Primeiro naufrágio de escravos maias identificado no México

NOTÍCIAS DE MERGULHO

Primeiro naufrágio de escravos maias identificado no México

O primeiro naufrágio de um navio que comercializava escravos maias encontrado foi identificado em águas mexicanas por pesquisadores do Instituto Nacional de Antropologia e História (INAH) do país.

Cerca de 100 mortes foram registradas quando o navio espanhol afundou em 19 de setembro de 1861, incluindo 60 passageiros e metade dos 80 tripulantes. Mas, surpreendentemente, nenhum escravo a bordo foi contabilizado nesse número – porque era considerado mercadoria.

Descoberto por mergulhadores a uma profundidade de apenas 7 metros, a duas milhas náuticas da cidade turística de Sisal, na península de Yucatán, em 2017, o naufrágio originalmente considerado como sendo um navio postal britânico foi agora identificado como o navio a vapor A União.

Veja também: Mergulhadores exploram cemitério para hospital de febre amarela

A identificação positiva ocorre após três anos de mergulhadores pesquisando os destroços e pesquisadores vasculhando arquivos mexicanos, cubanos e espanhóis, de acordo com a Vice-Direção de Arqueologia Subaquática (SAS) do INAH.

Durante seis anos antes do seu naufrágio, o navio negreiro transportou 25 a 30 indígenas do México todos os meses, incluindo crianças pequenas. Eles foram levados para Cuba como trabalhadores forçados nas plantações de cana-de-açúcar.

Alguns dos adultos eram prisioneiros de guerra, enquanto outros assinaram documentos falsos que os enganaram, fazendo-os acreditar que seriam colonos.

A escravidão foi proibida quando o México se tornou independente da Espanha em 1821, mas somente quando A União afundou 40 anos depois se o presidente do país tivesse sido forçado a emitem uma declaração denunciando o comércio de escravos maias.

A arqueóloga subaquática Helena Barba Meinecke, chefe do escritório do SAS na Península de Yucatán, disse que nenhum navio que traficasse pessoas maias havia sido documentado antes.

Outros naufrágios de escravos foram descobertos nos últimos anos, notadamente o Clotilda no Alabama, o Henriqueta Maria na Flórida, o El Trovador na República Dominicana e no San Jose na África do Sul, mas Meinecke disse que todos eram “navios negreiros negros”, negociando entre a África e a América. A União esteve ativo durante os anos da Guerra Civil Americana, o que interferiu nesse comércio.

A descoberta do naufrágio foi relatada na época em Divernet. Nomeado provisoriamente Adálio em homenagem ao avô do pescador que conduziu os mergulhadores arqueológicos ao local, ele foi descrito como um barco a vapor britânico, que se acredita ter sido construído pela Royal Mail Steam Packet Co.

As caldeiras explodiram e o navio pegou fogo, com o porão caindo do casco. Enterrados na areia, muitas madeiras do casco permaneceram preservadas, enquanto as rodas de pás, as caldeiras explodidas, os compartimentos e os parafusos de cobre ainda eram reconhecíveis e desde então foram encontrados em conformidade com as descrições contemporâneas de A União.

Porcelana, grés, garrafas de vidro e talheres de latão também foram recuperados, e a localização do naufrágio corresponde ao local relatado do naufrágio.

A União pertencia à empresa espanhola Zangroniz Hermanos y Compañía, criada em Cuba em 1854 e autorizada a comercializar nas águas mexicanas entre Sisal, Campeche, Veracruz e Tampico.

Oficialmente, transportava passageiros e cargas como sisal, couro, madeiras tingidas e peles de veado, mas os seus capitães combinaram secretamente com comerciantes de escravos o transporte dos maias em compartimentos apertados a bordo.

Já em outubro de 1860, o navio foi interceptado em Campeche enquanto transportava 29 maias, incluindo crianças de 7 a 10 anos, mas foi autorizado a continuar com o seu comércio ilícito. A Zangroniz foi restabelecida no México no final do século, quando lhe foram adjudicados contratos de construção ferroviária.

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x