Wreck Tour 148: A Pepinela

Naufrágio Tour 148 A Pepinela
Naufrágio Tour 148 A Pepinela

Você não encontrará muitos outros mergulhadores neste naufrágio do navio a vapor da Costa Leste, mas encontrará muitos que manterão seu interesse, diz JOHN LIDDIARD. Ilustração de MAX ELLIS

ANTES DE MERGULHAR PEPINELA Dave e Sylvia, capitães conjuntos do Nosso W, me disse que foi um mergulho muito bonito. O conceito de um mergulho realmente bonito não era algo que eu esperaria onde o Canal da Mancha encontra o Mar do Norte, mas a 30 milhas da costa, a meio caminho entre Kent e a Bélgica, o navio a vapor de 1557 toneladas Pepinela provou ser exatamente isso – um mergulho muito bonito.

É também um naufrágio interessante, com grande parte do seu metal não ferroso intocado, porque está em águas francesas, e a lei francesa sobre naufrágios não aceita bem qualquer mergulhador ou barco inglês que seja apanhado por aranhas.

Com a linha de tiro enganchada no convés do barco (1), o ponto mais alto do naufrágio é a cabine do capitão (2), onde o telhado é tão raso quanto 22 m em maré baixa ou 5 m mais profundo em maré alta.

As laterais apodreceram na estrutura e, por dentro, os azulejos do banheiro são intrincados quadrados azuis claros ao redor da banheira e do lavatório.

Como convém ao capitão de um navio italiano, era um banheiro de design, em vez do tipo com diagonais vitorianas em preto e branco, preferido nos navios britânicos.

Da extremidade traseira do convés do barco, dois conjuntos de degraus (3) desça pelo navio, ambos em direção à linha central conforme você desce. O acesso entre os decks é fácil e há muito para explorar, mas deixaremos isso para o final do nosso passeio, e continuaremos a descer pelo lado de bombordo e pela caldeira de bombordo (4).

Cilindro de alta pressão da máquina a vapor de tripla expansão
Cilindro de alta pressão da máquina a vapor de tripla expansão

O convés acima da casa das máquinas, a clarabóia e as partes superiores do casco nesta área foram todos limpos, vítimas, suspeito, de uma captura de salvamento. No entanto, a máquina a vapor de tripla expansão (5) está intacto, assim como grande parte da tubulação de vapor, portanto, se o convés acima foi removido por uma garra de salvamento, não foi acompanhado de forma muito completa.

Grade do convés da casa de máquinas
Grade do convés da casa de máquinas

Continuando à ré, ambos os lados do casco desabaram para dentro, mais ainda o lado de bombordo.

O primeiro porão à ré está em grande parte cheio de detritos, talvez vindos de cima da casa das máquinas. Entre os porões de popa, a seção do convés com um par de guinchos de carga (6) e o pé do mastro entre os porões de popa caiu, mas permanece em pé.

Guincho de carga entre porões de popa
Guincho de carga entre porões de popa

O porão mais à ré apresenta menos detritos e está parcialmente preenchido com areia. O lado de bombordo do casco está agora dobrado mais para dentro, mas recupera pouco antes da popa, onde um par de cabeços (7) permaneça em pé em um canto do convés intacto.

Máquinas no convés de popa
Máquinas no convés de popa

Agora indo mais fundo e fora da popa, nosso passeio leva até a hélice e o leme (8), em leve varredura a 29m em maré baixa. A hélice é uma peça convencional de ferro fundido de quatro pás, mas o leme é algo estranho, uma chapa de aço com barras de aço dobradas em dobradiças e rebitadas.

Esta é uma construção incrivelmente primitiva comparada com a de outros navios construídos na década de 1920, o que me leva a pensar que o PepinelaO leme original de foi danificado em algum momento, e a substituição ou reparo foi um pouco complicado.

Guincho de carga caiu em espera
Guincho de carga caiu em espera

Subindo pela popa, o casco apresenta-se ligeiramente quebrado no encontro com o convés. Em ambos os lados há pares de cabeços com o quadrante de direção (9) no meio, alinhado em frente, assim como o leme. Duvido que Pepinela tomou qualquer ação evasiva em sua colisão com o domingo.

Logo à frente dos pares de cabeços, pequenas roldanas no convés teriam guiado os cabos de direção. No meio do convés há uma claraboia cercada por pequenas vigias (10) e um banheiro abaixo.

De muito mais interesse, e que por si só vale a pena mergulhar, fica o telégrafo de popa intacto, a bombordo da claraboia.

Tendo sido inclinado para bombordo no caminho de ré, o caminho de volta pode ser bastante inclinado para estibordo, onde uma seção intacta do lado de estibordo do casco (11) mostra o nível original do deck. Passando o motor, subimos um pouco pela caldeira de estibordo (12) que está parcialmente obscurecido por detritos caídos de cima.

Transformando o nosso percurso num oito, atravessamos novamente os destroços, por isso vimos o motor de todos os lados. Continue em frente ao longo de bombordo, do lado de fora ou pela escada abaixo do convés dos barcos. À frente da superestrutura, passos (13) levar até o convés principal.

