Naufrágio Tour 170: O Manina

Passeio de Naufrágio 170 The Manina
Passeio de Naufrágio 170 The Manina

Visitamos um naufrágio mais recente, mas raramente mergulhado, este mês, um navio de carga perdido nas Orkneys durante o mau tempo, com a perda de nove tripulantes. JOHN LIDDIARD lidera, ilustração de MAX ELLIS

DESTRUÍDO NA PILHA DE SULE em 8 de abril de 1968, e mergulhou pela primeira vez em 28 de maio de 1997, o navio a motor de 1333 toneladas Mãozinha ainda é visitado apenas algumas vezes por ano, no máximo.

Embora a existência do naufrágio seja conhecida há muito tempo, os primeiros a mergulhá-lo foram Kevin Heath, pesquisador de naufrágios de Stromness, e Malcolm Daughtrey, do East Cheshire BSAC.

O clube era visitante regular de Fluxo Scapa, gostou de explorar um pouco e convidou Kevin para passar o dia com eles.

Mergulhando de mv Tritão, um eco foi encontrado a 40m, um tiro foi disparado e Kevin e Malcolm foram os primeiros a chegar para ver se haviam encontrado os destroços.

O leme do Mãozinha foi posteriormente erguido e restaurado, e agora pode ser visto no Scapa Scuba em Stromness.

Quando mergulhei nos destroços, Andy Cuthbertson, capitão do Jean Elaine, esperava há alguns dias de mar calmo. Ele queria dar bastante tempo para que a onda diminuísse a um nível administrável antes de se aventurar nos 40 quilômetros de Stromness. Sabiamente, ele não arriscaria ir tão longe apenas para descobrir que seria muito difícil mergulhar.

Uma linha de tiro não é mais necessária, porque há um rastro de destroços até a fenda no meio de Sule Stack.

Mergulha no Mãozinha agora convenientemente comece a cair perto das rochas antes de nadar até a fenda para descer (1), passando pela onda até o primeiro pedaço identificável dos destroços, que é o leme (2).

Seguindo a descida, à medida que a fenda se alarga, as próximas partes identificáveis ​​dos destroços são do motor e do maquinário de refrigeração. (3) e (4).

Equipamento de refrigeração do porão refrigerado
Equipamento de refrigeração do porão refrigerado

O naufrágio continua como destroços esporádicos até 32m, onde uma seção da torre corre para uma seção considerável da quilha (5).

À medida que a seção da quilha termina, com apenas o eixo da hélice saliente, uma âncora (6) pode ser encontrado no topo de uma rocha no lado norte da quilha a 36m.

Voltando ao eixo de transmissão, continua alguns metros mais fundo até a hélice (7), a uma profundidade de 40m.

Nossa rota agora vira para o sul, passando por placas de casco espalhadas (8) e ao longo da face de uma rocha com uma seção de corrimão apoiada nela (9).

Hélice
Hélice

Atravessando um cume baixo, os destroços continuam com alguns trechos da torre (10) e então uma seção mais volumosa do mastro com um T atravessado (11).

Do outro lado da próxima crista nos leva às proximidades da proa, como evidenciado pela corrente da âncora (12) conduzindo de um buraco no que teria sido o convés da proa, ainda enfiado no tubo de um tubo de escovilhão, até uma seção mais reconhecível da proa (13).

Apenas alguns metros mais ao sul, as placas espalhadas desaparecem a 42m (14).

Passando pela corrente da âncora, um par paralelo de vigas pode ter sido um mastro de baliza (15). Estes apontam para cima na encosta para uma seção arredondada mais óbvia do mastro (16), à vista da parede rochosa da pilha.

Seção de um mastro de trave
Seção de um mastro de trave

A base deste mastro está perto de outra crista que se projeta da parede, e os detritos espalhados continuam ao redor desta crista, passando por um par de cabeços. (17) e uma seção de pistão (18), que completa um circuito de volta à fenda onde começamos.

Subindo ligeiramente a parede, uma saliência estreita (19) corre a 14m, com restos de destroços entre algas, descendo levemente até 18m e guincho de carga (20).

Considerando que está quase diretamente acima da proa, também pode ter servido como guincho de âncora.

Em um local tão remoto, os mergulhadores não devem se arriscar com a descompressão, e o tempo de parada de segurança adicional que você tiver gás pode ser facilmente alcançado enquanto sobem a seção mais rasa da parede (21).

