Passeio de Naufrágio 139: HMS Whirlwind

Passeio de Naufrágio 139 HMS Whirlwind
Passeio de Naufrágio 139 HMS Whirlwind

É um pouco estranho em Cardigan Bay, mas como, pergunta JOHN LIDDIARD, você consegue mergulhar em um contratorpedeiro da Segunda Guerra Mundial e em uma fragata da Guerra Fria, tudo em um? MAX ELLIS é o ilustrador

SÓ POSSO APRESENTAR deste mês Passeio pelos destroços como algo realmente especial e inspirador – um naufrágio único. HMS redemoinho de vento era a fragata Tipo 15 F187, reconstruído para a Guerra Fria a partir do casco do destróier de emergência da Segunda Guerra Mundial R87.

Como um naufrágio, não é apenas único, mas também está a uma profundidade confortavelmente acessível de 36m, embora um pouco fora do caminho para muitos mergulhadores, na Baía de Cardigan.

Nosso passeio começa no ponto mais alto do naufrágio, 6m acima dos 36m do fundo do mar, a estibordo da proa por um grande par de cabeços (1).

A proa repousa 90° a bombordo, como eu imagino que todo o navio fez quando afundou inicialmente no campo de tiro de Cardigan.

Seguindo a proa afilada para frente e mais fundo, cabos de amarração de corrente se estendem de tubos de amarração a bombordo e estibordo (2), e segue para o norte e oeste.

Acima do convés, os cabos se estendem por baixo de uma plataforma de alvo de alcance (3), uma torre leve de treliça soldada ao convés após o HMS redemoinho de vento foi desativado e entregue ao campo de tiro em 1974.

Atrás da plataforma alvo, um quadrado de quatro grandes cabeços é montado ao longo da linha central, com laços nos cabos de amarração enganchados sobre eles. O convés de proa agora chega a um fim abrupto onde a ponte estaria localizada (4). Aqui os destroços estão consideravelmente quebrados e os destroços estão mais próximos do fundo do mar.

A ponte do redemoinho de vento era baixo, apenas um convés acima do castelo de proa e a superestrutura estendendo-se para a popa em um nível semelhante, colocando-o dois conveses acima do convés principal. Esta foi uma das primeiras pontes totalmente fechadas instaladas em uma fragata da Marinha Real, uma mudança bem-vinda em relação às pontes abertas no inverno do Atlântico Norte.

Uma pirâmide truncada (5) com uma pequena escotilha em um dos lados pode ter sido um armário de munição para o canhão antiaéreo duplo Bofors de 40 mm (6). Um tubo pesado entre os detritos em direção ao casco poderia ter feito parte da escora e suporte para a posição do canhão.

Canhão antiaéreo duplo Bofors de 40 mm
Canhão antiaéreo duplo Bofors de 40 mm

Imediatamente atrás do canhão antiaéreo, uma pequena casa elevada teria sido a posição de observação, com um telêmetro óptico montado no telhado. (7).

Outra estrutura treliçada é o mastro principal do navio (8). É consideravelmente mais alto do que as plataformas de alvo de alcance e diminui em direção ao topo.

Mastro principal
Mastro principal

Quando você olha de perto, a construção é muito mais forte do que a das plataformas de alvo de alcance, com reforço cruzado adicional para suportar o peso das antenas de rádio e radar através de quaisquer tensões que o mar agitado possa infligir à fragata.

No fundo do mar, atrás do mastro, uma pequena âncora (9) provavelmente não tem nada a ver com o HMS Whirlwind, mas sim um navio perdido aqui ou largado por traineiras em um conhecido “terreno sujo”.

O mastro de popa
O mastro de popa

Os destroços agora ficam um pouco confusos onde o casco desabou, cobrindo parcialmente os restos do convés e da superestrutura. O tubo reforçado do centro do funil fica entre duas tampas de ventilador tipo cogumelo (10).

Por aqui, o castelo de proa estendido teria terminado, as laterais do casco caindo até o nível do convés principal, embora nenhum desses detalhes seja aparente nos destroços.

A próxima grande estrutura é outra posição de controle de fogo com um mecanismo giratório no topo que teria suportado o redemoinho de ventoradar do (11). Isso teria sido coberto por uma cúpula leve.

Imediatamente atrás dele está a torre dupla de canhão de 4 polegadas (12), embora isso possa ser fácil de passar despercebido porque os canos das armas apontam para a frente e estão em grande parte obscurecidos pelos destroços. A torre tem a parte traseira aberta, revelando as calças dos canhões e canhões.treinamento mecanismos internos.

