Tour do Naufrágio 133: The Veritas

Naufrágio Tour 133 The Veritas
Naufrágio Tour 133 The Veritas

Um mergulho um pouco mais profundo do que o normal no infame recife Manacles da Cornualha, este antigo navio cargueiro norueguês merece uma visita, diz JOHN LIDDIARD. Ilustração de MAX ELLIS

O TOUR DESTE MÊS É AGRADÁVEL pequeno naufrágio cerca de um quilômetro e meio ao sul de Algemas. Com 672 toneladas, o Veritas é consideravelmente menor e, aos 38m, um pouco mais profundo do que o mergulho normal em águas calmas que é o Mohegan (Passeio de Naufrágio 8), mas vale a pena dar uma olhada.

Num ecobatímetro, as partes que melhor se mostram são a caldeira e a popa. Para decidir o que atirar do barco, a caldeira fica um pouco mais ao norte, e é aí que começa nosso passeio (1), a uma profundidade de 35m.

A Veritas afundou bem a estibordo. O casco então desabou e o convés caiu para fora. Sobre a parte traseira do naufrágio, a bombordo do casco (2) é sustentado pela caldeira, com uma pequena saliência embaixo dela.

A maior parte da saliência está cheia de detritos, incluindo os restos do motor de tripla expansão, mas está praticamente enterrado. À medida que você se aproxima da popa, uma seção do eixo da hélice (3) é visível logo abaixo da quilha.

O que sobrou do motor está enterrado sob os detritos do casco virado
O que sobrou do motor está enterrado sob os detritos do casco virado

A popa (4) caiu completamente de cabeça para baixo, com a quilha e a hélice de quatro pás a cerca de 4 metros do fundo do mar. Na verdade, esta é apenas uma curta distância da caldeira porque, com 72m de comprimento, a Veritas era um navio bem pequeno.

A hélice
A hélice

Abaixo da popa, o leme (5) caiu e está caído sobre os destroços, com os restos do mecanismo de direção no topo do poste.

Nossa rota para frente agora segue o convés a estibordo ao longo do fundo do mar a 38m. Mais ou menos na metade do caminho de volta à caldeira há uma seção de braçola de porão e imediatamente próximo a ela há um guincho de carga inclinado em uma das extremidades (6). O mastro correspondente (7) fica perpendicular à linha dos destroços na areia.

Agora de volta à caldeira, uma caldeira de burro menor (8) atravessa os destroços logo à frente do principal.

A caldeira principal
A caldeira principal

A metade dianteira do naufrágio está muito mais próxima do fundo do mar, o que é perfeitamente compreensível porque a proa do Veritas foi escavado por dois dias enquanto o navio ficava em pé. Ele balançou com a maré antes de finalmente afundar, a popa mantida flutuando pelo ar preso e pela carga de escoras de madeira.

Ou talvez grande parte do colapso tenha sido causada por uma tentativa fracassada de salvamento.

Logo após o naufrágio, a empresa de salvamento que trabalhava no encouraçado Montague na Ilha Lundy tentou mover o Veritas em águas rasas usando tiras e isqueiros, mas acabou não movendo nada.

Logo à frente da caldeira de burro, uma grande seção reforçada do casco e do convés se destaca dos destroços.
Escondido atrás disso, abaixo de algumas costelas do convés, está o leme (9).

Continuando em direção à borda dos destroços, os dois guinchos de carga que servem aos porões dianteiros estão juntos sob a placa do convés (10), o mastro correspondente apontando para um pequeno recife próximo aos destroços (11).

Guincho de carga traseiro
Guincho de carga traseiro

Os destroços mais à frente são mais compactos, com os dois lados do casco praticamente um em cima do outro. (12). As placas limpas a bombordo abrigam uma floresta respeitável de leques cor-de-rosa, assim como o recife próximo.

leques do mar rosa e gorgônia no cabo de amarração
Seafans rosa e gorgônia no cabo de amarração

“Pink” é o nome oficial, mas para mim sempre pareceram mais uma cor de biscoito. Admiro a forma como todos estão perfeitamente alinhados de leste a oeste através da corrente. Se um mergulhador ficar desorientado em condições de baixa visibilidade, isso poderá ajudar na navegação.

A floresta de leques continua até a proa (13). Este está completamente desmoronado, com o anel de ferro de um tubo de âncora separado no fundo do mar ao lado de um carretel de cabo de amarração (14). Os fusos do guincho-âncora (15) jaz quebrado um pouco mais adiante.

guincho de âncora
Guincho de âncora

De volta aos destroços, nosso passeio termina seguindo a proa da proa até a quilha, onde uma massa de corrente de âncora rompeu o casco vindo da caixa de corrente. (16).

Num naufrágio tão pequeno e com boa visibilidade, não deverá ser tão difícil encontrar o caminho de volta à linha de tiro para subir, mas apenas se não houver demasiada descompressão acumulada.

Com paradas mais longas para completar, uma subida em um SMB atrasado será muito mais confortável à medida que a maré subir.

Veritas, navio a vapor de carga. Construído desconhecido, SUNK 1907

Os primeiros reparos no casco do navio a vapor norueguês de 672 toneladas Veritas de Bergen foram levadas a cabo – mal – no porto de Portland, escreve Kendall McDonald.

