E aí, mano!

Polvo maior de anéis azuis - Hapalochlaena lunulata
Polvo maior de anéis azuis - Hapalochlaena lunulata

O nome com anéis azuis polvo provoca um arrepio de terror em alguns – mas para os fotógrafos subaquáticos esta pequena criatura é um objeto de desejo, dizem David e Debi Henshaw

Debi Henshaw
Debi Henshaw

OS POLVOS VIVEM ATRAVÉS DOS OCEANOS do mundo, habitando recifes que variam de alguns metros até cerca de 7000.

Existem mais de 200 espécies relatadas, mas muitas mais estão sendo investigadas e adicionadas à lista com o passar do tempo.

Entre estas muitas espécies, um grupo em particular capturou a imaginação de mergulhadores e fotógrafos como ocupante especial do recife – o peixe-de-anéis-azuis. polvo.

Maior anel azul
Maior anel azul

Este polvos pertencem ao grupo Ocellate, palavra traduzida como “com olhinhos”.

Mudanças no padrão de cores desencadeadas pelo comportamento do animal fazem com que seus olhos falsos sejam exibidos no topo dos dois braços principais.

Existem até 10 espécies diferentes registradas pertencentes a esta família bentônica, bentônica significa que vivem a maior parte de sua vida no fundo do recife, entre os corais e rochas que lhes proporcionam proteção e camuflagem.

Os polvos de anéis azuis, comumente chamados de BRO, são registrados não pelo tamanho, mas pelo número e tamanho das manchas azuis que exibem.

Ocelado venenoso mostrando cores quando perturbado
Ocelado venenoso mostrando cores quando perturbado

Os mais comuns são os maiores (Hapalochlaena lunulata) e os menores de anéis azuis polvo (Hapalochlaena maculosa). O polvo ocelado venenoso mais raro (Octopus mototi) exibe apenas duas manchas azuis quando agitado.

Polvo ocelado venenoso - Polvo Mototi
Polvo ocelado venenoso – Polvo Mototi

COMO COM TODOS OS POLVOS BENTÔNICOS, os BRO têm oito braços e são mestres na camuflagem.

Não é fácil avistar alguns deles no recife aberto, pois provavelmente não medirão mais de 5cm, ou 7cm com os braços estendidos.

Esse é o tamanho de uma bola de tênis. Em seu estado natural, o BRO apresenta manchas marrons/amarelas relativamente opacas com contornos muito fracos de anéis azuis.

Só quando percebe um intruso dentro de sua zona de conforto é que ele responde com as mudanças de cor.

Ele exibe anéis azuis vibrantes e iridescentes, que podem ser de dois a 50 dependendo da espécie, como um sinal de perigo para os predadores.

O BRO se alimenta de pequenos crustáceos, matando suas presas por mordida ou veneno – o método definitivo ainda não foi estabelecido.

Ele carrega duas toxinas que podem ser liberadas através de suas glândulas salivares para paralisar o sistema nervoso de suas presas. Um é usado para derrubar a presa e o outro, o mais venenoso, é usado em autodefesa.

Esta neurotoxina, conhecida como Tetrodotoxina, paralisará um ser humano em segundos, causando inconsciência. Não existe antídoto conhecido, e somente aplicando RCP contínua por 24 horas a vítima teria alguma chance de sobrevivência.

Esta, até onde sabemos, é a toxina mais mortal que ataca o neurosistema.

Dito isto, muito poucas pessoas perderam a vida, mas é aconselhável manter um BRO a uma distância segura caso decida aproximar-se de um.

A maioria dos ataques, como acontece frequentemente com animais selvagens, é causada por algo ou alguém que invade a zona de conforto da criatura.

Outros incidentes são geralmente o resultado de acidentes, em que um mergulhador ou outro utilizador do mar colocou o pé ou a mão no lugar errado sem saber.

Podemos relatar um incidente em Mabul, na Malásia, onde fotografávamos um peixe-sapo num bloco de coral logo acima do fundo arenoso do recife. Sabe quando algo chama a atenção pelo canto do olho?

Com certeza, a apenas 30 cm de distância estavam os anéis azuis piscantes de um BRO, avistados bem a tempo de evitá-lo!
Nem tudo são boas notícias para os BROs.

Eles vivem cerca de dois anos e, durante esse período, as fêmeas reprodutoras põem até 100 ovos, que guardam e protegem até eclodirem, oito semanas depois.

Cumprida a tarefa, a fêmea morre por falta de comida e energia. São notícias ainda piores para os machos – eles morrem logo após o acasalamento!

Os filhotes estão totalmente desenvolvidos ao nascer e podem se alimentar e se proteger através de suas células coloridas camufladas desde o momento em que caem no fundo do recife para encontrar refúgio na areia e nas fendas das rochas.

Polvos como os BROs, que produzem um pequeno número de ovos, normalmente fixam residência na área em que eclodem, ao contrário de variedades de postura de ovos de alta produção, como o polvo comum, que se dispersa por áreas mais amplas com as correntes.

É por isso que muitos BROs são encontrados em áreas localizadas em diferentes regiões.

Polvo de anéis azuis de anel médio - Hapalochlaena sp4
Polvo de anéis azuis de anel médio – Hapalochlaena sp4

ESTAS CRIATURAS ESPECIAIS sempre fascinará os fotógrafos. Nestes dias de lentes especializadas, a necessidade de estar perto não é tão vital, por isso esteja atento e mostre respeito por estas pequenas criaturas na próxima vez que vir uma.

Se a sua abordagem for calma e nada ameaçadora, eles irão recompensá-lo com imagens muito especiais.

Pontos de acesso ideais para encontrar um BRO? Bem, eles foram originalmente encontrados na Austrália, mas agora são vistos regularmente na PNG, nas Filipinas, na Indonésia, na Malásia e no Japão.

Se você estiver planejando viajar para qualquer uma das seguintes áreas, poderá encontrá-las se procurar bastante, como fizemos – Estreito de Lembeh, Mabul, Sulawesi e Anilao. Boa sorte.

David Henshaw
David Henshaw

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x