Atrás da torre, HMS redemoinho de ventoO convés do navio se abriu para fornecer poços para dois morteiros anti-submarinos Mark 10 Limbo.

Esses morteiros de três canos foram desenvolvimentos do sistema Squid durante a guerra, lançando uma série de três cargas de profundidade em qualquer direção ao redor do navio. Uma seção invertida do andar superior, com degraus “descendentes” (13), teria levado a uma das posições do Limbo.

A popa do navio torceu quase completamente. Uma corrente atravessa e parcialmente atravessa os destroços, depois segue para oeste. É difícil dizer se esta foi outra corrente de amarração do campo de tiro ou se surgiu de uma âncora presa nos destroços depois que ele afundou.

Olhando abaixo do convés tombado, um tubo largo pode ter feito parte de um dos morteiros anti-submarinos do Limbo.

Longe dos destroços, por algum milagre em pé na areia, está a plataforma de alvo de popa (14), idêntico em todos os aspectos à plataforma avançada. Suspeito que, para pousar em pé assim, ele deve ter se soltado do convés quando o navio virou e depois caiu sozinho no fundo do mar.

Uma seção do convés com um par de cabeços quebrou do casco e fica ao lado (15).

Abaixo do casco tombado, o convés é sustentado pelo fundo do mar por um alojamento de guincho fechado (16). Isso pode ter sido usado para rebocar um conjunto de sonar atrás do navio durante a busca por submarinos.

O casco virado é relativamente plano na popa, típico de um navio construído para velocidade.

No centro há um único leme grande, e haveria eixos de hélice em ambos os lados.
A estrutura em A que suporta o eixo de estibordo está truncada (17), enquanto aquele que suporta o eixo da porta está intacto (18).

Estrutura em A do eixo da hélice de bombordo
Estrutura em A do eixo da hélice de bombordo

Ambos os eixos de hélice se separaram das estruturas em A antes que a popa torcesse e agora repousam no fundo do mar, ligeiramente afastados dos destroços.

As hélices estão faltando e teriam sido removidas quando o HMS redemoinho de vento foi desativado ou foi resgatado dos destroços. Após o naufrágio, o Serviço Hidrográfico informou: “Trabalho de salvamento não previsto há algum tempo”.

Talvez nunca tenha havido qualquer salvamento; há poucos sinais disso, e a Marinha Real pode muito bem ter tido outros usos para um par de hélices de bronze de alta velocidade. O casco do HMS redemoinho de vento poderia ter sido rebocado para o campo por rebocadores.

Seguindo os eixos para frente, um desaparece sob o casco e o outro leva para a caixa de uma caixa de câmbio (19).

As turbinas a vapor que alimentaram o HMS redemoinho de vento girado em alta velocidade, e as caixas de câmbio teriam reduzido isso a uma taxa mais adequada para as hélices de um navio.

Embora tombado e até mesmo desabado, o casco está relativamente intacto (20), portanto, outras máquinas, como as próprias turbinas e as caldeiras, ficam inacessíveis – assumindo, isto é, que as turbinas não foram removidas quando o HMS redemoinho de vento foi desativado.

Com um fundo marinho a 36m, ver esta grande parte dos destroços num único mergulho pode colocá-lo em descompressão, por isso provavelmente é hora de subir, seja num SMB atrasado ou, com um grupo maior, para se encontrar numa estação de descompressão e afaste-se da linha de tiro.

PRÁTICA ALVO NO VETERANO DE GUERRA

HMS REDEMOINHO, destruidor. CONSTRUÍDO EM 1943, Afundado em 1974

ELA COMEÇOU como uma das 32 construções de emergência de contratorpedeiros da classe C durante a guerra, encomendadas em 1942, e era conhecida no estaleiro Hawthorn Leslie como R87. Ela foi uma das duas únicas a serem nomeadas, escreve Kendall McDonald.

Ela se chamava HMS redemoinho de vento logo após seu lançamento no último dia de agosto de 1943. Ela pesava 1710 toneladas, 339 pés de comprimento e uma boca de 36 pés, e estava armada com quatro canhões de 4.7 polegadas e cinco canhões de 40 mm e oito tubos de torpedo.

Ela ingressou na Frota Doméstica da Marinha Real em 1944, mas logo foi transferida para o Extremo Oriente, onde suas atividades se tornaram ainda mais bélicas.

Durante a Operação Meridian, ela foi uma das escoltas dos porta-aviões que enviaram aeronaves para atacar as refinarias de petróleo controladas pelos japoneses na Indonésia.

redemoinho de vento participou nas sangrentas batalhas do exército dos EUA para capturar Okinawa, depois apoiou a reocupação de Hong Kong antes de regressar a casa no final da guerra.

