Profissional de mergulho de Malta inocentado de homicídio culposo

O Buraco Azul em Gozo. (Foto: Lucas Aless)
O Buraco Azul em Gozo. (Foto: Lucas Aless)

NOTÍCIAS DE MERGULHO

O Buraco Azul em Gozo. (Foto: Lucas Aless)

O proprietário de um centro de mergulho em Malta foi inocentado após ser acusado de homicídio involuntário de uma mergulhadora britânica há cinco anos. 

A decisão seguiu o que o magistrado que julga o caso catalogou como uma série de falhas por parte da promotoria, liderada pelo inspetor de polícia Bernard Charles Spiteri.

Veja também: Mergulhador técnico critica especialistas judiciais em “voos de fantasia”

Petrina Matthews, de Halesowen, morreu perto do famoso local Blue Hole, na ilha de Gozo, em 10 de março de 2015. A mulher de 61 anos mergulhava em uma escola então propriedade de Jacqui Hedley, 39, de Mellieħa.

Joseph Mifsud, que preside o tribunal de magistrados, ouviu dizer que a escola tinha alugado o equipamento de mergulho que Matthews estava a usar, de acordo com uma reportagem do Times of Malta sobre o processo. A alegação da promotoria era que o regulador fornecido estava com defeito, levando à sua morte.

Dois instrutores que acompanhavam o grupo de Matthews disseram ao tribunal que não foram aparentes dificuldades durante o mergulho ou na subida. Matthews apareceu com ela instrutor e começou a nadar em direção às rochas antes de de repente parecer indisposto e perder a consciência.

Os outros mergulhadores a trouxeram para terra. Oficiais do Departamento de Proteção Civil e paramédicos compareceram, mas, após receber RCP por 40 minutos, Matthews foi declarado morto no local.

Um exame post mortem em Malta concluiu que a causa da morte foi edema pulmonar por imersão (IPO) ou “afogamento por dentro”, condição que pode surgir em mergulhadores e nadadores. Também observou que Matthews tinha um músculo cardíaco aumentado, possivelmente uma condição pré-existente, e era obeso.

No entanto, uma segunda autópsia realizada mais tarde no Reino Unido contradisse estas descobertas, levando ao veredicto do legista de morte por causas naturais.

Um perito disse ao tribunal de justiça que uma falha encontrada no regulador Matthews estava usando teria dificultado a respiração dela. No entanto, os outros mergulhadores testemunharam que ela não pareceu ter tido problemas respiratórios durante o mergulho.

A regulador mais tarde foi enviado ao estrangeiro para mais testes, mas nenhum dos testes foi realizado na presença de um perito nomeado pelo tribunal, nem os resultados foram confirmados sob juramento, pelo que as provas foram declaradas inadmissíveis.

As declarações de Hedley à polícia foram tomadas antes de lhe dar o direito de permanecer em silêncio, tornando-as também inadmissíveis, disse o magistrado.

Ele disse que a polícia nem sequer conseguiu provar que ela era proprietária do centro de mergulho ou que alugou o equipamento a Matthews, ou que ela estava ciente de que o regulador estava com defeito ou com manutenção inadequada.

Mifsud decidiu que a acusação não tinha estabelecido que a morte de Matthews tivesse resultado de imprudência ou negligência de Hedley, ou que ela tivesse contribuído de alguma forma para isso.

Embora vários especialistas tenham afirmado que o regulador “não estava em perfeitas condições de funcionamento”, outros fatores contribuíram para a morte do mergulhador, disse Mifsud. Na ausência das provas mais básicas, o tribunal não teve escolha senão inocentar Hedley de todas as acusações.

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x