Resgate na caverna tailandesa: o giz, o queijo

Crítica literária

Resgate na caverna tailandesa: o giz, o queijo

Os Garotos da Caverna, de Matt Gutman, e A Caverna, de Liam Cochrane

0319 revisão tailandesa cave2

EM JUNHO DE 2018 um dramático resgate em uma caverna começou na Tailândia e chamaria a atenção em todo o mundo.

Ao chegar a uma conclusão milagrosa, era inevitável que livros e filmes seguissem.

Fiquei surpreso quando os dois primeiros livros sobre o assunto foram enviados para revisão em dezembro, menos de cinco meses após o encerramento do evento.

Lançar um livro nessa época – uau!

O primeiro a aparecer na caixa de correio foi intitulado The Boys In The Cave, do jornalista norte-americano Matt Gutman.

O segundo, algumas semanas depois, foi The Cave, de Liam Cochrane.

Fiquei impressionado com o fato de ambos os trabalhos serem derivados da mesma editora – HarperCollins.

O folheto anexo para revisores deu o mesmo contato para ambos os livros. Eu os li na ordem em que foram recebidos.

The Boys In The Cave foi legendado Deep Inside The Impossible Rescue In Thailand. Minha reação instantânea foi que, embora fosse de capa dura, o livro parecia barato e cafona.

A imagem da capa, mostrando dois mergulhadores distantes em um túnel, era ruim; a palavra excessivamente sensacionalista.

Dado o curto período de tempo dedicado à preparação deste livro, fiquei genuinamente interessado, mas cínico quanto ao que ele ofereceria.

Mal o tinha aberto quando um erro grosseiro me apareceu na página Conteúdo. O capítulo 13 foi intitulado The Wet Mulles. Referia-se à equipe australiana de mergulhadores conhecida corretamente como Wet Mules.

Na página 1. Notei imediatamente que meu amigo, o mergulhador britânico John Volanthen, tinha seu nome escrito incorretamente. Ao longo do livro, e estamos falando centenas de vezes, o nome de John estava consistentemente incorreto.

Na página 3, minha atenção foi atraída pela falta de compreensão de Gutman sobre os principais mergulhadores de resgate. Ele se referiu a eles como “naturalmente pessimistas”.

Esta falta de conhecimento das pessoas envolvidas, e a simples falta de compreensão sobre espeleologia/mergulho em cavernas, iria surgir repetidamente.

A pesquisa histórica sobre o assunto mais amplo foi pobre. Uma declaração como “No entanto, nos últimos 90 anos, mais de 130 pessoas só da Grã-Bretanha morreram mergulhando em cavernas” era um exagero grosseiro e indesculpável, uma hipérbole totalmente grosseira (esse número deveria ser menos de 25!).

Apareceu no DIVER março de 2019

Foi igualmente evidente that Gutman had a very poor grasp of the cave environment. The factual errors, the product of hasty compilation, just kept appearing. Knowledge of diving was laughable: he refers, for example, to having “steel O-rings at either end” of containers to ensure that they are waterproof!

Mais uma vez, ao relatar o resgate que Rick Stanton e Jason Mallinson realizaram no México, em 2004, somos informados de que: “Seis soldados agarraram-se a uma saliência acima de um rio subterrâneo com relativo conforto…” É claro que não se pode deixar a verdade entrar. o caminho de uma boa história.

E na página seguinte, um incidente envolvendo a perda de um importante mergulhador de cavernas francês é dramatizado de forma semelhante – incorretamente.

Alguns toques de humor, como a descrição de Rick Stanton entrando na caverna e mergulhando com uma câmara de ar de um carro velho amarrada nas costas, foram envolventes, assim como o comentário de John Volanthen sobre o mesmo equipamento: “Você vai parecer um galo.”

Tendo criticado a péssima “corrida às estantes” demonstrada por Gutman, eu estava adequadamente preparado sobre o que procurar no livro de Liam Cochrane, The Cave.

The cover, an image of the Wild Boars football team gathered at the surface, was altogether more attractive from my perspective than that used for the Gutman book, but unfortunately the image on the back cover was confusing and would better have been left out altogether.

As with the other book, more than 40 images were used inside.

Depois disso, e apesar do fato de os dois autores serem ambos correspondentes de notícias e o formato de cada livro ser essencialmente o mesmo, ficou rapidamente aparente que suas respectivas ofertas eram como giz e queijo.

A escrita de Cochrane era fácil de ler e fluía naturalmente. O livro de Gutman destinava-se claramente ao público americano, utilizando alguns termos que nós, no Reino Unido, talvez tenhamos dificuldade em compreender.

Da mesma forma, todas as suas distâncias foram citadas em pés, jardas e milhas, enquanto Cochrane usa métricas, o que parece muito melhor num contexto de mergulho em cavernas.

Eu estava procurando erros em The Cave, mas encontrei poucos. O livro tinha 337 páginas e parecia-me evidente que aquelas poucas semanas extras gastas na produção tinham sido cruciais.

Comentário final: A Caverna é de longe o melhor livro, em todos os aspectos.

Os meninos na caverna:

William Morrow
ISBN 9780062909916
Capa dura, 307 pp, 16 x 23 cm, £ 20

A caverna:

Livros ABC
ISBN 9780733340130
Capa mole, 337pp, 15x23cm, £ 15.99

Resenha de Martyn Farr

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x