Tour de Naufrágio 155: O Gretafield

Tour de Naufrágio 155 The Gretafield
Tour de Naufrágio 155 The Gretafield

Este navio-tanque na costa nordeste da Escócia foi vítima de um submarino da Segunda Guerra Mundial – já passou por muitas dificuldades, mas ainda é um bom mergulho para todos, diz JOHN LIDDIARD. Ilustração de MAX ELLIS

ESTE MÊS ESTAMOS QUASE o mais ao norte do Reino Unido possível, para visitar os destroços do navio-tanque de 10,191 toneladas Gretafield.

A Gretafield foi torpedeado e pegou fogo em 1940 e, em seguida, abandonado e em chamas, derivou para a baía de Dunbeath.

A combinação de danos causados ​​pelo fogo e 61 anos de tempestades de inverno e águas rasas significa que os destroços estão bem desmontados, mas ainda há muito para ver.

Desde os primeiros dias dos navios a vapor, os navios-tanque quase universalmente tinham seus motores na popa, mantendo assim o fogo e o calor das caldeiras e quaisquer faíscas do funil longe da carga inflamável de óleo.

Como consequência, a nossa visita ao Gretafield começa como costuma acontecer nas caldeiras, mas na popa do navio.

Os membros do Caithness Diving Club com quem eu estava mergulhando atiraram na caldeira de proa a estibordo (1), a primeira das seis caldeiras que forneciam vapor ao Gretafieldé o enorme motor.

Esta caldeira de alguma forma rolou para fora do casco além de 180° em relação à sua orientação normal, como evidenciado pelas três fornalhas na parte de trás dela agora estando de cabeça para baixo. O que é surpreendente é que, para chegar onde está, ele também deve ter saltado sobre uma grande parte do casco que ainda está dentro dele.

Suspeito que, no momento em que a superestrutura dos destroços em chamas se rompeu, a caldeira estava sem água e, conseqüentemente, flutuou para fora, mas depois rolou, despejando o ar preso em seu interior para afundar de cabeça para baixo e para fora do casco.

caldeira e fornalha
Caldeira e fornalha

Seguindo para trás, a próxima caldeira (2) passou por uma sequência semelhante de eventos, embora desta vez tenha tombado para despejar o ar preso e afundado com as fornalhas agora apontando para a superfície, atingindo uma profundidade de até 5 m.

Imediatamente após esta caldeira estão dois cilindros da máquina a vapor (3), caído para estibordo e sobre a borda quebrada do casco. Um deles quebrou deixando o pistão exposto e a coroa do cilindro inclinada contra a parte traseira da caldeira.

Pistão de alta pressão do motor
Pistão de alta pressão do motor

Ficando fora do casco por enquanto, bem na popa o eixo da hélice e a glândula de popa (4) se projetam acima do fundo do mar de 12m, mostrando até que ponto o casco do Gretafield quebrou. Em um naufrágio tão raso e acessível, a hélice provavelmente foi recuperada logo após o naufrágio.

A extremidade traseira do eixo da hélice
A extremidade traseira do eixo da hélice

Logo na popa, uma placa curva parcialmente enterrada em pedras e cascalho poderia ter sido o leme (5).

Da glândula de popa, uma pequena seção do eixo da hélice (6) conduz para o virabrequim, quebrando onde o corpo de uma turbina foi removido, embora parte da turbina (7) permanece na parte traseira do motor.

O objetivo da turbina teria sido extrair o que restava de energia do vapor depois que ele saiu dos cilindros de baixa pressão do motor. Digo cilindros, porque mais dois (8) caíram para o porto, perfazendo um total de quatro.

Um dos pistões de baixa pressão quebrados da enorme máquina a vapor de quatro cilindros
Um dos pistões de baixa pressão quebrados da enorme máquina a vapor de quatro cilindros

Olhando para o tamanho relativo dos cilindros, o GretafieldO motor ainda teria tripla expansão, mas com o estágio de baixa pressão dividido entre dois cilindros.

As seis caldeiras do Gretafield foram dispostos em duas fileiras de três ao longo do casco. Como os dois primeiros, o caldeirão do meio da última fileira (9) flutuou para fora de seu suporte e, como a segunda caldeira, fica em pé com as fornalhas voltadas para cima.

A caldeira final da última fila (10) rolou para fora do lado de bombordo do casco, mas está apenas 90° acima.
Na fila da frente, o caldeirão do meio (11) mudou para estibordo, mas de alguma forma conseguiu rolar 90° para bombordo. Finalmente, a caldeira de bombordo (12) fica em pé e um pouco à frente, ainda dentro do casco.

À frente das caldeiras, uma antepara inteira (13) desabou sobre os destroços. Isto marca o fim da maquinaria.

Como navio-tanque, a parte dianteira do casco teria sido apenas uma enorme grade de tanques de petróleo e lastro, com tubulações no convés acima, agora esmagada quase no nível do fundo do mar. No entanto, ainda existem alguns destroços notáveis ​​e, a apenas 12 m de profundidade, deve haver bastante tempo de fundo disponível para dar uma olhada.

Mais à frente, em direção à linha central, um mastro (14) caiu para trás dentro dos destroços. Logo à frente disso, uma enorme seção de caixa (15) abrange a largura do casco. Talvez isso fosse parte da base do mastro. As placas do casco caíram para fora em ambos os lados dos destroços.

