Tour do Naufrágio 151: A Clarinda

Naufrágio Tour 151 The Clarinda
Naufrágio Tour 151 The Clarinda

Este navio de carga situado ao largo da Ilha de Wight é uma relíquia da era vitoriana, com muito para manter o interesse dos mergulhadores. JOHN LIDDIARD examina a cena retratada por MAX ELLIS

TEMPO E MARÉ nivelaram quase todos os Clarinda1075 toneladas para o fundo do mar de 39m. Ainda de pé estão o motor e as caldeiras, que se elevam a 5m do fundo.

Espírito de criaturaConsequentemente, o capitão Dave Wendes acerta o tiro neste grande alvo e, como de costume, o Wreck Tour deste mês começa onde um par de caldeiras preenche a largura do casco (1).

Seguindo em frente desde as caldeiras, a bombordo um conjunto de degraus repousa rente à quilha. Entre estes e a caldeira de estibordo, olhe atentamente entre os escombros. Apenas claro está a borda de uma bitácula de bússola (2), estando o resto bem enterrado, por isso não é de surpreender que nunca tenha sido recuperado.

Bitácula da bússola
Bitácula da bússola

O caminho a seguir é complexo. Eu suspeito que o Andorinha fatiado em Clarinda em um dos avanços e o Clarinda afundou abruptamente, atingindo o fundo do mar com a proa e quebrando a quilha ao balançar na corrente.

Ficando próximo a estibordo, uma ruptura nos destroços é marcada por uma moldura (3) projetando-se da telha. Da sua extremidade aberta, deverá ser possível distinguir a próxima seção da quilha (4), conduzindo em ângulo para estibordo.

Há mais destroços mais a estibordo (5), principalmente algumas seções do casco e alguns restos de carvão remanescentes da carga, mas nada de real interesse.

Podemos voltar para a nossa seção da quilha um pouco mais adiante por meio de um par de cabeços (6). Na verdade, não precisamos ver tudo isso agora, mas gastar alguns minutos para nos familiarizarmos com isso nos ajudará a encontrar o caminho de volta mais tarde. Agora indo para a borda interna desta seção da quilha e voltando um pouco em direção às caldeiras, o equipamento entre as Clarindade alguma forma conseguiu permanecer aproximadamente na linha principal dos destroços.

Primeiro, há um carretel de cabo parcialmente enterrado (7)e, em seguida, uma placa de convés sólida com um guincho de carga (8), e uma âncora padrão do Almirantado com a coronha dobrada.

Entre este guincho e a secção da quilha que seguíamos anteriormente, e um pouco à frente, os destroços continuam com uma secção quebrada da costela e da placa do casco, depois a corrente da âncora incrustada (9), empilhados onde a caixa de corrente se deteriorou.

Uma lagosta guarda sua casa sob as placas caídas do casco
Uma lagosta guarda sua casa sob as placas do casco caídas

A corrente daqui nos leva até a proa, que inclinou com a haste diretamente em nossa direção na ilustração, mostrando o quanto a parte traseira do Clarinda torceu depois de cravar a proa no fundo do mar e quebrar suas costas.

Acima da proa, mas também na extensão mais avançada dos destroços, está um par de âncoras Trotman (10), ambos de pé na mesma sorte. Essas âncoras são, à distância, semelhantes ao antigo padrão do Almirantado, exceto que são articuladas no meio, com pontas de pá curvas distintas.

Âncora na proa
Âncora na proa

Entre essas âncoras, a torre usada para içá-las até o convés fica plana no fundo do mar.
Agora indo para a popa novamente, o guincho da âncora (11) está de cabeça para baixo abaixo de sua placa de base e logo a bombordo dos destroços.

Encontrar uma rota de volta à popa é mais fácil em direção ao lado estibordo dos destroços, onde, exceto na melhor visibilidade, é necessário um pequeno ato de fé para julgar a direção certa e encontrar o guincho de carga e a âncora. (8), ou a seção da quilha (4) dos quais fizemos um breve reconhecimento anteriormente.

Guincho de carga de popa, inclinado imediatamente atrás do mancal de impulso.
Guincho de carga traseiro, inclinado imediatamente atrás do mancal de impulso

Qualquer pessoa preocupada em perder os destroços durante esta parte do nosso percurso pode traçar uma linha, mas, uma vez conhecido o naufrágio, a navegação não é tão difícil.

Passando pelas caldeiras, o motor composto de dois cilindros (12) eleva-se vários metros acima dos destroços. Virando-se para olhar a extremidade traseira das caldeiras, os medidores de água ainda estão posicionados acima das fornalhas.
A estibordo, um pequeno motor auxiliar monocilíndrico, talvez proveniente de uma bomba ou gerador, está entre os escombros.

A bombordo, os balancins levam à bomba de circulação principal e, olhando de perto abaixo do motor, ao condensador (13) ainda está no lugar.

