Batimentos cardíacos de baleia azul surpreendem cientistas

NOTÍCIAS DE MERGULHO

Batimentos cardíacos de baleia azul surpreendem cientistas

Baleia Azul X.jpg

Colocando a etiqueta. (Foto: Goldbogen Lab / Duke Marine Robotics & Remote Sensing Lab)

Os corações das baleias azuis estão a trabalhar no seu limite – o que pode explicar porque é que a espécie nunca evoluiu para ser ainda maior do que é hoje. Eles também batem muito mais rápido do que o esperado na superfície e consideravelmente mais lentos enquanto se alimentam em profundidade.

Estas são as conclusões depois de investigadores norte-americanos terem conseguido monitorizar pela primeira vez a frequência cardíaca das maiores espécies da Terra na natureza.

The scientists, from Stanford University and Scripps Institution of Oceanography at University of Califórnia, tagged a blue whale with an array of sensors, using suction cups containing electrodes.

“Animais que operam em extremos fisiológicos podem nos ajudar a compreender os limites biológicos do tamanho”, disse Jeremy Goldbogen, de Stanford, principal autor do estudo. “Eles também podem ser particularmente suscetíveis a mudanças no seu ambiente que podem afetar o seu abastecimento alimentar. Portanto, estes estudos podem ter implicações importantes para a conservação e gestão de espécies ameaçadas como as baleias azuis.”

Goldbogen e Paul Ponganis, do Scripps, os primeiros da equipe a identificar os batimentos cardíacos nos dados baixados, já haviam medido a frequência cardíaca de pinguins-imperadores mergulhadores na Antártica e, durante uma década, questionaram-se se poderiam fazer o mesmo com as baleias.

“Sinceramente, pensei que era um tiro no escuro porque tínhamos que acertar muitas coisas: encontrar uma baleia azul, colocar a etiqueta no local certo na baleia, um bom contato com a pele da baleia e, claro, garantir que o tag estava funcionando e registrando dados”, disse Goldbogen.

No final das contas, os cientistas conseguiram fixar a etiqueta na primeira tentativa – e tiveram a sorte de que mais tarde ela deslizou para uma posição próxima à nadadeira esquerda, de onde poderia detectar os batimentos cardíacos.

Os dados baixados surpreenderam a equipe de pesquisa. Quando a baleia mergulhou, a sua frequência cardíaca diminuiu, atingindo um mínimo médio de 4-8 batimentos por minuto – com um mínimo de 2bpm.

No final de um mergulho em busca de alimento, onde a baleia investiu e consumiu a presa, a frequência cardíaca aumentou para cerca de 2.5 vezes o mínimo antes de diminuir lentamente novamente.

28 Novembro de 2019

Assim que a baleia começou a emergir, sua frequência cardíaca aumentou, com a frequência mais alta de 25 a 37 bpm ocorrendo na superfície enquanto a baleia respirava para restaurar os níveis de oxigênio. Esta foi uma frequência mais alta do que o previsto, assim como a frequência cardíaca mais baixa foi 30-50% menor do que o esperado.

Os investigadores pensam que as taxas elevadas podem depender de subtilezas no movimento e na forma do coração, que impedem que as ondas de pressão de cada batimento perturbem o fluxo sanguíneo. Eles atribuem as taxas surpreendentemente baixas em profundidade a um arco aórtico elástico que se contrai lentamente para manter o fluxo sanguíneo adicional entre os batimentos.

Os pesquisadores estão agora adicionando mais recursos à etiqueta, incluindo um acelerômetro, para ajudá-los a entender melhor como diferentes atividades afetam a frequência cardíaca. Eles também querem experimentar nadadeira, baleias jubarte e baleias minke.

Suas descobertas foram publicadas em Proceedings of the National Academy of Sciences.

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x