Tour do Naufrágio 88: O Arfon

O passeio pelo naufrágio de Arfon
O passeio pelo naufrágio de Arfon

Ele não consegue resistir – este mês JOHN LIDDIARD leva-nos numa visita a outra traineira armada, que atingiu uma mina e afundou na costa de Dorset em 1917. Ilustração de MAX ELLIS

NOSSO PASSEIO PELO ARFON COMEÇA A MEIO-NAO em um par de caldeiras que ocupam toda a largura do casco (1). A caldeira de estibordo está amassada na frente como uma lata de cerveja amassada. Talvez quando o arfon afundou, a crescente pressão da água simplesmente o esmagou.

Seguindo para trás, o arfonmotor de expansão tripla superdimensionado (2) fica em pé ao longo da linha central do navio. A engrenagem da válvula do motor (3) preenche a maior parte do espaço do motor até bombordo do casco.

O motor controla.
Os controles do motor

Assim como o motor, o mancal de impulso (4) é igualmente superdimensionado. Uma traineira precisa de potência suficiente para mover o casco e as redes que está rebocando, e o mancal de impulso transfere o impulso para frente dessa potência do eixo da hélice para o casco.

Do mancal de impulso, a primeira seção do eixo da hélice ainda está encerrada em um túnel em arco. Um guincho (5) caiu a bombordo, com uma extremidade apoiada no túnel do eixo da hélice e a outra apoiada nas costelas do casco.

Após a primeira seção do túnel, o restante do eixo da hélice fica desprotegido (6), apoiado exposto em seus blocos de apoio e intacto até a popa.

A hélice
A hélice

A própria popa caiu para bombordo. Acima dele, o mecanismo de direção está intacto no topo do poste do leme (7). Seguindo o poste para baixo, o leme (8) fica plano contra o fundo do mar a 35m. A hélice (9) está parcialmente enterrado, suas lâminas inferiores intactas enquanto a superior está quebrada.

Como a maioria dos naufrágios na área, o arfon é o lar de um enorme cardume de beicinhos e de alguns escamudos. Quando mergulhei, tive que afastá-los do caminho para conseguir água limpa o suficiente para poder fotografar a popa.

Permanecendo a estibordo enquanto avança novamente, nivelado com a torre de propulsão curva do barco (10) caiu no espaço do bunker que ocupa a maior parte do casco a estibordo do motor.

Uma antepara longitudinal separa o espaço do bunker do motor e ainda mantém alguns restos de carvão no lugar. Logo a estibordo, uma seção do convés com a escotilha do bunker (11) repousa no fundo do mar.

O guincho de arrasto Arfons.
Guincho de arrasto

Além das caldeiras, a bitácula da direção (12), completo com os restos da roda, repousa a estibordo no corpo principal dos destroços.

O convés à frente daqui desabou no fundo do mar, mas permanece razoavelmente intacto, com a braçola de porão (13) seguido por um conjunto de guinchos que abrangem toda a largura do convés (14). O mastro que teria sustentado as torres associadas caiu para frente e para bombordo.

Uma traineira armada deveria ser exatamente isso – armada – e os locais mais prováveis ​​para uma arma seriam no convés de proa ou na popa. Infelizmente, você não verá uma arma no arfon, porque foi perdido nos bancos Lulworth durante uma tentativa fracassada de salvá-lo há vários anos.

A caldeira de estibordo
Caldeira de estibordo

A arfon tinha apenas um apoio para a frente, então nosso passeio está quase na proa. A proa em si está intacta o suficiente para ficar a alguns metros do fundo do mar e caiu para estibordo. Logo atrás dele, um fuso do guincho da âncora repousa no convés (15).

Movendo-se ao redor da proa, logo a estibordo, uma das âncoras fica na borda do fundo do mar (16). Então, à frente da âncora, está o corpo principal do guincho-âncora (17).

Acima dele, no convés de proa, a base do guincho (18) parece que poderia ser uma fundição integrada com os pescoços dos hawse-pipes.

A âncora
A âncora

A parte final do naufrágio é a ponta de aço mais resistente da proa, que se eleva do convés até terminar alguns metros acima do fundo do mar. (19). Permanecendo na corrente, é um local privilegiado para anêmonas.

A arfon é um naufrágio ideal para a profundidade. Pequeno o suficiente para ser visto em um mergulho sem parar, ainda é complexo o suficiente para justificar um mergulho mais longo para aqueles preparados para fazer um pouco de descompressão. Reposicionar o tiro deve ser bastante fácil, proporcionando uma subida preguiçosa para quem não tem paradas.

Se houver descompressão, um SMB retardado é geralmente a melhor opção, porque a água parada acabará em breve e a maré aumentará a tal ponto que pendurar-se em uma linha de tiro não será mais a maneira mais fácil de descomprimir.

