Perigo duplo para criaturas marinhas

NOTÍCIAS DE MERGULHO

Perigo duplo para criaturas marinhas

Robalo Negro NOAA

Sentindo o calor: robalo negro na Geórgia. (Foto: NOAA)

A notícia de que um milhão de espécies animais e vegetais correm risco de extinção como resultado das alterações climáticas e da poluição, revelada num relatório sobre biodiversidade da ONU, ganhou as manchetes internacionais. Mas um estudo liderado pela Universidade Rutgers, nos EUA, e divulgado na mesma altura, indicou que são as criaturas marinhas as mais atingidas pelo aquecimento global.

As alterações climáticas fizeram com que duas vezes mais espécies que vivem nos oceanos e em terra desaparecessem dos seus habitats, de acordo com a equipa científica. Dizem que a vida marinha não só é mais sensível ao aquecimento, como também está menos equipada para escapar ao aumento do calor.

O estudo é considerado o primeiro a comparar a sensibilidade das espécies marinhas e terrestres de sangue frio e a sua capacidade de lidar com o calor enquanto permanecem nos seus habitats normais.

9 de maio de 2019

Os autores calcularam condições seguras para 88 espécies marinhas e 294 espécies terrestres, bem como as temperaturas mais frescas disponíveis para cada uma nas épocas mais quentes do ano. Eles descobriram que as espécies marinhas eram mais propensas a viver à beira de temperaturas perigosamente altas, faltando aos animais terrestres a capacidade de se protegerem do calor em florestas, áreas sombreadas ou no subsolo.

Os antigos eventos de extinção associados a rápidas alterações climáticas concentraram-se frequentemente em latitudes específicas e em ecossistemas específicos, mas o estudo sugeriu que o aquecimento futuro provavelmente desencadearia a perda de mais espécies marinhas dos habitats locais e uma maior renovação de espécies oceânicas.

A pesquisa é publicado na revista Nature.

Enquanto isso, outro estudo preocupante, este publicado na Nature Geoscience, utilizou quatro séculos de registos sazonais de recifes de coral para destacar uma mudança dramática no padrão dos eventos de aquecimento do El Niño no Oceano Pacífico tropical nos últimos anos.

Cientistas liderados pela Universidade de Melbourne usaram os dados arquivados para analisar e distinguir diferentes tipos de El Niño que ocorreram nos últimos 400 anos. Eles dizem que as características do El Niño associadas à química dos corais revelam que uma nova categoria de evento mais intensa se tornou muito mais prevalente nas últimas décadas.

Espera-se que as mudanças do El Niño influenciem os padrões de precipitação e temperaturas extremas na Austrália, no Sudeste Asiático e nas Américas nos próximos anos. “Saber como os diferentes tipos de El Niño se desenrolaram no passado significará que seremos mais capazes de modelar, prever e planear futuros El Niños e os seus impactos generalizados”, afirmam os cientistas.

  • O CORPO DE UM MERGULHADOR que desapareceu em Lake Pleasant, Arizona, em 4 de maio, conforme relatado na Divernet, foi recuperado de uma profundidade de 60 m por uma equipe de mergulho profissional. Identificado como Joshua Rosen, 30 anos, ele estaria realizando um mergulho técnico com outras duas pessoas.
  • EM OUTROS LUGARES DOS EUA, a Guarda Costeira está coordenando uma busca aérea-marítima depois que um homem ligou de um barco para relatar o desaparecimento de sua esposa de 73 anos. Eles estavam mergulhando a 7 quilômetros de Summerland Key, em Florida Keys, na terça-feira (XNUMX de maio).

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x