Wreck Tour 158: O Derbent

Tour de Naufrágio 158 O Derbent
Tour de Naufrágio 158 O Derbent

Com que frequência você tem a chance de mergulhar em um navio-tanque quase intacto? Esta vítima do submarino da Primeira Guerra Mundial está perto de Anglesey e vale a pena uma visita, diz JOHN LIDDIARD, Ilustração de MAX ELLIS

JÁ FAZ MUITO TEMPO nós corremos um Passeio pelos destroços de um petroleiro, sendo os últimos os Aclive (97, março de 2007) e o Kimya (98, abril de 2007). Ambos eram pequenos navios a motor de 389 e 997 toneladas, respectivamente.

O navio-tanque deste mês ao norte de Anglesey é uma fera completamente diferente. O Derbent foi um navio a vapor de 3178 toneladas, construído em 1907 e torpedeado em 1917.

Quando mergulhei Derbent, o capitão Scott Waterman acertou o tiro a bombordo da proa (1). Não foi um acidente fácil de atirar porque tem o casco intacto e está completamente tombado de um lado.

Com a maré ainda correndo, o projétil tendia a se arrastar ao longo da quilha e para fora dos destroços, então Scott fez algumas tentativas antes de ficar feliz por estar firmemente enganchado.

Com o objectivo de ver o máximo possível num único comprimento do naufrágio, o nosso passeio desce primeiro pela encosta do casco até à ponta da proa. (2).

No caminho, várias placas do casco apodreceram, por isso há oportunidades de iluminar o castelo de proa com uma boa luz de mergulho e ver o que pode ser visível entre os escombros.

Em ambos os lados da proa, os orifícios para os hawsepipes estão intactos, mas os hawsepipes, a seção do convés acima e as laterais da proa estão faltando, deixando um recorte na proa (3).

Para quem gosta de explorar o interior, proporciona um acesso que pode levar de volta ao castelo de proa, mas cuidado com o lodo e o emaranhamento.

Pode haver detritos das âncoras e dos tubos de escoamento abaixo e mais longe dos destroços, mas não olhei. As âncoras e a corrente também podem ter sido recuperadas.

Nosso passeio permanecerá em segurança acima do convés, onde o guincho da âncora permanecerá firmemente no lugar (4).

Guincho de âncora e freio de guincho
Guincho de âncora e freio de guincho

Imediatamente à frente dele, uma curta base de mastro teria sustentado uma pequena torre para içar âncoras para o convés.

Atrás do guincho da âncora, pares de cabeços são dispostos em cada lado do convés e dois pares em direção ao centro do convés (5). Um carretel associado de cabo de amarração caiu no fundo do mar abaixo (6).

Bollards na proa
Bollards na proa

A parte superior de DerbentO casco está a cerca de 32m e o fundo do mar a 42m, portanto, seguindo principalmente a linha central do convés, a profundidade média do mergulho pode ser mantida em cerca de 37m, ganhando alguns minutos de tempo de fundo.

A Derbent era um petroleiro, mas mesmo os petroleiros tinham porões pequenos, então ao sair do castelo de proa para o convés principal encontramos imediatamente a braçola e a escotilha aberta do porão de proa (7), que leva para baixo e sob o castelo de proa.

Este era um local comum para os petroleiros terem porão, com os tanques reais estando na seção quadrada do casco daqui à ré.

Um pé de mastro sobressai do convés principal (8), e com boa visibilidade o mastro caído pode ser visto no fundo do mar abaixo.

A seguir, no convés, estão as escotilhas seladas dos tanques de petróleo. (9), dispostas em uma grade de quatro escotilhas grandes em torno da base de um ventilador, depois duas escotilhas menores, uma das quais se abriu. Em ambos os lados do convés há armários retangulares (10), as tampas caíram e o conteúdo desapareceu.

Os restos da superestrutura a meia nau (11) agora abrangem o convés, com escotilhas de cada lado. Os degraus que levariam ao convés dos barcos e à casa do leme caíram no fundo do mar.

A casa do leme em si teria sido construída em grande parte com madeira e agora apodreceu, assim como grande parte do convés do convés do barco. À parte, uma das razões pelas quais as casas do leme continuaram a ser feitas de madeira foi para minimizar a interferência com a bússola.

A superestrutura é pequena e nossa rota logo volta ao convés principal (12), porque o motor está localizado na popa.

Pequena braçola de escotilha para a extremidade dianteira da superestrutura de popa
Pequena braçola de escotilha para a extremidade dianteira da superestrutura de popa

Os restos de uma passarela (13) que teria levado da casa do leme à superestrutura de popa agora cedeu ao fundo do mar numa parábola desarticulada.

Um grande guincho agora abrange toda a largura do convés (14). Sem porões de carga próximos para servir, isso teria sido usado para transportar mangueiras a bordo ao carregar e descarregar a carga de petróleo.

Os tanques principais nesta seção do casco estão novamente protegidos sob quatro grandes escotilhas (15), com um pé de mastro no centro e o mastro real caído no fundo do mar abaixo. O convés e as laterais do casco elevam-se agora para um longo tombadilho que continua até a popa, cobrindo mais cabines, o porão e a casa das máquinas.

Escotilhas abertas abrem para aqueles que desejam explorar abaixo do convés, enquanto estão acima de uma grade (16) abrange a maior parte da largura do convés.

Escadas do convés principal levam a escotilhas abertas que suspeito que teriam sido cobertas com cabines fofas há 95 anos. A estrutura aberta de uma casa de convés abrange a maior parte da largura do convés.

