Agora os robôs oceânicos voam sozinhos

NOTÍCIAS DE MERGULHO

Agora os robôs oceânicos voam sozinhos

Robô NUI

Foto: Evan Lubofsky, Instituição Oceanográfica Woods Hole.

O primeiro exemplo conhecido de um robô subaquático coletando uma amostra sedimentar de forma autônoma ocorreu em Kolumbo, um vulcão ativo a 500 metros de profundidade na ilha grega de Santorini, no mar Egeu.

O braço robótico que coletou a amostra para uma equipe internacional de pesquisadores foi montado em um veículo híbrido operado remotamente chamado Nereid Under Ice (NUI), desenvolvido pela Woods Hole Oceanographic Institution (WHOI) de Massachusetts.

“Para um veículo coletar uma amostra sem um piloto dirigindo, foi um grande avanço”, disse o cientista da WHOI, Rich Camilli. “Um dos nossos objetivos era jogar fora o joystick e conseguimos fazer exatamente isso.”

Os investigadores estavam a estudar o ambiente “adverso e carregado de produtos químicos” de Kolumbo e as suas formas de vida microbianas, ao mesmo tempo que exploravam até que ponto os robôs oceânicos poderiam explorar sem intervenção humana.

O NUI do tamanho de um carro inteligente emprega software de planejamento automatizado baseado em inteligência artificial, incluindo um planejador chamado Spock.

Isto permitiu-lhe decidir quais os locais vulcânicos a visitar e recolher amostras de forma autónoma, sugando-as através de uma “mangueira de amostragem”.

According to University of Michigan scientist Gideon Billings, whose code was used to collect the first sample, such automation will enable NASA to explore ocean worlds beyond our solar system.

“Se tivermos esta grande visão de enviar robôs para lugares como Europa e Encélado [as luas de Júpiter e Saturno, respectivamente], eles acabarão por precisar trabalhar de forma independente e sem a ajuda de um piloto”, disse ele.

11 de Janeiro de 2020

Future research, also involving the Australian Centre for Field Robotics, Massachusetts Institute of Technology and the Toyota Technological Institute in Chicago, will include treinamento ocean robots to see like ROV pilots, using “gaze tracking” technology, and building a human-language interface to allow scientists to address robots directly, rather than through a pilot.

“Poderemos eventualmente ver uma rede de robôs oceânicos cognitivos onde há uma inteligência partilhada que abrange uma frota inteira, com cada veículo a trabalhar cooperativamente como abelhas numa colmeia”, disse Camilli. “Vai muito além de perder o joystick.”

O projeto foi financiado pela NASA e pela National Science Foundation National Robotics Initiative.

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x