Tour do Naufrágio 48: O Shuna

O naufrágio Shuna
O naufrágio Shuna

Este navio que afundou há 90 anos é o mais intacto do Sound of Mull, mas talvez seja necessário chegar cedo, diz JOHN LIDDIARD. Ilustração de MAX ELLIS

A shuna é o último dos destroços principaisks no Sound of Mull a ser coberto pelo Passeio pelos destroços série, embora eu ficaria muito feliz se uma nova descoberta provasse que estou errado nisso. Situado praticamente intacto num fundo marinho plano e lodoso, às vezes pode ser o melhor mergulho em naufrágios no Sound of Mull, e às vezes o pior.

Leve os destroços para você e será difícil de vencer. Chegue lá depois de três outros barcos cheios de mergulhadores terem agitado o lodo e você se perguntará por que se preocupou.

A shuna está localizado em uma pequena baía no lado continental de Sound of Mull, a menos de 200 metros da costa. Enquanto estava afundando, sua proa foi amarrada à costa na tentativa de salvar o navio, mas como o shuna resolvido, a corda quebrou e ela recuou enquanto afundava.

Ouvi falar de mergulhadores descendo as rochas da estrada e mergulhando na costa nos destroços. Certamente parece possível, mas um barco é uma opção muito mais sensata.

Como os outros naufrágios no Sound, os capitães de mergulho locais mantêm uma bóia de lata de plástico amarrada aos destroços, então nosso passeio começa a meia-nau, onde a bóia é geralmente amarrada por um mastro a bombordo da superestrutura em cerca de 23m. (1).

Perto dali, a chaminé da caldeira está aberta (2) onde o funil costumava ser conectado.

No interior, a conduta apodreceu para dar acesso por cima da caldeira, embora não haja muito espaço e haja muito lodo para levantar.

Nadando na popa, um quadrado de aço raso (3) marca a fundação de uma casa de madeira que agora apodreceu, seguida por uma abertura muito maior que outrora teria sido o local da escotilha de ventilação da casa das máquinas (4).

Agora está aberto logo acima do motor. No interior, uma passarela grelhada contorna o topo de uma típica máquina a vapor de três cilindros e tripla expansão. A superestrutura está ligeiramente deslocada para bombordo, deixando espaço para um banheiro externo a estibordo do convés (5).

Seguindo os degraus até o nível do convés principal, a 25m, as tábuas do convés estão apodrecendo, mas intactas, até a popa. A primeira espera de popa (6) está meio cheio de carvão, com uma boa cobertura de lodo. A viga da tampa da escotilha ainda corta a abertura.

Entre esperas (7) o mastro de popa é vertical com grandes guinchos à frente e à ré. A última espera (8) é semelhante ao anterior, com carvão coberto de lodo e uma viga dividindo a abertura ao meio.

A hélice sobressalente ainda está presa ao convés de popa (9), com pares de postes de amarração em cada lado. Isto é seguido por uma pequena abertura de escotilha, pequena demais para entrar com o kit de mergulho.

A direção é feita por um quadrante de direção simples (10) acima do convés de popa, com cabos ainda presos levando a ambos os lados do navio, de onde seriam encaminhados para a casa do leme.

Superfícies expostas do shuna são cobertos de tunicados e hidróides, sendo os tunicados ainda mais densos na popa e no leme (11). O leme também é um dos poucos locais onde encontrei margaridas brancas e amarelas brilhantes ou anêmonas de ovo frito. Dentro do leme, a hélice ainda está no lugar (12), o fundo do mar aqui tem cerca de 33m de profundidade.

De volta ao nível do convés a meia nau (13), uma escotilha e janela para a casa das máquinas a bombordo da superestrutura têm formato arqueado. Essas aberturas arredondadas são frequentemente usadas em estruturas de aço para evitar tensões e rachaduras nos cantos.

À frente das superestruturas da sala do motor e da caldeira há um par de mastros curtos e outro grande guincho (14). Estes atendem a meia-nau (15).

A cobertura da escada após a superestrutura dianteira (16) apodreceu, assim como grande parte do convés acima, que outrora teria sustentado uma casa do leme de madeira. O interior é bem iluminado pelo telhado quebrado, mas está repleto de detritos podres.

Como o outro segura, o primeiro segura (17) contém um leito de carvão assoreado com uma viga que divide a escotilha, desta vez com a variedade adicional de uma longarina apoiada diagonalmente em um lado da escotilha.

O mastro dianteiro tem uma inclinação perceptível para trás (18). Os mastros costumavam ter uma ligeira inclinação para trás, mas tenho a impressão de que este se inclinou um pouco mais. Atrás do mastro há outro grande guincho de carga, mas à frente há um guincho muito menor servindo ao porão dianteiro (19).