A Veritas estava vindo da Noruega para Gales do Sul no final de outubro de 1907, quando colidiu com outro navio a vapor no Canal da Mancha, um forte golpe que o fez entrar água e o enviou para Portland com vários vazamentos.

O capitão Tollefsen sabia que havia se saído mal na colisão, mas não parecia ter tido tanto cuidado em verificar os reparos como deveria. Ele navegou novamente para o País de Gales com sua carga de madeira de caroço em 4 de agosto e parece ter contado com reparos temporários para chegar lá.

Mas ele só havia chegado ao Lagarto quando o mar começou a entrar novamente. Desta vez, o vazamento foi persistente. Então, de repente, transformou-se numa inundação.

As bombas do Veritas não aguentou e logo o fogo da caldeira se transformou em cinzas úmidas.

O capitão Tollefsen ordenou que ambas as âncoras fossem lançadas e em seguida gritou: “Abandone o navio!” O capitão, sua esposa e sua tripulação de 14 homens entraram rapidamente nos barcos e remaram para Coverack.

Logo três rebocadores de Falmouth, o Tritão, Águia e dragão, estavam a caminho, mas uma vez no navio atingido, descobriram que as âncoras estavam abaixadas e, sem a energia do vapor, não havia como soltá-las.

Finalmente, os salvadores soltaram os cabos da âncora e começaram a rebocar o navio para Coverack, mas antes de chegarem lá o Veritas ergueu a popa bem alto no ar e a proa caiu no fundo do mar. Durante dois dias ela permaneceu nesta posição vertical, antes de afundar com a popa e rolar de cabeça para baixo.

Outra tentativa de trazê-la para águas rasas foi feita pelo navio de salvamento Etna, que foi trazido de Lundy para o local, onde ela estava resgatando o HMS Montague, mas apesar do uso de pontões e barcaças, os destroços foram abandonados.

Os mergulhadores ficarão interessados ​​em notar que um dos proprietários do naufrágio de 1969 a 1991 foi o autor e especialista em naufrágios Richard Larn (ver Guia de turismo abaixo).

O guia turístico do naufrágio Veritas

GUIA TURÍSTICO

CHEGANDO LA: Siga a M5 para Exeter, depois a A30 e A3076 para Truro e a A39 para Falmouth. Para os locais de lançamento mais próximos, pouco antes de Falmouth, siga a A394 para Helston, depois pegue a A3083 em direção a Lizard Point e vire à esquerda na B3293 para St Keverne imediatamente após passar RNAS Culdrose. Da praça de St Keverne, vire à esquerda para Porthkerris ou siga em frente para Porthoustock.

COMO ENCONTRAR: As coordenadas GPS são 50 00.700N, 05 04.894W (graus, minutos e decimais). O Veritas fica com a proa ao norte. A caldeira e a popa ficam suficientemente longe do fundo do mar para um bom eco.

MARÉS: A água parada é essencial e ocorre uma a duas horas após a maré alta e a maré baixa em Falmouth.

MERGULHO E AR: Porthkerris O Dive Center opera vários barcos de mergulho e pode ajudar no lançamento de RIBs de clubes na praia, 01326 280620.

MERGULHO : Nosso W, Mergulho-125, 07764 585353.

AR : Nosso W tem um compressor integrado e um suprimento limitado de oxigênio para misturar nitrox. Se você precisar de grandes quantidades de oxigênio ou hélio, é melhor providenciar com antecedência. A estação aérea comercial mais próxima é Centro de mergulho de Newhaven, 01273 612012.

ACOMODAÇÃO: Existem muitos locais de caravanas estáticos no Lizard, e estes podem ter uma boa relação custo-benefício. Centro de Informações Turísticas de Falmouth, 01326 312300, visitar Cornualha.

Qualificações: A profundidade coloca o Veritas um pouco profundo para PADI, a menos que você tenha uma especialidade profunda. Para mergulhadores BSAC, este é Dive Leader ou superior.

LANÇAMENTO: O deslizamento mais próximo fica em Falmouth. O lançamento na praia é possível em praias de cascalho em Porthkerris e Porthoustock. Em Porthkerris você precisará da ajuda do trator do centro de mergulho para sobreviver às telhas. A praia de Porthoustock só é transitável por um 4×4 se o motorista for cuidadoso. Mais ao sul, é possível lançar pela areia em Kennack.

OUTRAS INFORMAÇÕES: Carta do Almirantado 154, Abordagens para Falmouth. Mapa de levantamento de artilharia 204, Truro, Falmouth e arredores. Guia do mergulhador – Dive South Cornwall por Richard Larn. Índice de Naufrágios das Ilhas Britânicas, Vol 1, por Richard e Bridget Larn. Muitos dos pubs locais têm fotografias históricas e recordações de naufrágios nas paredes. Particularmente vale a pena conferir os Five Pilchards em Porthallow e os Three Tuns em St Keverne.

PROS: Algo diferente dos habituais mergulhos do Manacles. Bastante fácil à medida que os mergulhos mais profundos vão, desde que você acerte a água parada.

CONTRAS: Um pouco profundo em comparação com outros naufrágios e recifes da região.

FAIXA DE PROFUNDIDADE: 35-45m

Classificação de dificuldade:

Obrigado a Andy Howell, Mike Anselmi e Kevin Heath.

Apareceu no DIVER janeiro de 2010

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x