Cinco anos depois, a Marinha decidiu que precisava de um grande número de fragatas para enfrentar a ameaça dos submarinos russos. Novas fragatas levaram tempo para serem construídas e, para preencher a lacuna, os destróieres do tempo de guerra foram convertidos.

HMS redemoinho de vento foi um dos primeiros a ser reconstruído e, em 1953, foi desmontado até o casco e os motores. Sua forma foi alterada pela extensão do castelo de proa para a popa, e uma nova superestrutura foi equipada com mastros especiais de treliça para adicionar novos radares e antenas de comunicação para caçar os submarinos russos.

Agora uma fragata anti-submarina Tipo 15, ela foi numerada F187. Sua tonelagem foi aumentada para 2300 toneladas pelas mudanças.

Agora, à frente da ponte havia uma torre dupla de canhão Bofors AA de 40 mm, e à popa havia uma torre dupla de canhão de 4 polegadas. Na popa de cada lado havia dois morteiros anti-submarinos Squid.

por 1974 redemoinho de vento estava obsoleto e a ameaça dos submarinos russos havia desaparecido, então a Marinha fez dele um alvo para embarcações mais modernas. Marcadores de alvo foram instalados na proa e na popa e, em 29 de outubro de 1974, ela foi ancorada no campo de tiro de Cardigan Bay.

Naquele dia, ela foi atingida por navios que dispararam projéteis sem ogivas explosivas. A manhã seguinte, redemoinho de vento havia sumido de vista.

GUIA TURÍSTICO

Guia turístico do naufrágio HMS Whirlwind
Guia turístico do naufrágio HMS Whirlwind

CHEGANDO LA: Siga a M4 e A40 para Fishguard e para Goodwick (onde fica o terminal da balsa). O Celtic Diving fica ao lado do Ocean Lab e do centro de informações turísticas à beira-mar.

COMO ENCONTRAR: As coordenadas GPS são 52 16.791N, 004 40.527W (graus, minutos e decimais). O naufrágio fica com a proa voltada para noroeste em um fundo marinho geralmente plano, por isso aparece bem em um ecobatímetro.

MARÉS: A água parada é essencial e ocorre 4 horas e 30 minutos após a maré alta ou baixa de Milford Haven.

MERGULHO E AR: Mergulho Celta, 01348 871938. A fonte de nitrox mais próxima está em Old Mill Diving Services, perto de Milford Haven, 01646 690190.

ACOMODAÇÃO: Beliches no Celtic Diving para até 20 mergulhadores.

Qualificações: Em maré alta, apenas dentro dos requisitos de qualificação do BSAC Dive Leader ou PADI Águas Abertas Avançadas com especialidade profunda. Está apenas dentro do limite de 35 m do BSAC Sports Diver em águas baixas. Uma boa profundidade para aproveitar o nitrox.

LANÇAMENTO: A rampa pública está localizada pela Celtic Diving, logo à beira-mar, na entrada do terminal de balsas em Goodwick. Seca por algumas horas em ambos os lados da maré baixa. Também é possível lançar a partir de Cardigan, mas o acesso do rio ao mar é limitado à maré alta por um banco de areia.

OUTRAS INFORMAÇÕES: Carta do Almirantado 1973, Cardigan Bay – Parte Sul. Mapa de levantamento de artilharia 157, Área de St David e Haverfordwest. Índice de Naufrágios das Ilhas Britânicas Vol 5, Costa Oeste e País de Gales, de Richard e Bridget Larn. Informações turísticas de Fishguard, 01348 872037.

PROS: Um naufrágio inspirador e uma oportunidade única de mergulhar em uma fragata da Guerra Fria.

CONTRAS: Pouco além da profundidade máxima para muitos mergulhadores. Se quiser usar nitrox, você precisará trazê-lo com você.

PROFUNDIDADE: 35-45m

CLASSIFICAÇÃO DE DIFICULDADE:

Obrigado a Mark Dean, Bob Lymer, Dave Wakeham e Jim Hopkinson.

Apareceu no DIVER agosto de 2010

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

1 Comentário
Mais votados
Recentes mais velho
Comentários em linha
Ver todos os comentários
David Killelay
David Killelay
1 ano atrás

Meu primeiro navio em 1961.
Canhões gêmeos de quatro polegadas feitos por Marshalls de Gainsborough. O radar era Air 277, Surface 293 e Navigation 974
Quando eu estava pintando o navio com números de flâmula pintados F187

Entre em contato

1
0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x