A estibordo, próximo à seção em caixa, há um grande compartimento retangular (16). Parece ter caído de cabeça para baixo acima do convés – talvez parte da superestrutura e da casa do leme a meia-nau.

À frente da seção em caixa há um par de cabeços e, em seguida, uma placa com uma linha de orifícios vazios nas vigias (17), também da superestrutura a meia nau.

Mais à frente, os destroços são novamente uma confusão devastada de chapas de aço (18). À medida que os destroços começam a desaparecer, a bombordo está uma estrutura tubular (19). Poderia ter sido parte de um mastro ou talvez tenha sido colocado sob a proa para rebocar cabos de varredura de minas e paravanas.

Os membros do Caithness Diving Club me disseram que há algumas âncoras, pedaços de equipamento de guincho e cabeços bem nas águas rasas, entre as rochas e as algas, mas é muito raso e cheio de algas para valer a pena continuar mais para a costa.

Conseqüentemente, nossa rota retorna à popa, mais facilmente seguindo ao longo do lado estibordo do casco (20), para onde uma seção alta do casco (21) sobe junto à caldeira por onde partimos.

Não deve haver problemas para realocar a linha de tiro, mas em águas tão rasas é igualmente fácil fazer uma parada de segurança no topo de uma das caldeiras antes de subir para a superfície.

TANQUE EM CHAMAS

O CAMPO GRETA, tanque de combustível. CONSTRUÍDO EM 1928, Afundado em 1940

COM CARGA DE 13,000 TONELADAS de óleo combustível de Curaçao, o Gretafield juntou-se ao comboio HX-18 vindo de Halifax, Nova Escócia, em 31 de janeiro de 1940. O comboio tinha como destino Liverpool, onde o Gretafield foi construído por Camel Laird de Birkenhead em 1928.

Duas semanas depois, o Atlântico Norte foi atravessado e o Gretafield havia deixado o comboio para Invergordon.

Pouco antes da 1h do dia 14 de fevereiro, a guarda costeira de Wick avistou uma tremenda explosão em um navio a cerca de 10 quilômetros a leste do nordeste. O Gretafield foi atingido por um par de torpedos U57, um submarino tipo IIC comandado por Claus Korth.

Os botes salva-vidas Wick e Fraserburgh foram lançados, mas os arrastões armados de escolta HMT Peggy Nutten e HMT Strathalladale recuperou e desembarcou os 27 sobreviventes da tripulação de 41 em Wick.

A queima feroz Gretafield foi deixado à deriva, desembarcando na baía de Dunbeath em 15 de fevereiro. Os destroços continuaram a queimar por vários dias. Em 19 de março, ela se partiu em duas e foi declarada perda total.

U57 retornou a Wilhelmshaven em 25 de fevereiro, tendo também torpedeado e danificado o navio de 4996 toneladas Lago Maddy no comboio seguinte HX-19. Depois de fazer nove patrulhas no comando do U57 e outras cinco no comando do U93, Claus Korth foi condecorado com a Cruz de Ferro de 2ª Classe, a Cruz de Ferro de 1ª Classe e a Cruz de Cavaleiro.

Em 1942 tornou-se treinamento oficial e depois ingressou na seção de testes de torpedos, função que retomou em 1955 na Marinha Alemã do pós-guerra, aposentando-se em 1970.

GUIA TURÍSTICO

O guia turístico Gretafield ShipWreck
O guia turístico Gretafield ShipWreck

CHEGANDO LA: Dunbeath fica perto da A9 entre Inverness e Thurso, pouco antes de se dividir na A99.

COMO ENCONTRAR: As coordenadas GPS são 58 14.479N, 3 25.423W (graus, minutos e decimais), cerca de 500m a oeste do sul do cais de Dunbeath. As caldeiras serão exibidas claramente em um ecobatímetro.

MARÉS: A Gretafield pode ser mergulhado em qualquer estado da maré. No entanto, há menos algas durante o inverno e no início da temporada.

MERGULHANDO: Os barcos fretados mais próximos ficam em Scapa Flow. Caso contrário, é melhor levar seu próprio RIB ou inflável.

AR: Não há estações aéreas comerciais, mas o Caithness Diving Club é amigável e prestativo.

ACOMODAÇÃO: Cada vila da região tem um pequeno B&B ou hotel. Há muitas opções para escolher um pouco mais ao norte, em Thurso.

LANÇAMENTO Use a rampa no porto de Dunbeath. Cuidado com pedras rasas.

Qualificações: Adequado para qualquer pessoa.

OUTRAS INFORMAÇÕES: Carta do Almirantado 115, Moray Firth. Mapa de levantamento de artilharia 11, Thurso & Dunbeath. Índice de Naufrágios das Ilhas Britânicas Vol 4, de Richard e Bridget Larn. Site da comunidade Caithness.

PROS: A poucos minutos da costa, raso e protegido do oeste.

CONTRAS: Pode ser “eliminado” no verão.

PROFUNDIDADE: -20m

CLASSIFICAÇÃO DE DIFICULDADE:

Agradecimentos a Davy Carter, Mark Liddiard, Ian Mackay, Caithness Diving Club, Tony Jay, Victoria Bennett, Tim Walsh e Rachel Locklin.

Apareceu em DIVER em novembro de 2011

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x