Tour do Naufrágio 94: O San Tiburcio

O passeio pelo naufrágio de San Tiburcio
O passeio pelo naufrágio de San Tiburcio

Este navio-tanque armado afundado na Segunda Guerra Mundial em Moray Firth é um ótimo passeio para clubes, diz JOHN LIDDIARD. Ilustração de MAX ELLIS

UM GRANDE DESAPARECIMENTO E CONVENIENTEMENTE DIVIDIDO AO MEIO, São Tibúrcio é frequentemente explorado como dois mergulhos separados – um primeiro mergulho na parte de popa ligeiramente mais profunda e um segundo na parte de proa mais rasa.
Bem, você poderia mergulhar assim.

Existem bóias fixadas em cada parte. Mas também existe uma linha convenientemente amarrada entre os dois, colocada para auxiliar quem quer mergulhar tudo de uma vez. Como eu.

Então, nossa longa turnê pelo São Tibúrcio começa na extremidade norte das duas bóias, descendo para bombordo do naufrágio logo após o rompimento (1), sendo a profundidade do convés um pouco inferior a 30m.

Na lateral do convés há um par de pequenos cabeços, depois para dentro da linha central da casa de bombas do convés (2) forma uma pequena ilha na passarela que ficava acima do convés da proa à popa.

À frente da ilha falta a passarela, mas à ré ela se estende até o ponto onde a popa foi explodida e quebrada (3).

Em 1989, uma equipe de mergulhadores da Marinha usou explosivos para abrir a popa e recuperar a munição da arma. Talvez tenham exagerado na quantidade de explosivos, ou talvez a explosão apenas tenha enfraquecido a estrutura da nave o suficiente para que a natureza e a gravidade fizessem o resto. De qualquer forma, toda a área da casa de máquinas do São Tibúrcio está devastado.

O canhão de 4 polegadas está parcialmente obscurecido entre os destroços a bombordo (4), com o suporte da arma tombado logo atrás (5).

Conchas abaixo de onde ficava o suporte da arma no San Tiburcio
Conchas abaixo de onde ficava o suporte da arma no San Tiburcio

À popa novamente, e um par de grandes cabeços (6) marca o início da parte curva da popa. A estrutura mais forte da popa manteve alguma integridade no convés e no casco. Mesmo assim, a sua ligação ao resto do navio foi enfraquecida ao ponto de este ter caído para bombordo, com o convés a tocar o fundo sedimentar do mar a 35m.

O colapso empurrou o poste do leme e o quadrante de direção para fora de posição (7). Seguindo a curva da popa, o lado superior (estibordo) sobe 3 ou 4m acima do fundo do mar, antes de quebrar novamente na antepara da casa das máquinas (8).

A equipe da Marinha não fez um trabalho tão completo de remoção dos projéteis, porque vários podem ser encontrados descansando em uma placa de convés nivelada à ré da casa de máquinas, um pequeno display criado por mergulhadores. (9).

Na extremidade dianteira da casa das máquinas (10), São TibúrcioAs caldeiras só são visíveis entre os escombros se uma luz de mergulho for colocada no buraco direito.

Nossa rota agora volta acima do convés principal (11), lotado de tubulações e escotilhas para os tanques de óleo. Ao longo do lado de estibordo, o convés continua para frente, passando por um par de pequenos cabeços correspondentes ao local onde a bóia está fixada a bombordo e, em seguida, para um par de cabeços muito maior. (12).

Este é o ponto para voltar ao bombordo e subir a linha da bóia, se fizer o naufrágio em dois mergulhos.

Para continuar até a proa, a ruptura ao longo do lado de bombordo do casco deve ser seguida quase até o fundo do mar, onde uma linha desemboca na escuridão. (13). O cabo sobe ligeiramente e, a cerca de 20 m de distância, a outra extremidade é amarrada à parte dianteira dos destroços, logo abaixo do nível do convés principal e a bombordo do cabo central. (14).

A São Tibúrcio quebrou em dois à ré da superestrutura a meia-nau. O convés da casa do leme conecta o convés principal na mesma altura da passarela, deixando uma bela passagem ao longo do convés principal abaixo (15). Para quem divide o São Tibúrcio em dois mergulhos, é fácil descer a bóia na proa e seguir a passarela elevada até o retorno para voltar ao nosso passeio.

A parte superior da superestrutura decaiu até não passar de uma moldura. A bombordo, um par de torres pende onde um barco foi lançado (16). As torres correspondentes a estibordo caíram para descansar no convés (17).

A engenharia essencial dos petroleiros é mais evidente e intacta à frente da superestrutura.

Abaixo do convés, o casco é subdividido em uma grade de tanques, suas localizações marcadas por uma grade correspondente de escotilhas no convés. Alguns deles ainda estão cobertos, enquanto outros estão abertos, embora não faça muito sentido se aventurar dentro dos tanques abertos.

Passando o primeiro conjunto de escotilhas, a passarela central atravessa uma pequena casa de bombas (18), então a rede de tubos e válvulas que cobre o convés se junta a um conjunto de tubos transversais para carga e descarga (19).

Com o casco subdividido em muitos tanques independentes, o projeto de um navio-tanque poderia ter uma borda livre muito mais baixa do que um navio de carga seca, deixando o convés principal próximo à água e muitas vezes inundado em mar agitado.

Assim, a passarela em palafitas do petroleiro vai da proa à popa, proporcionando um meio seguro para a tripulação caminhar entre o castelo de proa, a casa do leme e os motores na popa. A passarela (20) está intacto por todo o caminho à frente.

