A falta de O2 pressiona os tubarões

mergulhador é mordido por tubarão em raro incidente

NOTÍCIAS DE MERGULHO

A falta de O2 pressiona os tubarões

mergulhador é mordido por tubarão em raro incidente

Tubarão Azul. (Foto: Keith Hiscock)

Ao reduzir a quantidade de oxigénio dissolvido na água do mar, as alterações climáticas estão a tornar os tubarões azuis ainda mais vulneráveis ​​à pesca do que eram antes.

Esta é a conclusão da investigação realizada pela Marine Biological Association (MBA) do Reino Unido com institutos em Portugal e Espanha. Os cientistas descrevem o seu projecto como o primeiro a testar se a expansão das Zonas Mínimas de Oxigénio (OMZ) dos oceanos está a empurrar os tubarões para mais perto da superfície e tornando-os presas mais fáceis para a pesca.

A desoxigenação dos oceanos, impulsionada pelo clima, está a fazer com que as OMZ permanentes, que normalmente se situam entre 200-800 m de profundidade, se expandam tanto horizontal como verticalmente. Isto tem efeitos significativos em peixes grandes e com elevada procura de oxigénio, como os tubarões pelágicos, afirma a MBA, que tem levado a cabo um projecto de cinco anos denominado Ocean Deoxyfish.

Abril passado DIVERNET relatou que o Prof David Sims do MBA e da Universidade de Southampton recebeu uma subvenção da UE de 2.5 milhões de euros para apoiar o projeto.

Os investigadores têm estudado os efeitos da expansão da OMZ na África Ocidental sobre os tubarões azuis que, sendo os tubarões com maior distribuição no mundo, viajam por bacias oceânicas inteiras e mergulham até 1600 m de profundidade. Os indivíduos foram marcados por satélite para registar as suas profundidades máximas de mergulho na OMZ e nas áreas circundantes do Atlântico Norte.

“Ao rastrear por satélite os movimentos e o comportamento de mergulho dos tubarões azuis ao longo de muitos meses, pudemos vê-los mudar para águas superficiais para evitar águas mais profundas e com deficiência de oxigénio”, disse o professor Sims, que co-liderou o estudo.

A equipe também rastreou os movimentos dos navios de pesca usando GPS.

“Descobrimos que a OMZ da África Ocidental é um hotspot de pesca com espinhel, com maiores capturas de tubarões azuis, provavelmente devido à compressão do habitat nas águas superficiais”, relatou a primeira autora do estudo, Dra. Marisa Vedor, da Universidade do Porto e Lisboa.

25 de Janeiro de 2021

Os tubarões azuis são altamente suscetíveis à captura pela pesca que busca seu alto valor barbatanas, diz o MBA.

Eles representam 90% da captura total relatada de tubarões pelágicos no Atlântico e, embora classificada pela UICN como quase ameaçada, a espécie recebe poucas restrições de captura em qualquer lugar do mundo.

“Os nossos resultados defendem a necessidade de medidas de gestão para mitigar os efeitos da desoxigenação dos oceanos nas taxas de captura de tubarões, que parecem substanciais acima das águas profundas com baixo teor de oxigénio”, disse o Prof Sims. “As áreas marinhas protegidas em torno das OMZ podem ser necessárias para proteger os tubarões no futuro, à medida que os oceanos continuam a desoxigenar”.

O estudo é publicado na revista eLife.

o maior

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x