Wreck Tour 72: A cidade de Waterford

Excursão aos naufrágios da cidade de Waterford
Excursão aos naufrágios da cidade de Waterford

Um navio a vapor que naufragou em Beachy Head, em Sussex, em 1949, oferece aos mergulhadores algo considerável, fácil de navegar e um pouco fora do comum, diz JOHN LIDDIARD. Ilustração de MAX ELLIS

NO VERÃO PASSADO RECEBI UM CONVITE de Brighton BSAC para mergulhar e montar um Passeio pelos destroços do navio a vapor Cidade de Waterford. Por mais legal que fosse o convite, tive que recusar porque já tinha mergulhado no Tim Bennetto Spartacat, e as Passeio pelos destroços estava no Bolsa”. Então, obrigado ao Brighton BSAC por pensar em mim, e aqui está o acidente.

postes de amarração no convés de proa
Postes de amarração no convés de proa

Nosso passeio neste navio a vapor de 1,334 toneladas começa a bombordo, logo atrás da proa (1), simplesmente porque foi aí que Tim disparou e é um lugar tão bom para começar quanto qualquer outro.

Seguindo para frente ao longo de bombordo, a própria área da proa é marcada por grades intactas (2), atrás dos quais há um par de pequenos postes de amarração no convés. A proa está nivelada, sem castelo de proa elevado. Abaixo das grades, uma fileira de pequenas vigias dá para a proa.

Arredondando a proa, ambas as âncoras estão firmemente no lugar em seus cabos de amarração (3). Vale a pena estudar seu tamanho e formato, pois mais tarde em nosso passeio iremos compará-los com outra âncora. Com maré baixa, o fundo do mar aqui está em 36m, mas há poucos motivos para ir tão fundo neste ponto do mergulho.

Ancorar firmemente em seu tubo de amarração no lado bombordo da proa
Ancorar firmemente em seu tubo de escovilhão a bombordo da proa

De volta ao convés, aos 31m, ambas as correntes de âncora sobem pelos cabos de escora, passam por cima de um pequeno guincho de âncora (4), depois passe pelos buracos no convés até a caixa de corrente abaixo.

O acesso abaixo do convés é protegido por um abrigo curvo, com a escotilha voltada para a popa.

Atrás do cuddy estão a base de um ventilador e um pé de mastro (5), seguido por, assim como você normalmente esperaria que o castelo de proa caísse para o convés principal, a braçola do porão de proa (6). O Cidade de Waterford tinha um convés nivelado em toda a frente, sem castelo de proa na proa.

guincho de âncora
Guincho de âncora

Atrás da espera, chegamos a outra característica incomum. Em vez de um mastro central com torres e guinchos entre os porões, é instalado um par de guindastes, um de cada lado do convés (7). Não consegui decifrá-los na fotografia do arquivo do barco de Tim, então devem ter sido encaixados depois que a fotografia foi tirada.

As lanças do guindaste desabaram, mas as bases giratórias com o mecanismo de enrolamento permanecem intactas e há muito espaço para passar algum tempo descobrindo como todo o maquinário funciona em conjunto.

Atrás dos guindastes, o segundo porão desabou quase até o fundo do mar (8), com apenas algumas costelas em pé. Os porões não são tão grandes e a parte de trás do porão logo é marcada por uma antepara vertical que atravessa os destroços (9).

Parte traseira do guindaste de movimentação de carga
Parte traseira do guindaste de movimentação de carga

Atrás desta antepara está o porão que contém o Cidade de Waterfordsão duas caldeiras. Então, acima da extremidade dianteira das caldeiras, estaria a casa do leme. Isso já se desintegrou há muito tempo, embora uma seção do convés com as escotilhas do ventilador permaneça atravessando os destroços (10).

Talvez seja um sinal da escala de destruição que ocorreu, porque essas escotilhas geralmente correm ao longo do navio, e não através dele. Ou talvez seja outro aspecto incomum do Cidade de Waterfordprojeto.

A caldeira de bombordo está completamente soterrada por destroços, enquanto do outro lado dos destroços a caldeira de estibordo é quebrada por uma grande âncora padrão do Almirantado que a quebrou para revelar os tubos da caldeira. (11).

Tim relata que a superestrutura de aço estava intacta há cerca de 10 anos, e é por isso que sugeri prestar tanta atenção às âncoras do navio anteriormente. Esta âncora é definitivamente de uma época anterior à do naufrágio.

Lado do guindaste de movimentação de carga
Lado do guindaste de movimentação de carga

Uma possibilidade é que tenha sido capturado por uma rede de arrasto em algum lugar e ali jogado por um barco de pesca. Se uma traineira tivesse puxado uma âncora em suas redes, o lugar mais seguro para despejá-la seria em uma área conhecida como um naufrágio.

Considerando a devastação da superestrutura, outra surpresa a bombordo das caldeiras é um elemento favorito do naufrágio, o banheiro, completo com as laterais de seu cubículo (12).

Em seguida vem o motor, uma unidade de expansão tripla suavemente fechada (13), com seu topo intacto devido aos detritos gerais ao longo de ambos os lados, a uma profundidade de cerca de 32m.

Continuando à ré do motor, uma placa de convés nivelada sustenta as bases de dois ventiladores, um de cada lado da linha central (14).

O porão único de popa era servido por um sistema de torre mais tradicional para movimentação de carga. Um mastro colapsado (15) é seguido por um guincho invertido que inclinou um pouco para bombordo (16).