Uma abertura no convés agora dá acesso ao porão. Uma das caldeiras caiu (17) enquanto uma segunda caldeira (18) permanece preso às suas montagens internas. As escotilhas do ventilador e a estrutura que cobririam a abertura caíram no fundo do mar.

Uma abertura menor próxima à popa revela o topo da máquina a vapor de tripla expansão do Derbent (19). Um pequeno guincho (20) por trás disso teria sido usado principalmente para manusear cabos de amarração.

A parte final da popa sobe outro nível do convés com mais cabines no interior, embora esteja começando a se separar do corpo principal dos destroços.

Então, em cima disso estão as paredes de uma casa de convés (21). Suspeito que estes permanecem intactos porque foram reforçados para suportar o stress da montagem do DerbentA arma de popa no teto da cabine.

Passando pela lateral da popa, passando por outro par de cabeços de amarração e descendo em direção à quilha, falta o leme, mas a hélice de ferro de quatro pás (22) ainda está no lugar na cauda do eixo.

A hélice de ferro de quatro pás
A hélice de ferro de quatro pás

Finalmente, voltando pelo casco, nosso passeio termina no canhão de popa (23), agora apoiado a bombordo do casco.

Isto foi originalmente montado no topo da cabine (21), mas caiu aqui após uma tentativa fracassada de salvamento, quando o peso da arma começou a puxar a proa do barco de salvamento para baixo.

Tal como acontece com a maior parte da estrutura do naufrágio, este está coberto por grandes anémonas plumosas. Por ser o ponto mais raso dos destroços, também é um bom local para liberar um SMB atrasado para subir e descomprimir.

Afundado por DAS BOOT

O DERBENTE, petroleiro. CONSTRUÍDO EM 1907, Afundado em 1917

CONSTRUÍDO POR ARMSTRONG WHITWORTH & CO LTD de Newcastle-upon-Tyne e movido por máquinas da Wallsend Slipway Co Ltd, também de Newcastle, o navio-tanque de 3187 toneladas Derbent foi lançado no 1907.

Em 30 de novembro de 1917, ela foi contratada pelo Almirantado Britânico, transportando uma carga de 3860 toneladas de óleo combustível de Liverpool para Queenstown (agora Cobh de Cork).

U96 atingido com um único torpedo, seis milhas ENE de Lynas Point. O Derbent permaneceu à tona por dois dias, deixando bastante tempo para a tripulação escapar.

Foi uma semana movimentada para U96 e Kapitänleutnant Heinrich Jess, que deixou um rastro de quatro outros navios afundados em Berry Head, contornando Land's End e atravessando o Canal de Bristol antes do Derbent tornou-se a última vítima da patrulha. U96 sobreviveu à guerra, apenas para ser desmembrada em 1919.

Tanto a vítima do navio-tanque quanto o agressor do submarino estão ligados por homônimos literários. O submarino tipo VII-C da Segunda Guerra Mundial U96 era o número do submarino em que o livro de Lothar-Günther Buchheim Das Boot foi ambientada, a história da patrulha de um submarino no Atlântico em 1941.

A história foi posteriormente filmada como uma minissérie de TV e também editada como um longa-metragem.

Derbent é um porto no Mar Cáspio e a cidade mais meridional da Rússia. O nome foi usado para mais de um petroleiro; o que é surpreendente, porque o Mar Cáspio não tem litoral.

Um mais famoso Derbent é o tema do romance O petroleiro Derbent do autor russo Yuri Krymov. A data de publicação do original é desconhecida, mas acredita-se que tenha sido na década de 1930. Foi transformado em filme em 1941.

Uma tradução para o inglês de 1960 não fornece a data da tradução original.

É uma história de heroísmo no mar em que o Derbent navega para resgatar outro navio-tanque, com emocionantes mensagens patrióticas soviéticas.


GUIA TURÍSTICO

O passeio pelos naufrágios de Derbent
O passeio pelos naufrágios de Derbent

CHEGANDO LA: Siga a A55 através do Norte de Gales até Anglesey e atravesse a Ponte Menai. Pegue a primeira estrada de acesso e vire à direita para a cidade de Menai Bridge. Vire em direção à orla marítima perto da banca de jornal e dos correios em frente ao HSBC e depois continue até o pontão perto do escritório do porto.

COMO ENCONTRAR: As coordenadas GPS para o Derbent são 53 28.414N, 004 14.155W (graus, minutos e decimais). A proa aponta para sudeste.

MARÉS: A água parada é essencial e ocorre 30 minutos antes da maré alta ou baixa de Liverpool.

MERGULHO E AR: Quest Diving Charters opera a partir da Ponte Menai, 01248 716923.

ACOMODAÇÃO: Turista de Anglesey informações.

LANÇAMENTO O deslizamento mais próximo está em Amlwch.

Qualificações: Um naufrágio fácil e raso o suficiente para o básico treinamento mergulhos.

OUTRAS INFORMAÇÕES: Carta do Almirantado 1977, Holyhead para Great Ormes Head. Mapa de levantamento de artilharia 114, Anglesey. Índice de naufrágios das Ilhas Britânicas, Volume 5, Costa Oeste e País de Gales, de Richard e Bridget Larn.

PROS: Uma rara chance de mergulhar em um navio-tanque quase intacto.

CONTRAS: Pode ser difícil acertar um tiro

PROFUNDIDADE: 35 m - 45 m

CLASSIFICAÇÃO DE DIFICULDADE:

Obrigado a Scott Waterman.

Apareceu no DIVER fevereiro de 2012

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x