O mastro dianteiro (21) sobe para a lateral da passarela, quebrada alguns metros mais acima. Com uma viga de mais de 16m, é difícil dizer qual está descentralizado para dar espaço ao outro. Abaixo da passarela, um pequeno guincho de carga auxilia o mastro na manutenção de um porão seco (22).

A passarela termina em degraus até o convés principal atrás do porão. Escondido embaixo está um par de âncoras sobressalentes.

A âncora sobressalente
Ancho sobressalenter

No convés a estibordo, uma forma de lágrima alongada com uma cauda com barbatanas é um drone varredor de minas ou “peixe”. (23). A cauda com barbatanas é quebrada e fica logo atrás do corpo principal do drone. Um segundo peixe quebrado de forma semelhante pode ser encontrado a bombordo do convés (24).

Os peixes teriam sido lançados em longos cabos desde a proa, arrastando-se para ambos os lados do navio.
Qualquer mina encontrada que não atingisse a proa deslizaria até a extremidade dos cabos e detonaria contra os peixes descartáveis.

Se implantados, eles poderiam muito bem ter salvado o São Tibúrcio da mina que atingiu a meia-nau. Mas o petroleiro viajava por um canal varrido e supostamente seguro. As minas não eram esperadas, então os peixes varredores de minas não foram mobilizados. Em 4 de maio de 1940, o São Tibúrcio atingiu uma mina no meio do navio e se partiu em duas.

Passando pela borda da proa, uma linha de vigias vazias é quase obscurecida pelos dedos dos mortos. (25). No convés, pares de grandes cabeços emolduram o guincho da âncora (26).

Na proa, a âncora e a corrente de bombordo se espalharam e repousam no fundo do mar (27). A âncora de estibordo permanece firme em seu tubo de escovilhão.

Finalmente, a bóia é fixada bem na proa. Sem nenhuma corrente a considerar, é fácil seguir o alinhamento e aguardar qualquer descompressão.

MEIO, MAS LENTO PARA MORRER

A mina alemã explodiu, partindo o petroleiro em dois, como se tivesse sido partido por
um machado gigante de bombordo até estibordo. Surpreendentemente, embora toneladas de água do mar tenham inundado este corte de 16 m, quebrando-lhe as costas, as duas metades do corte de 126 m São Tibúrcio permaneceu à tona por mais de meia hora, escreve Kendall McDonald.

O capitão William Fynn aproveitou a flutuabilidade fornecida por seus tanques selados, que continham 2,193 toneladas de óleo combustível quando ela partiu de Scapa Flow para Invergordon em Cromarty Firth, e colocou toda a sua tripulação, ilesa, nos barcos.

Eles esperaram e finalmente viram o São Tibúrcio afundar. As seções afundaram, mas se sucederam em instantes. A seção da proa foi estimada por Rod Macdonald, o mergulhador escocês que a visitou muito antes do boom em “San Tib”mergulho na década de 1970, com cerca de 49m de comprimento e situado de norte a sul, curvando-se para sul. A seção de popa de 78m fica a cerca de 30m de distância e perpendicular à proa.

A São Tibúrcio afundou na manhã de 4 de maio de 1940, mas a mina, uma das oito, esperou quase três meses por uma vítima desde que foi colocada U9, comandado pelo homem que ficou em segundo lugar na lista dos ases dos submarinos alemães da 2ª Guerra Mundial. Korvettenkapitan Wolfgang Luth afundou 43 navios aliados totalizando 225,713 toneladas, superado apenas por Otto Kretschmer, que afundou 44 navios de 266,629 toneladas.

A São Tibúrcio foi construído em 1921 pela Standard Shipbuilding Corporation of New York para a Eagle Oil and Shipping Co, e foi registrado em Londres em 12 de março de 1921.

A Eagle Fleet foi criada em 1912 pelo primeiro Visconde Cowdray. Seus navios-tanque transportaram petróleo mexicano durante anos de expansão e recessão.

No início da guerra o São Tibúrcio foi requisitado pelo Ministério dos Transportes de Guerra e equipado com um grande canhão de popa. Ela foi a primeira vítima de guerra da Eagle Fleet, mas 16 de seus navios-tanque foram perdidos pela ação inimiga na 2ª Guerra Mundial e mais sete gravemente danificados.

GUIA TURÍSTICO

MARÉS: Há pouca corrente em qualquer estado da maré.

COMO ENCONTRAR: A São Tibúrcio fica apontando aproximadamente para o sul, posição GPS 57 46.553N, 00 345.616W (graus, minutos e decimais). Os destroços aparecem como enormes em um ecobatímetro.

MERGULHO E AR: Moray Mergulho, Top Cat, capitão Bill Ruck, 01309 690421, 07775 802963.

ACOMODAÇÃO: Verifique com Aberdeen e Grampian Tourist Board, escritório de Elgin, 01343 542666.

Qualificações: Adequado para Águas Abertas Avançadas/Mergulhador Esportivo.

LANÇAMENTO: Os RIBs podem ser lançados no porto de Lossiemouth.

OUTRAS INFORMAÇÕES: Carta do Almirantado 115, Moray Firth. Carta do Almirantado 222, Roteiro Buckie-Fraserburgh. Carta do Almirantado 223, Dunrobin Point para Buckie. Mapa de levantamento de artilharia 28, Elgin e Dufftown. Mergulhe nos maiores naufrágios da Escócia por Rod Macdonald.

PROS: Um excelente clube de mergulho com algo para todos os níveis de experiência.

CONTRAS: As condições da superfície podem ser nebulosas.

Obrigado a Bill Ruck, John Leigh e Tim Walsh.

Apareceu no DIVER dezembro de 2006

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x