Os destroços permanecem quebrados quase até o fundo do mar do outro lado do porão, com areia acumulada a bombordo. Uma grande parte da rede de arrasto é capturada a bombordo, na parte de trás do porão (17).

um guincho de movimentação de carga mais convencional fica de cabeça para baixo atrás do motor
Um guincho de movimentação de carga mais convencional fica de cabeça para baixo atrás do motor

Na popa, os destroços recuperam subitamente a sua estrutura (18), a popa erguendo-se intacta e vertical do fundo do mar. Seguindo a volta externa do casco, a hélice foi recuperada para deixar apenas o eixo saliente e o leme também faltando (19). O fundo do mar está a 36m, tal como na proa, mas não é necessário ir tão fundo para ver o poço.

Acima da popa, o mecanismo de direção está intacto (20). Em ambos os lados, pequenas escotilhas no convés estão abertas, então o convés é aberto para mostrar as costelas abaixo a bombordo. Todos oferecem bons buracos para olhar, embora sejam um pouco apertados para penetração casual.

Na frente do convés de popa, um grande guincho se estende por quase toda a largura dos destroços (21). É um ponto conveniente para conectar e lançar um DSMB para encerrar o mergulho.

FIM AMARGO DE UM SOBREVIVENTE

Somente em 1946, quando foi vendido pela Clyde Shipping Co, é que o navio de 25 anos Skerries II foi renomeado Cidade de Waterford, escreve Kendall McDonald.

Construído em 1921 na fábrica Caldon Ship & Engineering em Dundee, o Skerries II tinha 82m de comprimento e boca de 11m, movido por motores de três cilindros de tripla expansão com duas caldeiras que lhe davam 196cv. Ela foi trabalhar na rota Liverpool-Waterford, transportando carga geral e 40 passageiros de e para a Irlanda sem problemas.

Na Segunda Guerra Mundial, ela viajou de Cork para Glasgow transportando gado e outros alimentos para aliviar os problemas de racionamento da Grã-Bretanha. Ela estava equipada com uma pequena arma e várias metralhadoras para repelir ataques de submarinos, mas parece ter evitado qualquer contato, apesar dos muitos submarinos no Mar da Irlanda.

O capitão McNeill, entretanto, não teve a mesma sorte com as aeronaves alemãs. Skerries II foi avistado pouco antes do anoitecer em dezembro de 1942, por um Heinkel 111k. Imediatamente montou um ataque de baixo nível com bombas e tiros de metralhadora.

O piloto do bombardeiro alemão pareceu surpreso com a quantidade de fogo devolvido pelo navio e afastou-se bruscamente. No escuro, o capitão McNeill entrou no porto de Rosslare e, mais tarde naquela noite, dirigiu-se para Cork. Por isso, recebeu o MBE. Ele e sua tripulação foram creditados por abater o bombardeiro, embora nenhum destroço tenha sido encontrado.

Em 1946 Skerries II foi comprado pelo armador de Dublin Palgrave, Murphy & Co, que possuía e perdeu vários “Cidade de“navios, e recebeu seu novo nome. Ela foi mantida na Irlanda, mas espalhou seu alcance por muitos portos europeus sob o comando do capitão Donald MacLean.

Em 14 de abril de 1949, o Cidade de Waterford estava indo de Antuérpia para Cork com 1,000 toneladas de carga geral quando se deparou com uma neblina espessa cerca de 12 quilômetros a oeste de Beachy Head.

Infelizmente, naquele mesmo banco de nevoeiro, mas indo na direção oposta, estava um navio muito maior, o marpessa, um navio grego de 5,500 toneladas. Após a colisão, o Cidade de Waterford demorou muito pouco para afundar, mas sua tripulação foi recolhida com segurança.

GUIA TURÍSTICO

CHEGANDO LA: A marina de Brighton fica a leste do centro da cidade, na saída da A259 para Newhaven e Eastbourne. Verifique com os capitães as instruções de carregamento dentro da marina.

MARÉS: A folga é essencial e começa na maré baixa de Brighton ou 30 minutos antes da maré alta em Brighton, durando 30 minutos nas marés vivas e 60 minutos nas marés mortas.

COMO ENCONTRAR: A Cidade de Waterford está localizado a poucos quilômetros de Beachy Head. As coordenadas GPS são 50 40.544N 00 06.676W (graus, minutos e decimais). A proa fica a oeste.

MERGULHANDO: Spartacat, capitão Tim Bennetto, 01273 586445.

AR : Wittering Divers Brighton, 185 Portland Road, Hove, 01273 737718. Centro de mergulho de Newhaven, The Yacht Harbour, West Quay, Newhaven, 01273 612012.

LANÇAMENTO: Os RIBs podem ser lançados no porto de Lossiemouth.

ACOMODAÇÃO: Qualquer coisa, desde acampar até o Grand Hotel. Informação turística.

Qualificações: Mesmo em maré alta, se o mergulhador permanecer fora do fundo do mar e nos destroços é possível cobrir toda a área. Cidade de Waterford sem ultrapassar 35m.

OUTRAS INFORMAÇÕES: Carta do Almirantado 1652, Selsey Bill para Beachy Head. Mapa de levantamento de artilharia 198, Brighton & Lewes, Worthing, Horsham & Haywards Heath. Mergulho em Sussex, de Kendall McDonald. Índice de Naufrágios das Ilhas Britânicas Vol 2, por Richard e Bridget Larn.

PROS: Um bom tamanho para a profundidade, fácil de navegar e uma divergência interessante dos habituais equipamentos de movimentação de carga.

CONTRAS: Em marés altas, depende de um especialista em arremesso de tiro para permanecer dentro do limite para BSAC Sports Divers ou equivalente.

Obrigado a Tim Bennetto e Helen George.

Apareceu em Diver fevereiro de 2005

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x