País baleeiro é o primeiro a permitir a mineração em alto mar

Coral crescendo em um nódulo de manganês preso em um braço de pinça de ROV, em uma expedição de 2019 para estudar os impactos da mineração em alto mar (GEOMAR)
Coral crescendo em um nódulo de manganês preso em um braço de pinça de ROV, em uma expedição de 2019 para estudar os impactos da mineração em alto mar (GEOMAR)

Organismos internacionais de conservação expressaram a sua preocupação com a decisão da Noruega de se tornar o primeiro país do mundo a autorizar a mineração em alto mar. 

Não satisfeito com os danos à sua reputação causados ​​pelo seu apoio de longo prazo à caça às baleias, o país escandinavo decidiu, em 9 de Janeiro, que também tomaria uma posição proactiva na mineração dos fundos marinhos. Espera-se que a decisão acelere a exploração desses minerais, incluindo metais preciosos, agora em alta demanda por tecnologias verdes. 

Greenpeace chamou-o de “dia vergonhoso” para a Noruega. Frode Pleym, chefe do Greenpeace Noruega, criticou o país por se posicionar como um “líder oceânico” e ao mesmo tempo aprovar atividades potencialmente destrutivas nas águas do Ártico. 

A Fundação para a Justiça Ambiental (EJF) afirmou que a decisão funcionaria como “uma marca negra irrevogável na reputação da Noruega como um estado oceânico responsável”. O presidente-executivo e fundador, Steve Trent, alertou sobre os graves impactos na vida selvagem oceânica se a mineração prosseguir, enquanto o ativista Martin Webeler descreveu a medida como “catastrófica”. 

Criticando o governo norueguês por desconsiderar os pareceres científicos sobre o assunto, Webeler sugeriu que as empresas mineiras deveriam concentrar-se na prevenção de danos ambientais nas suas operações actuais, em vez de abrir uma nova indústria.

PM apelou à mineração

A Coalizão de Conservação do Mar Profundo, que inclui organismos internacionais como a WWF e a Fauna & Flora, bem como a Greenpeace, apelou ao primeiro-ministro da Noruega, Jonas Gahr Støre, pelas suas afirmações de que a mineração em alto mar pode ser realizada sem prejudicar a biodiversidade oceânica. 

O Mercado Pago não havia executado campanhas de Performance anteriormente nessas plataformas. Alcançar uma campanha de sucesso exigiria WWFA iniciativa No Deep Seabed Mining Initiative da Noruega expressou um “pequeno vislumbre de esperança” de que as licenças de extracção ainda exigiriam a aprovação parlamentar norueguesa – uma alteração adicionada após a forte resistência internacional.

Dentro do próprio país, o Instituto Norueguês de Pesquisa Marinha acusou o governo de extrapolar as conclusões de estudos realizados em corpos d'água pequenos e controlados para áreas maiores.

Estima-se que poderão ser necessários mais 5 a 10 anos de investigação para compreender o impacto potencial da mineração na vida marinha. Ativistas conservacionistas protestaram contra a decisão em frente às embaixadas norueguesas em pelo menos 20 países.

A controversa decisão foi tomada no parlamento norueguês com uma maioria de 80% dos votos, apesar das preocupações expressas internamente e da oposição expressa pela UE e pelo Reino Unido, que apelaram a uma proibição temporária da mineração nos fundos marinhos. 

A medida aplica-se inicialmente às águas norueguesas, expondo uma área maior do que a Grã-Bretanha – 280,000 quilómetros quadrados – à mineração, mas um acordo sobre a mineração em águas profundas em águas internacionais poderá surgir no final do ano.

Número de baleias minke

Entretanto, a Noruega continua a praticar a caça comercial à baleia, mesmo face à queda da procura, uma vez que caça baleias minke ao abrigo de uma quota auto-atribuída – 580 foram abatidas em 2022, muitas delas fêmeas grávidas. 

O governo norueguês, que subsidia a indústria, manifestou a sua ambição de aumentar a procura interna de carne de baleia, bem como as suas exportações para outros países caçadores de baleias no mundo, como o Japão, a Islândia e as Ilhas Faroé.

A proibição global da Comissão Baleeira Internacional à caça comercial de baleias entrou em vigor em 1986, mas a Noruega matou mais de 15,000 baleias desde então, normalmente usando arpões granadas de trabalho lento.

Também na Divernet: A maior parte da vida na zona-alvo dos mineiros profundos é nova para a ciência, Começo do fim para a caça às baleias?, Que diferença fará o Tratado de Alto Mar?

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x