PADI Águas Abertas Avançadas ou BSAC Sports Diver. O mergulho técnico não é obrigatório, mas o Karlsruhe está em uma profundidade ideal para prolongar o tempo de fundo com uma mistura nitrox.

LANÇAMENTO: Se você quiser transportar um barco, há vários pequenos deslizamentos. O mais próximo do Karlsruhe está em Houton. Scapa Flow é um porto em funcionamento, portanto, obtenha permissão do capitão do porto para mergulhar com antecedência.

OUTRAS INFORMAÇÕES: Carta do Almirantado 35, Fluxo e abordagens de Scapa. Mapa de levantamento de artilharia 6, Órcades – Continente, Mapa de levantamento de artilharia 7, Órcades – Ilhas do Sul. Mergulho Scapa Flow, de Rod Macdonald. Os destroços do Scapa Flow, por David M Ferguson. Os destroços navais de Scapa Flow, por Peter L Smith. Os destroços do Scapa Flow, por Lawson Wood.

PROS: O mais raso dos destroços do cruzador, um aquecimento popular ou segundo mergulho.

CONTRAS: O naufrágio do cruzador mais quebrado.

Obrigado a Andy Cuthbertson, Kieran Hatton, Kevin Heath e vários mergulhadores de Swansea e Leeds.

Apareceu no DIVER março de 2009

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x