Os porões dianteiros estão consideravelmente mais intactos, com as vigas de escotilha (14) ainda deitado no segundo lugar.
O porão mais avançado está aberto, com o convés, o mecanismo do guincho entre os porões e a base do mastro (15) tendo caído em nenhum porão.

Nossa rota errante cruza os destroços novamente para sair do porão de proa através de um corte em forma de V (16) a estibordo, logo atrás do castelo de proa. É aqui que o arco do domingo corte no Pepinela em 20 de abril de 1958.

Não faz muito sentido descer até o fundo do mar aqui, mas vale a pena ficar abaixado o suficiente para contornar a proa e ver as duas âncoras. (17) apertados em seus hawse-pipes abaixo da proa.

Subindo ao convés, há pares de cabeços e, em seguida, grades de cada lado do guincho da âncora (18).

A etapa final de nossa rota de cruzamento constante é de volta ao lado de estibordo, onde um mastro sobressalente ou viga de torre (19) está amarrado sob a amurada.

Um caranguejo se esconde abaixo do guincho da âncora
Um caranguejo se esconde abaixo do guincho da âncora

Degraus levam à superestrutura (20) e novamente temos a escolha entre seguir pelo lado de fora ou pela escada de estibordo. A última cabine a estibordo é a cozinha (21) e dentro há um pequeno fogão estilo Aga.

Nadando pela cozinha
Nadando pela cozinha

Mergulhando em águas baixas com um conjunto duplo de nitrox ou rebreather, o tempo no naufrágio pode ser facilmente limitado pela corrente do edifício e não pela descompressão ou gás.

Qualquer tempo restante pode ser gasto escondendo-se da corrente enquanto estiver dentro da superestrutura, ou acima dela ou atrás da cabine do capitão. (22) antes de lançar um SMB atrasado para fazer uma subida à deriva.

UM NOME MUITO LONGE

A PEPINELA, navio a vapor. CONSTRUÍDO EM 1928, Afundado em 1958

A PEPINELA TEM UMA MISTURA INTERESSANTE compondo sua construção geral. A maioria dos detalhes segue o padrão britânico usual. Isto não é surpreendente já que ele foi construído pela J Crown & Sons em seu estaleiro em Sunderland em 1928 escreve Kendall McDonald.

Ela foi originalmente chamada Árvore de cedro, mas esse nome não durou muito antes de ela se tornar Campainha, e depois Sino de Prata.

Quando uma empresa italiana a comprou, o nome mudou mais uma vez para Pepinela. Não foi uma escolha sábia, como se viu. Ela estava em sua viagem inaugural para seu novo nome no exterior em 1958, quando colidiu com o navio domingo e afundou.

Pepinela havia sido redecorado com toques italianos, como pequenos azulejos azuis claros ao redor da banheira e do vaso sanitário.

A cozinha tinha um pequeno fogão tipo Aga. Surpreendentemente para um navio da sua idade, o pesado leme é feito de barras de ferro dobradas em dobradiças e depois rebitadas a uma sólida placa de ferro.

GUIA TURÍSTICO

O Guia Turístico Pepinella
O Guia Turístico Pepinella

CHEGANDO LA: Balsa que atravessa o canal com a Norfolk Lines de Dover a Dunkerque, www.norfolkline.com, 0844 847 5042. Em seguida, uma curta viagem ao longo da costa até Nieuwpoort.

COMO ENCONTRAR: As coordenadas GPS são 51 24.342N, 002 15.071E (graus, minutos e decimais). Os destroços estão com a proa logo a oeste do sul. As coordenadas GPS são 50 31.38N, 001 45.85W (graus, minutos e decimais). O naufrágio está com a proa voltada para noroeste. 

MARÉS: Água parada uma hora antes da maré alta de Dover e cinco horas após a maré alta de Dover. A visibilidade é geralmente consideravelmente melhor nas marés mortas e na maré baixa.

MERGULHANDO: De Dover ou Nieuwpoort, Nosso W / Mergulho-125, 07764 585353 De Nieuwpoort, Allegro, christian-mahieu@telenet.be

ACOMODAÇÃO: Em Nieuwpoort, o Cosmopolite Hotel via Turismo Flandres, 020 7307 7738.

AR: Nosso W tem um compressor integrado e um suprimento limitado de oxigênio para misturar nitrox. Se você precisar de grandes quantidades de O2 ou qualquer hélio, é melhor providenciar com antecedência.

Qualificações: Em uma boa profundidade para PADI Águas Abertas Avançadas ou BSAC Sports Divers. Os tempos de fundo podem ser estendidos com nitrox.

LANÇAMENTO: Não é adequado para RIBs.

OUTRAS INFORMAÇÕES: Carta do Almirantado 323, Estreito de Dover – Parte Oriental. Carta do Almirantado 1872, Dunquerque para Flushing. Banco de dados online do Wreck Site. Os naufrágios de Suffolk, um livro em PDF da Ship Wrecks, cobre naufrágios na costa belga.

PROS: Poucos barcos vão para lá.

CONTRAS: Poucos barcos vão para lá.

PROFUNDIDADE: 20-35m

CLASSIFICAÇÃO DE DIFICULDADE:

Obrigado a Dave Ronnan, Sylvia Pryer, Martyn Bayon e Nigel Ingram.

Apareceu no DIVER abril de 2011

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x