Comissário ferido de Conceição abre processo

Concepção retratada em 2000. (Foto: Ken Goudey)
Concepção retratada em 2000. (Foto: Ken Goudey)

NOTÍCIAS DE MERGULHO

Comissário ferido de Conceição abre processo

Concepção retratada em 2000. (Foto: Ken Goudey)

Concepção retratada em 2000. (Foto: Ken Goudey)

O tripulante que quebrou a perna ao escapar do Projeto Incêndio em um liveaboard que matou 34 pessoas em Califórnia está processando o proprietário do barco, Glen Fritzler, sua empresa Truth Aquatics e a empresa de fretamento de mergulho Worldwide Diving Adventures.

O processo de Ryan Sims foi aberto 10 dias depois do incêndio, em 12 de setembro, no Tribunal Superior do Condado de Ventura, segundo notícias da imprensa norte-americana.

Sims, que trabalhava no barco como comissário há apenas três semanas no momento do incidente fatal, alega insegurança e negligência marítima geral e pede indenizações punitivas, custos médicos e honorários advocatícios nos termos da Lei Jones dos EUA.

Ele alega que a Truth Aquatics não conseguiu manter adequadamente a embarcação, não treinou os seus funcionários e não forneceu equipamentos e regulamentos de segurança adequados, afirmando que a embarcação foi operada em “uma condição obviamente perigosa” e que não dispunha de meios de fuga adequados.

Sims diz que ficou preso no fogo depois de ser acordado por barulhos enquanto dormia no convés superior do navio. Ele, o capitão e três outros tripulantes foram forçados a pular para o convés principal, causando-lhe fraturas na perna em três lugares e lesões nas costas e no pescoço, necessitando de extenso tratamento médico.

Ele afirma que não recebeu “manutenção e cuidados adequados” da Truth Aquatics após seus ferimentos.

20 Setembro 2019

Poucos dias após o incidente, a própria Truth Aquatics entrou com uma ação em tribunal, invocando uma antiga lei marítima para limitar a sua responsabilidade de pagar indemnizações às famílias das vítimas, conforme relatado na Divernet. As conclusões preliminares sobre as circunstâncias do incêndio pelo Conselho Nacional de Segurança nos Transportes foram também foi relatado na Divernet.

Kristy Finstad, coproprietária e seu marido da Worldwide Diving Adventures, que também é citada no processo por ter fretado o Projeto durante a viagem de três dias, morreu no incêndio.

O advogado de Sims afirmou que embora o seu cliente tenha sofrido “graves lesões físicas e psicológicas”, não quis desviar a atenção do “sofrimento de 34 famílias que perderam entes queridos”.

“Achamos difícil acreditar, com base no que sabemos, que a empresa não tinha conhecimento de que Projeto não conseguiu designar um vigia noturno e que o navio estava perigosamente com falta de tripulação”, afirmou.

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x