Embora coberto de algas, entre as raízes há um denso aglomerado de anêmonas. Para muitos mergulhadores, este seria um excelente mergulho panorâmico raso por si só, por isso é um bônus após o naufrágio mais profundo.

TRAGÉDIA NA DÉCADA DE 1960

A MANINA, navio cargueiro. CONSTRUÍDO EM 1947, Afundado em 1968

O NAVIO A MOTOR DE 1333 TONELADAS Mãozinha foi construído em 1947 por Eriksberg Mekaniske Verkstad A/B – Eriksberg Varv de Gotemburgo como o navio de bandeira norueguesa Corvus.

A empresa grega Kanav Shipping posteriormente mudou o nome para Mãozinha.

Em 8 de abril de 1968, o Mãozinha estava em lastro de Bergen a Glasgow, sob o comando do capitão Victor Kapsokefalos. Um vento de força 7 de oeste estava causando um mar curto e íngreme.

Pode ter sido um vento forte, mas não deveria ter perturbado um navio deste tamanho. No entanto, o Mãozinha encontrei Sule Stack.

Flares foram disparados e avistados pelos faroleiros em Sule Skerry, 10 quilômetros ao norte. Dois botes salva-vidas de Orkney e um de Stromness foram lançados e um avião de reconhecimento RAF Shackleton direcionado para cima, que logo seria substituído por outro quando o primeiro Shackleton desenvolveu problemas de motor.

Quando os botes salva-vidas chegaram, não havia sinal de sobreviventes na rocha ou nas proximidades.

A Mãozinha havia quebrado completamente, deixando apenas uma mancha de óleo de motor e detritos flutuantes espalhados.

Várias outras embarcações na área também se dirigiram ao resgate. O petroleiro sueco Vassajaure resgatou cinco tripulantes, incluindo o segundo imediato Vassilias Kyriacou, de um barco salva-vidas.

O restante dos 14 tripulantes, incluindo o capitão Kapsokefalos, foram perdidos, com cinco dos corpos sendo recolhidos pelo Vassajaure ou transferidos de outros navios.

A Vassajaure seguiu em direção às Hébridas Exteriores, transferindo os sobreviventes e corpos para o barco salva-vidas Stornoway para desembarcar em Lewis.

O barco salva-vidas Stromness voltou para casa com mais dois corpos recuperados do mar.

Guia de turismo

O passeio pelo naufrágio de Manina
O passeio pelo naufrágio de Manina

CHEGANDO LA: Northlink opera serviços de balsa de Scrabster para Stromness e Aberdeen para Kirkwall, 0845 6000 449.

COMO ENCONTRAR: As coordenadas GPS são 59 01.401, N 004 30.434W (graus, minutos e decimais). O Mãozinha fica no lado sudeste de Sule Stack e é fácil de encontrar entrando na água pela fenda na pilha e seguindo o vale de destroços para baixo.

MARÉS: A Mãozinha pode ser mergulhado em qualquer estado da maré, mas aconselham-se alguns dias de tempo calmo antes de se aventurar por lá.

MERGULHO E AR: Pegue um dos grandes barcos fretados da Scapa Flow para passar o dia. Scapa Flow Charters opera Jean Elaine e Sharon Rosa, 01856 850879.

ACOMODAÇÃO: Durma no barco ou fique em terra em um hotel ou pousada local. Há um parque de campismo em Stromness, mas não é aconselhável acampar no clima de Orkney. Conselho de Turismo de Orkney, 01856 872856.

LANÇAMENTO A saída mais conveniente é no porto de Skerray, no continente.

Qualificações: Não é um mergulho difícil mas pode haver muita ondulação, por isso não é recomendado para iniciantes.

OUTRAS INFORMAÇÕES: Carta do Almirantado 1954, Cabo Wrath para Pentland Firth. Mapa de levantamento de artilharia 10, Strathnaver. Mapa de levantamento de artilharia 6, Órcades – Continentee Mapa 7 Órcades – Ilhas do Sul. Os destroços de Scapa Flow, por Lawson Wood.

PROS: Algo fora do comum, com variação de profundidade para atender a maioria dos mergulhadores.

CONTRAS: Travessia exposta de Orkney ou do continente.

PROFUNDIDADE: 20m – 35m, 35m – 45m

CLASSIFICAÇÃO DE DIFICULDADE:

Obrigado a Andy Cuthbertson, Kevin Heath e vários mergulhadores de Swansea e Leeds.

Apareceu no DIVER janeiro de 2013

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x