Os degraus sobem até o convés de proa (20), com uma escotilha entre eles levando ao castelo de proa. Parte do deck acima apodreceu, permitindo a entrada de uma pequena quantidade de luz, mas está muito lamacento.

Na parte traseira do convés de proa há um par de tambores para os cabos de amarração. Mais à frente, o guincho da âncora está intacto, com correntes descendo pelos hawse-pipes (21). Do lado do arco a corrente balança (22) e sai até que seja enterrado sob o lodo do fundo do mar.

A shunaAs âncoras foram originalmente recuadas da costa quando o navio encalhou, prontas para retirá-lo novamente mais tarde.

Voltando à linha, passando pelos porões e pela casa do leme, a escada de estibordo (23) retém um pouco mais de sua cobertura de madeira do que a bombordo. Em um navio tão intacto, é bastante fácil reposicionar a linha da bóia para subir (24).

Então porque é o shuna às vezes o melhor mergulho em naufrágios no Sound of Mull? A estrutura do navio é bastante normal, sem nada de particularmente incomum. É apenas o privilégio de ver um navio tão intacto e em pé, principalmente quando a visibilidade é boa.

Cegado pela tempestade

O abrigo que o capitão Elsper esperava encontrar no Estreito de Mull para o seu navio a vapor fortemente carregado, o de 1,426 toneladas shuna, estava lá, mas apenas por pouco, escreve Kendall McDonald.

Uma grande tempestade tentou empurrá-lo para a costa oeste escocesa enquanto ele se dirigia para norte a partir de Glasgow, em 8 de maio de 1913, rumo a Gotemburgo, na Suécia, com uma carga completa de carvão e produtos mistos. A tempestade não era tão forte pelo som quanto lá fora, mas ele não conseguia enxergar longe devido à chuva torrencial e à maresia.

Às 9h, o dia se transformou em anoitecer e, quase exatamente uma hora depois, a escuna de 72 metros atingiu às cegas as Pedras Cinzentas e começou a entrar água.

O capitão Elsper foi para a popa e, quando seu navio se libertou, tentou seguir para Tobermory. Era uma esperança perdida. As bombas foram quebradas e, à medida que a água aumentava, ele encalhou ao norte de Rubhe Aird Seisg.

A proa da escuna estava alta e seca, mas as ondas enormes começaram a inundá-la pela popa e ela logo começou a se acalmar.

O capitão e sua tripulação abandonaram o navio nos barcos e utilizaram uma corda para ancorar o shunaé proa para a costa. Essa foi outra esperança perdida. Às 10h, a amarra quebrou e ela afundou em águas profundas. A tripulação remou com segurança até Tobermory no dia seguinte.

CHEGANDO LA: Siga pela A85 em direção a Oban. Para Lochaline, vire à direita na ponte Connel, pouco antes de Oban. Siga a A828 para norte, passando por Tralee, para apanhar um pequeno ferry através do Loch Linhe em Corran, depois siga novamente para sul pela A861 e pela A884. As balsas que cruzam para Mull vão de Oban a Craignure e de Lochaline a Fishnish.

MERGULHO E AR: Centro de Mergulho Lochaline. Mergulho de Alquimia em Tralee. Vários barcos diurnos operam em Oban e arredores.

ACOMODAÇÃO: Albergue no Centro de Mergulho Lochaline. Informações Turísticas de Oban.

MARÉS: A shuna pode ser mergulhado em qualquer estado da maré.

COMO ENCONTRAR: As coordenadas GPS são 56 33.433N, 5 54.866W (graus, minutos e decimais). A localização fica a 200 metros da costa e a cerca de 300 metros a sudeste de uma piscicultura. O shuna geralmente é marcado por uma pequena bóia de plástico amarrada perto da chaminé. Caso contrário, é simples procurar paralelamente à costa e recolher os destroços com um ecobatímetro.

LANÇAMENTO: O deslizamento mais próximo é em Lochaline. Mais adiante, há uma série de rampas em Oban e uma rampa em Tralee, onde também é possível lançar pela praia, ou de Mull em Tobermory.

Qualificações: A shuna é mais adequado para Sports Divers ou equivalente e superior.

OUTRAS INFORMAÇÕES: Carta do Almirantado 2390, Som de Mull. Mapa de levantamento de artilharia 47, Tobermory e North Mull. Mapa de levantamento de artilharia 49, Oban e East Mull. Naufrágios de Argyll, de Peter Moir e Ian Crawford. Naufrágios do oeste da Escócia por Bob Baird.

PROS: O naufrágio mais intacto do Sound of Mull.

CONTRAS: Situado fora da corrente principal, o Shuna pode ser um pouco lamacento, principalmente quando há muitos mergulhadores nele.

Obrigado a Tony Jay, Victoria Jay, Tim Walsh, Rachel Locklin e Phil Robertson.

Apareceu em Diver, fevereiro de 2003

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x