Corpos encontrados em destroços de ‘folhas caídas’

NOTÍCIAS DE MERGULHO

Corpos encontrados em destroços de ‘folhas caídas’

Ventnor

Alega-se que os restos mortais de centenas de pessoas foram localizados num naufrágio de 120 anos ao largo da Nova Zelândia – mas os documentaristas que os encontraram sabiam que já estavam mortos há muito tempo quando o navio afundou em 1902. 

A descoberta provocou agora uma discussão sobre sensibilidades culturais.

Os restos mortais dos trabalhadores imigrantes chineses foram localizados por uma câmera montada em ROV explorando os destroços do Ventnor no Mar da Tasmânia, a 13 quilômetros da Ilha Norte. O naufrágio mais profundo da Nova Zelândia já visitado por mergulhadores, encontra-se a uma profundidade de 147 m.

O navio a vapor de 105 metros foi construído em Glasgow em 1901 e fretado em Outubro seguinte para o repatriamento em massa dos corpos de cerca de 500 homens chineses, na sua maioria mineiros de ouro, para o sul da China. Tinham contribuído para um fundo comunitário para cobrir os custos do regresso a casa quando morressem, a fim de estarem perto das suas famílias, como dita a cultura chinesa. 

Os corpos foram desenterrados de 40 cemitérios e carregados no Ventnor, que também transportava carvão e outras cargas ao sair de Wellington, mas o navio nunca chegou à China.

Atingiu um recife e, ao tentar chegar a Auckland para reparos, afundou no Hokianga Bar. O capitão e 12 tripulantes morreram quando o barco salva-vidas virou, embora o resto da tripulação tenha conseguido chegar à costa.

Em 2013, um ROV que investigava uma marca de ecobatímetro obteve imagens que permitiram que o naufrágio fosse positivamente identificado como o Ventnor. No ano seguinte, mergulhadores técnicos realizaram uma série de mergulhos desafiantes e recuperaram artefactos, embora os restos mortais tenham permanecido escondidos. 

26 de Junho de 2020

Além da profundidade extrema, as condições climáticas e do mar tornaram o mergulho nos destroços difícil e perigoso. Explorar o que era considerado um túmulo também era considerado culturalmente sensível. 

A Heritage New Zealand declarou o Ventnor um sítio arqueológico protegido para evitar mergulhos não autorizados, e a Associação Chinesa da Nova Zelândia (NZCA) assumiu o projeto de patrimônio, trabalhando em estreita colaboração com as comunidades locais.

Com a notícia de que os restantes corpos foram localizados, a NZCA manifestou agora preocupação pelo facto de os documentaristas que afirmam tê-los encontrado e filmado em Maio não a terem mantido informada, e disse à imprensa que “a história não é o filme -fabricantes para contar”. 

A Definitive Productions, com sede em Auckland, está trabalhando em um documentário sobre o Ventnor história chamada Folhas Caídas, cujo título se refere a um provérbio chinês: “As folhas que caem retornam às suas raízes”.

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x