Como os tubarões relaxam – ‘surfando’

Tubarões cinzentos de recife em Fakarava (Foto: Valerie Hukalo)
Tubarões cinzentos de recife em Fakarava (Foto: Valerie Hukalo)

NOTÍCIAS DE MERGULHO

Nem todas as espécies de tubarões precisam de continuar a nadar para respirar – algumas usam os músculos bucais para bombear água sobre as guelras para extrair oxigénio. 

Mas outros, como os grandes tubarões brancos e cinzentos de recife, não têm estes músculos, por isso respiram usando a “ventilação obrigatória do aríete”, o que requer movimento perpétuo. A questão de como eles conseguem descansar sempre foi um mistério.

Agora, os cientistas que observam tubarões na Polinésia Francesa descobriram que eles são capazes de tirar uma soneca revigorante quando necessário – “surfando na encosta”.

A descoberta foi feita por uma equipe internacional liderada pelo cientista marinho Yannis Papatamatiou, do Instituto de Meio Ambiente da Universidade Internacional da Flórida.

Mergulhando para estudar os cerca de 500 tubarões cinzentos de recife no canal sul do famoso local de mergulho do Atol de Fakarava, Papatamatiou descobriu que os tubarões usavam o canal para caçar à noite, mas permaneciam lá durante o dia para flutuar nas correntes ascendentes da corrente.

Dessa forma, eles foram capazes de resistir ao fluxo, mas se beneficiaram do oxigênio que ele carregava, sem sequer moverem as caudas. “Durante o dia, eles ficam bastante plácidos e relaxados, nadando com o mínimo esforço”, disse ele. “É interessante porque é uma corrente muito forte.”

Ele também percebeu que os tubarões haviam desenvolvido um sistema de transporte, pelo qual um deles chegava ao fim do canal antes de permitir que a corrente o levasse de volta ao ponto inicial, enquanto outro tubarão tomava o seu lugar e repetia o processo.

Combinando as suas observações de mergulho com a utilização de etiquetas acústicas de rastreamento e câmaras transportadas por tubarões, os cientistas compararam a energia gasta pelos tubarões enquanto surfavam no canal com a daqueles que saíram dele. Eles descobriram que o comportamento de navegação lhes permitiu economizar pelo menos 15% do esforço que de outra forma teriam usado.

Papatamatiou e Gil Iosilevskii, do Instituto de Tecnologia Technion-Israel, usaram então dados de sonar multifeixe e direção das marés para criar um modelo de onde as correntes ascendentes provavelmente apareceriam. Receptores foram colocados ao longo do canal para rastrear os tubarões, com 40 animais marcados para registrar suas atividades e profundidades.

Os dados confirmaram que os tubarões permaneciam nas áreas de corrente ascendente do canal durante o dia e variavam a sua profundidade para optimizar a poupança de energia. Durante as marés cheias com fortes correntes ascendentes, eles foram mais fundo onde a corrente era mais fraca, enquanto durante as marés vazantes com mais turbulência eles desfrutaram de um passeio mais suave perto da superfície.

“Em última análise, a paisagem energética do mar ajuda a explicar por que estes animais estão neste canal durante o dia, disse Papastamatiou. “Agora temos uma resposta.”

As descobertas da equipe podem explicar por que um grande número de tubarões se reúnem e permanecem em outras partes do mundo – elas foram publicadas no Journal of Animal Ecology

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x