Descoberta do coral Elkhorn aumenta esperanças

Coral chifre-de-alce
Coral Elkhorn (NOAA)

Os biólogos marinhos da Flórida conseguiram alcançar o que muitos cientistas consideravam impossível – reproduzir o coral chifre de alce em laboratório. E acreditam que o avanço poderá ser fundamental para salvar os recifes ameaçados das Caraíbas.

Outrora dominante nas Caraíbas, juntamente com os corais staghorn e star, o elkhorn morreu em grande parte desde que foi atingido por uma doença na década de 1980, mas sempre se revelou difícil de cultivar artificialmente. Agora se torna a 14ª espécie de coral a ser reproduzida em laboratório em Aquário da Flóridado Centro de Conservação em Tampa – e é considerado o mais significativo até agora, de acordo com a CNN. 

A cientista sênior de corais Keri O'Neil estima que apenas cerca de 300 corais chifre-de-alce permanecem no Florida Keys Reef Tract, parte da única barreira de recife viva dos EUA continentais, mas o experimento de desova que ela liderou já produziu milhares de corais chifre-de-alce bebês. Espera-se que cerca de 100 deles sobrevivam até a maturidade, um processo que leva de 3 a 5 anos.

A pesquisadora de Elkhorn, Keri O'Neill
Cientista de corais Keri O'Neill

Elkhorn normalmente floresce em profundidades inferiores a 6 m, o que o torna um componente vital das barreiras de recifes, bem como um habitat importante para outras formas de vida marinha. É também uma das espécies de coral de crescimento mais rápido, com ramos que chegam a atingir 12 cm por ano.

Listada como ameaçada pela Lei de Espécies Ameaçadas dos EUA em 2006, a espécie tem uma baixa taxa reprodutiva e, portanto, diversidade genética, o que a torna particularmente suscetível a doenças. A aceleração das alterações climáticas globais está a piorar a situação. 

Descrevendo a descoberta como “ganhar tempo”, os cientistas planeiam replantar os corais cultivados em laboratório no Santuário Marinho Nacional de Florida Keys nos próximos anos, mas dizem que são urgentemente necessárias mais pesquisas.

Eles esperam que os corais desenvolvidos em laboratório e selecionados para restauração possam ser mais resistentes não apenas às temperaturas mais altas da água, ao branqueamento e às doenças, mas também mais capazes de resistir às intensas pressões das ondas. “Há esperança para os recifes de coral”, disse O'Neil à CNN. “Não perca a esperança – nem tudo está perdido.”

Os experimentos são apoiados pela Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA) e pela Fundação Nacional de Pesca e Vida Selvagem.

Também na Divernet: 10 maneiras pelas quais a tecnologia está resgatando corais, Agricultores de corais remodelando o futuro, A vida simples,

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

1 Comentário
Mais votados
Recentes mais velho
Comentários em linha
Ver todos os comentários
Amy
Amy
1 ano atrás

Visitando a República Dominicana no lado caribenho… Fiz mergulho com snorkel perto da costa e os encontrei presos aos donuts artificiais que eles plantam lá para criar uma barreira para a costa. Os donuts de cimento criaram uma bela linha de recifes artificiais repletos de vida… Avistei duas cabeças de coral Elkhorn num espaço de 10 metros.

Entre em contato

1
0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x