Balancim da válvula na lateral do motor
Balancim da válvula na lateral do motor

Do motor saímos novamente dos destroços, desta vez para bombordo, onde um grande leme (14) caiu de um lado.

Originalmente, estaria no convés principal, ou mais alto, na casa do leme acima e à frente das caldeiras.

Também vale a pena procurar nesta área as linhas de olhos mortos entre as telhas. Estes teriam sido usados ​​para manusear cordames de velas, embora o Clarinda não teria usado velas, exceto como reserva após falha do motor.

Quando foi construído em 1871, as pessoas não confiavam na fiabilidade da energia a vapor e também estavam preocupadas com a falta de carvão em viagens longas.

De volta à linha central dos destroços, um mancal de impulso e um eixo de hélice saem do motor para trás. O mancal de impulso é parcialmente obscurecido por um guincho de carga (15) que saiu da linha para estibordo.

Quando considerado com o comprimento do navio, este guincho indica que havia apenas um porão à ré.

O eixo da hélice funciona por alguns metros antes de quebrar (16) e continuando mais para estibordo.
Um pouco mais a estibordo da continuação do poço, uma hélice sobressalente (17) permanece plano, com uma lâmina parcialmente obscurecida pelos destroços.

Mais destroços estão espalhados a estibordo, mas apenas seções do casco – nada para se entusiasmar.

O eixo da hélice continua para trás na glândula de popa e no recorte da hélice. A popa caiu para estibordo e a hélice (18) permanece no lugar.

O leme se partiu e está na popa, nosso último destroço desta turnê.

Voltando para a popa, o topo do poste do leme fornece um bom local para disparar um SMB atrasado e subir.

TERNADO

A CLARINDA, navio de carga. CONSTRUÍDO EM 1871, Afundado em 1885

O navio de ferro Clarinda, de 1075 toneladas brutas, era propriedade de GJ Hay & Co de Sutherland quando ela afundou em 17 de outubro de 1885. Ela havia colidido com o Andorinha de Cork, a cerca de 13 quilômetros de St Catherine’s Point, com ventos de força 3 de nordeste.

A Clarinda, com 67 m de comprimento e 9 m de boca, estava em uma viagem de Cardiff a Cronstadt de seu porto de origem, Sunderland, onde foi construído em 1871 por William Doxford & Sons.

Seu único parafuso era acionado por um motor composto de dois cilindros de 98 cv e duas caldeiras. A tripulação de 17 pessoas estava sob o comando do capitão James McGovern.

GUIA TURÍSTICO

O Guia Turístico Clarinda
O Guia Turístico Clarinda

CHEGANDO LA: Da rotunda na junção 27 da M1, vire para sul na A337 através de Lyndhurst e continue até Lymington. Siga em direção ao centro da cidade até que a estrada faça uma curva acentuada à direita subindo a colina até a High Street. Em vez de seguir por esse caminho, continue em frente e desça a estrada até ao rio e às marinas.

COMO ENCONTRAR: As coordenadas GPS são 50 27.86N, 001 39.67W (graus, minutos e decimais). O naufrágio está com a proa voltada para sudeste.

MARÉS: A água parada é essencial e ocorre 25 minutos após a maré alta de Dover, ou 30 minutos antes da maré baixa de Dover. Nas marés vivas, a folga é muito curta e pode ocorrer alguns minutos depois disso.

MERGULHANDO: Espírito de criatura, capitão Dave Wendes, 02380 270390.

AR: TAL Scuba, Christchurch, 01202 473030. Mergulho para frente, Poole, 01202 677128.

ACOMODAÇÃO: A Nova Floresta é uma área turística popular, com todos os níveis de acomodação, desde camping até hotéis, prontamente disponíveis. Chamar 01590 689000.

LANÇAMENTO O deslizamento na marina de Lymington é provocado pelas marés e seca na maré baixa.

Qualificações: Os 39 m de profundidade do Clarinda significa que os mergulhadores devem ter um Deep, Advanced Nitrox ou Dive Leader ou qualificação equivalente.

OUTRAS INFORMAÇÕES: Carta do Almirantado 2045, Abordagens externas para o Solent. Carta do Almirantado 2615, Bill de Portland para as Agulhas. Mapa de levantamento de artilharia 196, O Solent e a Ilha de Wight. Naufrágios da Costa Sul de East Dorset e Wight, por Dave Wendes.

PROS: Algumas máquinas fascinantes e itens raros, como a bitácula da bússola, medidores de água e condensador.

CONTRAS: A navegação pode ser complicada na metade dianteira dos destroços.

PROFUNDIDADE: 35-45m

CLASSIFICAÇÃO DE DIFICULDADE:

Obrigado a Dave Wendes, Derek Bridle e Jay.

Apareceu no DIVER julho de 2011

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x