Grandes nomes apoiam campanha de respeito aos tubarões

NOTÍCIAS DE MERGULHO

Grandes nomes apoiam campanha de respeito aos tubarões

BBMG WEB

 Os apresentadores de TV Steve Backshall e Hugh Fearnley-Whittingstall juntaram-se a Wendy Benchley, viúva do criador de Tubarão, Peter Benchley, no apoio à demanda por jornalismo responsável sobre tubarões pela instituição de caridade britânica Bite-Back Shark & ​​Marine Conservation.

Décadas de manchetes rotulando os tubarões como “monstros”, “assassinos” e “bestas” criaram um clima de medo e ódio que está frustrando as iniciativas de conservação dos tubarões, diz Bite-Back, que acaba de produzir um conjunto de diretrizes para reportagens na mídia. de encontros com tubarões.

Uma pesquisa recente revelou que 46% das pessoas na Grã-Bretanha consideram os tubarões mais assustadores do que aranhas, cobras e roedores juntos – e que 64% prefeririam que eles não existissem.

11 agosto 2018

“Chegou a hora de os jornalistas compreenderem como estas manchetes sensacionais e falsidades estão a perpetrar um ódio aos tubarões que justifica o seu massacre sem limites”, disse Backshall. “Como tal, penso que a mídia é cúmplice de um dos maiores extermínios deliberados da história do nosso planeta.”

As populações de espécies-chave de tubarões, incluindo o tubarão-branco, o tubarão-martelo, o galha-branca oceânica e o debulhador, caíram 90% nos últimos 60 anos. A Bite-Back afirma que cerca de 73 milhões de tubarões são abatidos todos os anos, estando a Grã-Bretanha entre as 25 principais nações pesqueiras de tubarões do mundo.

No entanto, apesar das constantes referências ao “terrorismo” nos meios de comunicação social, normalmente apenas seis pessoas por ano em todo o mundo morrem devido a encontros com tubarões, afirma a instituição de caridade, que salienta que os cães matam cerca de 25,000 pessoas, enquanto as vacas britânicas matam mais pessoas todos os anos do que todos os tubarões no mundo. o mundo.

“Os tubarões estão recebendo uma má publicidade que simplesmente não merecem”, disse o chef e ativista Hugh Fearnley-Whittingstall. “Décadas de manchetes sensacionais retiraram aos tubarões o seu estatuto de espécie marinha vital e muitas vezes deixaram o público assustado por pouca razão.

“Eu apreciaria qualquer medida da mídia para denunciar de forma justa os tubarões, em vez de usar legendas cansativas e imprecisas de clickbait.”

Bite-Back também obteve o apoio da embaixadora oceânica Wendy Benchley, cujo falecido marido é frequentemente citado como o principal culpado pela demonização dos tubarões.

“Embora o cinema seja um local de entretenimento, os jornais e os canais de mídia são um local de fatos”, disse ela. “Durante demasiado tempo, a imprensa confundiu as fronteiras entre facto e ficção e escapou ao reportar tubarões como monstros devoradores de homens, quando isso simplesmente não é verdade.

“Acredito que esta representação constante dos tubarões como bandidos, em vez de heróis do oceano, está dificultando os esforços de conservação dos tubarões.”

“Nenhuma outra criatura neste planeta é descrita com linguagem inflamatória destinada a espalhar medo, pânico e ódio”, disse o diretor da campanha Bite-Back, Graham Buckingham. “Como resultado, a mera presença de um tubarão no mar gera manchetes sensacionais e que chamam a atenção.

“Estamos ansiosos para trabalhar com a imprensa e chegar a um ponto em que os encontros com tubarões sejam relatados de forma precisa e justa e de uma forma que não coloque em risco o nosso planeta azul.”

Para qualquer leitor da Divernet que queira lembrar aos meios de comunicação ofensores a prática responsável de reportar histórias de tubarões, as novas Diretrizes para os Meios de Comunicação Social de 15 páginas da Bite-Back podem ser descarregadas Aqui.

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x