Tour do Naufrágio 132: A Elena R

Naufrágio Tour 132 A Elena R
Naufrágio Tour 132 A Elena R

This freighter was an early U-boat victim during World War Two, and the wreck off Portland Bill in Dorset makes for a good dive – but it’s important to get your timing right, says JOHN LIDDIARD. Illustration by MAX ELLIS

PARA VER TODOS OS DESTRUÍDOS DESTE MÊS em um mergulho, você tem que se mover rápido, mesmo em maré morta. Localizada na orla do Shambles Bank, a leste de Portland Bill, a água parada chega e sai rapidamente no Elena R.

O naufrágio está com a proa voltada para sudeste, portanto, à medida que a maré baixa, descendo a linha de tiro, a popa ficará para a esquerda e o lado estibordo do naufrágio ficará ligeiramente protegido da corrente.

Os destroços estão bastante quebrados e quase todos cobertos por um banco de cascas quebradas de mexilhões. As caldeiras (1) são grandes o suficiente para serem exibidos em um ecobatímetro e são um bom alvo para o tiro a 24m, mas estão mais da metade enterrados na margem. Há muitas quebras nas caldeiras, e nos recantos espreitam vários congros.

enguia congro na tubulação de vapor
Enguia congro na tubulação de vapor

Do outro lado dos destroços e logo a estibordo, a estrutura da clarabóia da casa das máquinas e do ventilador (2) fica de cabeça para baixo e cheio de cascas de mexilhão.

Grade do convés da casa de máquinas
Grade do convés da casa de máquinas

Atrás das duas caldeiras, o motor está quebrado e enterrado sob detritos de grades de convés, placas, costelas e tubos com congros residentes. Apenas algumas partes do motor se projetam em direção à borda traseira dos destroços, incluindo a parte superior do mancal de impulso (3).

Cruzando uma área de casco que preenche a área do primeiro porão à ré, uma seção tubular de mastro (4) lies across the wreck and slightly to port. Next to the mast are the upright remains of the bulkhead from between the holds, and towards the starboard side you’ll see a pair of beams from the cargo derricks (5)  associado ao mastro.

O porão mais à ré está um pouco mais intacto, com três lados da braçola (6) flutuando na margem de conchas, e uma seção a bombordo do casco ao lado. Os destroços são então atravessados ​​por outra antepara (7) que fica bem longe das conchas.

Nossa rota agora se concentra a bombordo do naufrágio, porque foi assim que a popa caiu. Um longo guincho de carga (8) tem fusos tortos, mas está em pé em sua placa de montagem e teria atravessado a viga do navio antes de cair ligeiramente para bombordo.

Um pouco dentro da popa, a extremidade traseira do eixo da hélice desaparece em uma seção em caixa do túnel (9).
Ficando a bombordo, acima do convés da popa, um par de cabeços flutua no fundo do mar. Um pouco mais adiante, uma parte rosqueada do mecanismo de direção (10) fica plano e colares de latão foram polidos pelas mudanças do fundo do mar.

Um par de postes
Um par de postes

Abaixo da popa, o fundo do mar foi ligeiramente vasculhado até 27m. O leme (11) ainda está aproximadamente no lugar, embora desconectado da dobradiça. A hélice deve ter sido recuperada. Os últimos itens notáveis ​​dos destroços são mais postes de amarração (12) alguns metros da popa.

colares de latão no mecanismo de direção, limpos pela mudança do fundo do mar
Colares de latão no mecanismo de direção, limpos pela mudança do fundo do mar

A esta altura a maré estará começando a mudar. Para a outra metade do mergulho, na metade dianteira dos destroços, o caminho mais rápido de regresso às caldeiras é seguir por bombordo, que agora oferecerá algum abrigo.

Ao nível das caldeiras, a lateral do casco (13) fica talvez a um metro do fundo do mar. A antepara longitudinal interna conteria um depósito de carvão.

espaço de bunker ao lado de caldeiras
Espaço de bunker ao lado das caldeiras

Continuando em frente a bombordo, lagostas cónicas (14) são amontoados no canto onde a antepara do porão encontra o primeiro porão.

Entre os apoios avançados, a base de um mastro (15) ainda está de pé com três guinchos dispostos ao seu redor, a viga de uma torre de carga pousada no topo.

A retenção dianteira novamente tem uma braçola relativamente intacta (16). O próximo item digno de nota é uma pesada placa de convés que sustenta um par de estruturas cônicas ocas (17). Originalmente, isso teria sido ao contrário e guiaria as correntes da âncora do guincho da âncora para a caixa da corrente.

Guia de corrente virada para cima, onde a corrente da âncora seria direcionada para a caixa de corrente
Guia de corrente virada para cima, onde a corrente da âncora seria direcionada para a caixa de corrente

A proa caiu para estibordo e o guincho da âncora (18) repousa apoiado nas vigas do convés. Logo depois disso, um par de cabeços isolado fica sozinho no fundo do mar. Então, à frente, outro par de cabeços ainda está preso a uma placa de convés invertida (19).

Dentro da proa, ambos os cabos de âncora estão no lugar (20). A seção do casco com o buraco de estibordo caiu no fundo do mar. Abaixo da proa, o fundo do mar é profundamente escavado em rocha a 30m.

