Preconceito sexual da tartaruga verde: novo motivo de preocupação

Duas tartarugas verdes (Mark Sullivan / NOAA Fisheries)
Duas tartarugas verdes (Mark Sullivan / NOAA Fisheries)

The future of the Earth’s green turtles is in serious doubt because too few males are being born to keep procreating the species – but now it appears that the rising global temperatures that cause this are only part of the turtles’ problem.

Já tinha sido estabelecido que águas mais quentes tornam os embriões de tartaruga em desenvolvimento nos seus ovos mais propensos a nascerem fêmeas, mas um novo estudo liderado pela Universidade Griffith em Queensland, Austrália, sugere que a poluição dos oceanos está a agravar este preconceito feminino.

Metais pesados ​​como cádmio e antimônio, bem como uma série de contaminantes orgânicos que se acumulam em Chelonia mydas as mães tartarugas estão sendo transferidas para seus ovos, ajudando a “feminizar” ainda mais a espécie.

Filhotes de tartaruga (Australian Rivers Institute / Griffith University)
Os filhotes de tartaruga têm cada vez mais probabilidade de serem fêmeas (Australian Rivers Institute / Griffith University)

As tartarugas verdes estão listadas como Ameaçadas na Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN, ameaçadas de extinção como resultado da caça furtiva, colisões de barcos, destruição de habitat e captura acidental em artes de pesca, bem como das alterações climáticas. A ameaça adicional vem da contaminação dos oceanos causada pela atividade humana, como mineração, escoamento e resíduos urbanos.

Como parte do Projeto de Resfriamento de Tartarugas do WWF-Austrália, que busca maneiras de combater a nidificação tendenciosa por fêmeas, a equipe científica investigou os efeitos da poluição em um local de monitoramento de longo prazo na Ilha Heron, uma pequena ilhota de coral no sul da Grande Barreira de Corais ( GBR). 

Entre 200 e 1,800 fêmeas de tartarugas verdes vêm ali nidificar todos os anos, com 2 a 3 fêmeas eclodindo atualmente para cada macho, o que é uma proporção mais equilibrada do que seria encontrada perto do Equador. Na parte norte da RGB já nascem centenas de mulheres para cada homem, dizem os cientistas.

Monitorando os ovos

Os cientistas coletaram 17 ninhadas de ovos duas horas após a postura e os enterraram novamente ao lado de sondas que registravam sua temperatura a cada hora, tanto no ninho quanto na superfície.

À medida que os filhotes emergiam, seu sexo era determinado e eram medidos os níveis de 18 metais, além de contaminantes orgânicos, como hidrocarbonetos aromáticos policíclicos, bifenilos policlorados e éteres difenílicos polibromados, que se ligam aos receptores dos hormônios sexuais femininos. 

As tartarugas fêmeas acumulam estes contaminantes em locais de alimentação e os seus ovos em desenvolvimento sequestram-nos no fígado dos embriões, onde podem permanecer durante anos após a eclosão.

Filhotes de tartaruga (Australian Rivers Institute / Griffith University)
Filhotes na Grande Barreira de Corais (Australian Rivers Institute / Griffith University)

A maioria dos ninhos produziu predominantemente filhotes fêmeas, e quanto mais estrogênicos os oligoelementos, particularmente antimônio e cádmio, encontrados no fígado dos filhotes, maior foi o preconceito feminino no ninho.

“Concluímos que esses contaminantes imitam a função do hormônio estrogênio e tendem a redirecionar as vias de desenvolvimento para as mulheres”, disse o autor do estudo, Dr. Arthur Barraza, pesquisador da Universidade Griffith. Instituto Australiano dos Rios

“À medida que a proporção sexual se aproxima de 100% de fêmeas, fica cada vez mais difícil para as tartarugas fêmeas adultas encontrar um parceiro, o que é particularmente importante face às alterações climáticas que já tornam as praias de nidificação mais quentes e mais tendenciosas para as fêmeas.”

Os cientistas querem agora determinar quais os compostos específicos que alteram as proporções sexuais dos filhotes, para ajudar a encontrar uma forma de evitar que os poluentes feminizem ainda mais as populações de tartarugas. Seu estudo é publicado em Fronteiras na ciência marinha.

Também na Divernet: Tartarugas marinhas à beira do abismo, Navegação de tartarugas ‘relativamente rudimentar’, Como ovos falsos podem aumentar a sobrevivência das tartarugas, A tartaruga que sustenta o mundo

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x