Mergulhadores prontos para provar Banana Verde

A visão de um mergulhador olhando para a abertura do Amberjack Hole.

NOTÍCIAS DE MERGULHO

Mergulhadores prontos para provar Banana Verde

Banana verde

Vista do mergulhador olhando para a abertura do Amberjack Hole. (Foto: Laboratório Marinho Mote)

Cientistas norte-americanos estão prestes a explorar um misterioso local de “buraco azul” no Golfo do México, apelidado de Banana Verde, em agosto deste ano, com uma expedição de acompanhamento marcada para maio próximo.

Pouco se sabe sobre os buracos azuis, afirma a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA). O seu Escritório de Exploração e Pesquisa Oceânica está apoiando o projeto e afirma que a distribuição e a abundância desses sumidouros submersos são desconhecidas. Suas aberturas podem estar bem abaixo da superfície do mar e são pequenas demais para a penetração de um ROV.

Os primeiros relatos sobre Banana Verde e outros locais semelhantes não vieram de cientistas, mas de mergulhadores recreativos e pescadores, diz a NOAA.

No ano passado, uma equipe de pesquisa do Mote Marine Laboratory, da Florida Atlantic University/Harbor Branch, do Georgia Institute of Technology e da US Geological Society explorou um buraco mais raso chamado Amberjack Hole, 30 milhas a oeste de Sarasota, Flórida.

Agora eles planejam usar técnicas que desenvolveram lá para explorar a Banana Verde em formato de ampulheta. Sua borda está 47m abaixo da superfície e o fundo tem cerca de 130m de profundidade, tornando-o particularmente difícil de explorar.

O trabalho do Amberjack Hole, com 107 metros de profundidade e sua borda de 34 metros de profundidade, foi a investigação de buraco azul mais detalhada da equipe até o momento. Eles usaram mergulhadores em profundidade total e implantaram um “lander bentônico”, uma estrutura de 270 kg contendo vários instrumentos científicos, para coletar amostras da água e dos sedimentos do fundo, documentando a vida ao redor da borda e a vida microscópica em todo o buraco.

Descobriu-se que Amberjack Hole contém grandes quantidades de carbono inorgânico dissolvido, que pode sustentar certos tipos de vida, incluindo micróbios. Os cientistas acreditam que os nutrientes sobem do buraco azul, alimentando organismos maiores, alguns dos quais caem no buraco para criar um “ciclo de feedback positivo”.

26 de Julho de 2020

Isto poderia explicar a biodiversidade dos buracos azuis, que, segundo a NOAA, podem conter corais, esponjas, moluscos, tartarugas, tubarões e muito mais.

No fundo do Amberjack Hole, os mergulhadores ficaram surpresos ao descobrir dois peixes-serra de dentes pequenos mortos, mas intactos, uma espécie em extinção, um deles com 3 metros de comprimento.

Com a sua próxima expedição, os cientistas esperam descobrir se os buracos azuis estão de facto ligados às águas subterrâneas da Florida; se estão secretando nutrientes; se tais microambientes abrigam espécies novas ou únicas de micróbios; e se a área do buraco azul deve ser protegida.

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x