TRILHA DA FORCA

Quando o arfon foi construído em 1908 em Goole para a Pattern Steam Trawling Co de Milford, no Sul de Gales, e foi projetado para pesca de arrasto, não para a guerra. Navio de aço de 227 toneladas, 36m de comprimento, boca de 6m e calado de 3m. Tal como as suas irmãs, trabalhou arduamente na pesca quase todos os dias até ao início da Primeira Guerra Mundial. escreve Kendall McDonald.

A Marinha o requisitou quase imediatamente, equipou-o com uma arma e o colocou para trabalhar ainda mais. Ele estava baseado em Portland com vários outros arrastões de seu tipo, e sua principal tarefa era varrer as minas alemãs colocadas pelos submarinos lançadores de minas da classe UC nas rotas marítimas costeiras ao largo de Dorset.  arfon varreu minas por quase três anos.

Em 30 de abril de 1917, foi direcionado para um campo suspeito de minas, cerca de 1.5 quilômetros ao sul de St Alban's Head. Tenente Edward McKeown, comandando outro varredor de Portland, Vera Graça, se juntou ao arfon varrer a área onde arfon já havia detonado uma mina.

Ele disse que o arfon tinha três vigias no castelo de proa, mas salientou que, embora o mar fosse plano e a água límpida, a luz reflectida do sol para onde se dirigiam tornava impossível ver muito abaixo da superfície.

Ao chegarem a uma área marcada por muitos peixes mortos, houve uma explosão quase sob o Arfon's proa, e nuvens de fumaça cobriram a embarcação.

arfon emergiu de proa e afundando rapidamente. O marinheiro Walter Gleeson disse mais tarde que pensou que a mina explodiu sob a “forca” de estibordo, uma estrutura perto da proa para armazenar mastros sobressalentes e equipamentos do barco.

Ele viu o cozinheiro James Doy sair correndo da cozinha, pegar um colete salva-vidas e pular no mar. Outro homem também saltou, mas estava mais perto da popa e a hélice o pegou, matando-o na hora. Gleeson saltou e foi arrastado para baixo pelo navio, que ele estimou estar em um ângulo de 70°, com a hélice ainda girando alto no ar.

Ele foi resgatado por um barco do Vera Graça, que já tinha a bordo o marinheiro líder Mike Mcintyre e o sinaleiro George White. Eles foram os únicos sobreviventes do arfon, que afundou em menos de um minuto, levando consigo seu capitão e os outros oito tripulantes.

Os mergulhadores que procuravam não conseguiram encontrar os destroços até 1999, quando foram descobertos XNUMX quilômetros ao sul de Worbarrow Tout.

GUIA TURÍSTICO

CHEGANDO LA: Para Weymouth, siga a A37 ou A354 para Dorchester, depois a A354 para Weymouth e depois para Portland via Chesil Beach, virando à esquerda para o antigo estaleiro de Castletown quando a estrada começa a subir a colina para Portland. O Breakwater Diving está localizado no Hotel Aqua, à esquerda ao chegar a Castletown.

MARÉS: A água parada ocorre 2.5 horas antes e 3.5 horas depois da maré alta em Portland.

COMO ENCONTRAR: As coordenadas GPS são 50 29.844N, 002 10.445W (graus, minutos e decimais). Os destroços encontram-se parcialmente através da maré, com a proa logo a oeste ou norte.

MERGULHO, AR E ALOJAMENTO: Centro de mergulho quebra-mar, Portland 01305 860269, Mergulho em Dorset, Visita Hotel Aqua.

LANÇAMENTO: Os boletos estão disponíveis em Weymouth, Portland e Kimmeridge. Taxas de porto e lançamento são pagas.

Qualificações: Adequado para mergulhadores desportivos que fazem mergulhos sem paragens e a uma profundidade ideal para prolongar o tempo de fundo com uma mistura nitrox.

OUTRAS INFORMAÇÕES: Carta do Almirantado 2610, Bill de Portland para Anvil Point. Mapa de levantamento de artilharia 194, Dorchester, Weymouth e arredores. Mergulho em Dorset por John e Vicki Hinchcliffe. Naufrágios do canal da Primeira Guerra Mundial por Neil Maw. Índice de Naufrágios das Ilhas Britânicas, Volume 1 por Richard e Bridget Larn. Informações Turísticas de Weymouth, 01305 785747.

PROS: Outra traineira armada muito legal (embora sem arma).

CONTRAS: Um pequeno naufrágio, não serão necessários muitos mergulhadores para que pareça lotado.

Obrigado a Andy Lawrence e David Aplin.

Apareceu no DIVER junho de 2006

Outras excursões aos naufrágios de Dorset na Divernet: Céu Eólico, Alex Van Opstal, Elena R, Embarcação de desembarque, unidade Bombardon e isqueiro VIC, P555

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x