Anel da extremidade do tubo de estibordo
Anel da extremidade do tubo de estibordo

Seguindo a proa e depois a quilha abaixo da proa, o último item do nosso passeio é uma pilha de corrente de âncora entre os restos abandonados da caixa de corrente (21).

Com a maré aumentando, este definitivamente não é um mergulho para tentar subir na linha de tiro. Um SMB atrasado é essencial com uma descompressão à deriva.

VÍTIMA PRIMEIRA DO COMERCIANTE

ELENA R., navio de carga. CONSTRUÍDO EM 1917, Afundado em 1939

ALGUEM VIU ISSO o navio mercante grego de 4526 toneladas Elena R foi minado e afundado em 22 de novembro de 1939, perto do Shambles Light Vessel, perto de Portland Bill, pode-se presumir que a Alemanha iniciou sua guerra contra a navegação mercante muito antes do que geralmente se acreditava.

De fato, como o Elena R subiu o Canal da Mancha com uma carga completa de trigo de Rosário, na Argentina, para ser entregue em Antuérpia, um dos submarinos de lançamento de minas da classe UC da Kriegsmarine partiu. O Elena R então atingiu uma das minas que o submarino havia deixado para trás, escreve Kendall McDonald.

A verdade é que as minas não foram deixadas para a navegação mercante, mas para os navios de guerra britânicos que saíam de Portsmouth e de outros portos navais. O Shambles Lightship deveria alertar todos os navios sobre as águas rasas do Shambles Bank. O Elena R foi avisado, passou longe e correu direto para o campo minado.

A mina explodiu a bombordo de sua proa.

Demorou quase 20 minutos para o navio começar a afundar, o que deu aos 24 tripulantes tempo para pegar seus próprios barcos e chegar ao navio leve. O barco salva-vidas de Weymouth chegou ao local um pouco mais tarde e transportou os 24 homens do navio-farol para a costa em Weymouth.

A Elena R não era o nome do navio quando ele foi construído em 1917 pela Newport News Shipbuilding & Drydock Co em Newport News na Virgínia, EUA.

Isso a lançou como a Munídias, 370 pés de comprimento com uma boca de 53 pés e um calado de quase 20 pés.
A potência para acionar seu único parafuso vinha de um motor de três cilindros e tripla expansão com duas caldeiras, que lhe dava 471cv.

Ela logo foi comprada por um sindicato grego de navegação, que a renomeou Elena R, em homenagem à esposa de seu chefe. Ele navegou sob bandeira grega, com porto de origem na ilha capital de Siros, uma das 200 ilhas gregas que compõem as Cíclades, no Mar Egeu.

No início, ela estava acostumada a transportar cargas por todo o Mediterrâneo e assistiu à Primeira Guerra Mundial sem incidentes. Depois, as suas viagens tornaram-se cada vez mais longas e, quando a Segunda Guerra Mundial começou, ela viajava regularmente entre a Europa e a América do Sul.

Os destroços foram varridos em 1959, e mergulhadores da época relataram que ele estava sendo engolido pelo Shambles Bank.

Guia turístico do naufrágio Elena R
Guia turístico do naufrágio Elena R

GUIA TURÍSTICO

CHEGANDO LA: Para Weymouth, siga a A37 ou A354 para Dorchester, depois a A354 para Weymouth e depois para Portland via Chesil Beach, virando à esquerda para o antigo estaleiro de Castletown quando a estrada começa a subir a colina para Portland. O Breakwater Diving está localizado no hotel Aqua Sport, à esquerda ao entrar em Castletown.

COMO ENCONTRAR: As coordenadas GPS são 50 30.209 N, 002 20.686W (graus, minutos e decimais). Os destroços ficam na proa, a sudeste.

MARÉS: A Elena R fica muito perto da margem Shambles, com marés complicadas. Conseqüentemente, o naufrágio deve ser mergulhado apenas duas horas e meia antes da maré alta de Portland, e o mais próximo possível das marés mortas.

MERGULHO E AR: Mergulho com cimitarra, 07765 326728.

ACOMODAÇÃO: Aqua Hotel, 01305 860269.

Qualificações: PADI Águas Abertas Avançadas or BSAC Sports Diver. This dive is at an excellent depth to enable divers to get the best from nitrox, but slack water may not last long enough for you to do so!

LANÇAMENTO: Os boletos estão disponíveis em Weymouth e Portland Harbour. As taxas de lançamento são pagas.

OUTRAS INFORMAÇÕES: Carta do Almirantado 2610, Bill de Portland para Anvil Point. Mapa de levantamento de artilharia 194, Dorchester, Weymouth e arredores. Mergulho em Dorset, de John e Vicki Hinchcliffe. Naufrágios do canal da Primeira Guerra Mundial, de Neil Maw. Índice de Naufrágios das Ilhas Britânicas, Volume 1, Richard e Bridget Larn. Informações turísticas de Weymouth, 01305 785747.

PROS: A visibilidade costuma ser bastante boa, perto do banco Shambles.

CONTRAS: A proximidade do banco Shambles limita as opções de águas estagnadas.

FAIXA DE PROFUNDIDADE: 20-35m

Classificação de dificuldade:

Graças ao Smudge.

Apareceu no DIVER dezembro de 2009

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x