Mergulhador voa de volta de Malta – para coletar CCR apreendido

Aeronave easyJet
(Barcex)

A British diver has had to break his férias in Malta to fly back to Manchester and reclaim the closed-circuit rebreather that airport staff had refused – without, he claims, telling him – to load on his flight out.

Kevin Openshaw says he learnt that his kit was missing only on arrival in Malta. He and dive-buddy David Ayre, both from Gateshead, had flown out with easyJet on 8 May, looking forward to exploring some of the island’s deeper WW2 wrecks, according to a report in A crônica.

A Bolsa containing Openshaw’s £6,000 CCR was not on the arrivals carousel, so he had reported its non-appearance to airport security staff. 

The staff had no number for easyJet but, after emailing the airline, confirmed that the rebreather was being held at Manchester Airport and that, although no cylinders were packed with it, staff there refused to send it on. 

Openshaw, who had already paid an additional £180 for the item to be carried as sports baggage, offered to pay extra if that was an emitem, but said that no such option was available.

His CCR diving, for which he had already paid £1,000, was due to take place in the second week of the 12-day férias. He explored the possibility of hiring a rebreather or using mixed gas on open-circuit, but said that in either case the cost would have been prohibitive on top of what he had already spent. 

So halfway through the férias he decided that his best option was to take indirect flights back to the UK, at a cost of about £500, to reclaim his equipment in person. 

Dormi no carro

Openshaw flew back to Manchester via Munich and slept in his car overnight at the airport before flying back to Malta via Brussels. In the process he says he lost four days of his holiday because of restrictions on flying after diving and exhaustion.

Anexado ao seu rebreather quando ele o coletou, havia uma nota que dizia: “Esta Bolsa contains a large diving cylinder and nothing else. This Bolsa can not travel. HBS Team Leader. "

Aeroporto de Manchester disse A crônica que sua equipe de segurança poderia verificar se uma unidade de mergulho não continha ar comprimido apenas por inspeção, de modo que os passageiros eram obrigados a declarar um rebreather no check-in e demonstrar que o recipiente estava vazio. 

Alegou que pelo menos dois anúncios públicos foram feitos para que Openshaw retornasse à área de segurança, embora os dois mergulhadores negassem ter ouvido tal chamado.

“Estamos satisfeitos que todos os processos foram seguidos corretamente neste caso e foram feitas tentativas razoáveis ​​para contatar o passageiro envolvido depois que sua bagagem foi retida”, disse um representante do aeroporto. “A segurança dos passageiros é e sempre será a nossa principal prioridade.”

De acordo com a easyJet, solicitou aos passageiros que se certificassem antes da partida de que não transportavam “certos artigos restritos” ou que declarassem tais artigos no momento do check-in.

“As Mr Openshaw did not declare his diving equipment to be able to confirm its safety for carriage, his bag had to be held by airport security staff,” it said. “We understand that attempts were made by the airport to reach Mr Openshaw to confirm the contents of his bagagem, however as no response was received it could not be permitted to travel. 

“Estamos em contato com o Sr. Openshaw para fornecer informações claras sobre o processo de transporte de seu equipamento, antes de seu voo de retorno.” Os mergulhadores devem retornar ao Reino Unido amanhã (20 de maio).

Contrabando de cocaína: nome da América do Sul

Em desenvolvimentos adicionais no caso do mergulhador com rebreather cujo corpo foi encontrado ao lado de uma quantidade de cocaína contrabandeada em Newcastle, Austrália, em 9 de maio, conforme relatado na Divernet, A polícia de Nova Gales do Sul emitiu um mandado de prisão contra um sul-americano de 32 anos chamado Jhoni Fernandes Da Silva.

Da Silva é procurado pelo Esquadrão do Crime Organizado (OCS), que alertou que ele pode ser perigoso. A polícia já havia divulgado imagens de segurança mostrando Da Silva e uma mulher, e disse que eles eram procurados para obter ajuda nas investigações.

Acredita-se que a dupla tenha entrado ilegalmente na Austrália a bordo do navio cargueiro vindo da Argentina, de onde o mergulhador retirava drogas contrabandeadas.

A polícia já prendeu o mergulhador e organizador de passeios de super iates Jimmy Blee, como também relatado na Divernet, e agora ele foi extraditado de Queensland para Nova Gales do Sul para enfrentar acusações de contrabando de drogas em grande escala.

O trabalho de Blee cobre águas australianas e indonésias, e o OSC suspeita que a descoberta de cocaína em Newcastle está ligada à descoberta de 179 kg da droga avaliada em £ 45 milhões, encontrada flutuando perto do porto de Merak, em Java, por volta do mesmo tempo.

Acredita-se que a remessa de narcóticos interceptada na Austrália tenha originalmente totalizado 300 kg, mas apenas 104 kg foram encontrados com o mergulhador e secretados no casco do navio.

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x