Mergulhador arqueológico pioneiro Bass morre

Foto: INA.

O arqueólogo subaquático George Fletcher Bass, conhecido como o “pai da arqueologia subaquática” pelas conquistas do mergulho que começaram há mais de 60 anos, morreu em 2 de março em College Station, Texas, aos 88 anos.

Bass e sua esposa Ann foram os fundadores em 1972 do Instituto Americano de Arqueologia Náutica – o “americano” foi posteriormente abandonado para refletir a posição internacional da organização e ficou conhecido como INA.

Bass nasceu em Columbia, Carolina do Sul, em 9 de dezembro de 1932, filho de um professor de inglês e de um escritor, o que serviu de base para a escrita de muitos livros, muitas vezes voltados para o público mainstream.

Seu tio era arqueólogo, e Bass passou do estudo de inglês para arqueologia na Universidade John Hopkins e depois na Escola Americana de Estudos Clássicos na Grécia, após se interessar pelo assunto em uma viagem à Sicília.

De acordo com o INA, em 1960, logo após o serviço militar e o início dos estudos de doutorado em arqueologia clássica, um colega arqueólogo pediu a Bass que aprendesse a mergulhar, para que pudesse trabalhar em um naufrágio da Idade do Bronze que havia sido descoberto por mergulhadores de esponjas. Cabo Gelidonya na Turquia.

Bass fez apenas seis mergulhos aulas incluindo uma prática em uma filial local da YMCA antes de viajar para a Turquia com sua nova esposa. Ele co-dirigiu a escavação dos destroços de 30 metros de profundidade durante os três meses seguintes.

A operação bem-sucedida tornou-se a primeira escavação de um naufrágio antigo realizada inteiramente no fundo do mar, diz o INA, e a primeira escavação de um naufrágio dirigida e publicada por um arqueólogo mergulhador.

Mais tarde, Bass estabeleceria um museu de arqueologia subaquática em Bodrum e, na década de 1990, o INA estabeleceria lá um centro de pesquisa.

O naufrágio do Cabo Gelidonya, com sua carga de lingotes de cobre, permaneceu o naufrágio mais antigo conhecido do mundo até que o naufrágio de Uluburun foi encontrado, também no sul da Turquia, no início dos anos 1980. A equipa de Bass descobriu “um extraordinário tesouro de artefactos que datam do século XIV a.C.”, afirma a National Geographic, que apoiou a escavação e para a qual Bass escreveu muitos artigos.

Em 1976, o INA, então operando em quatro continentes, afiliou-se à Texas A&M University. Bass tornou-se professor lá e dirigiu um programa de pós-graduação em arqueologia náutica até 1993. Ele permaneceria como conselheiro do instituto até sua morte.

Ao investigar dezenas de naufrágios que datam da Idade do Bronze à Idade Média, Bass demonstrou “que o rigor científico das técnicas arqueológicas baseadas em terra poderia ser replicado em ambientes subaquáticos exigentes por arqueólogos equipados com equipamento de mergulho ou ar fornecido pela superfície”, diz NatGeo.

“George dedicou sua carreira ao desenvolvimento de novas técnicas para pesquisa subaquática enquanto escavava naufrágios em todo o mundo”, diz INA. Ele se destacou por envolver arqueólogos e estudantes locais em suas expedições.

Ann Bass, que sobrevive ao marido e aos dois filhos Gordon e Alan, acompanhava-o nas suas muitas expedições, assumindo a responsabilidade pela limpeza e catalogação de artefactos, correspondência e contabilidade.

Bass escreveu ou editou 10 livros, incluindo em 1966 “Archaeology Under Water”, que supostamente despertou grande interesse na nova disciplina, e sua autobiografia de 1975 “Archaeology Beneath the Sea: My Fifty Years of Diving on Ancient Shipwrecks”.

Ele recebeu vários prêmios e doutorados honorários e, em 2002, foi agraciado pelo presidente George W. Bush com a Medalha Nacional de Ciência, o maior prêmio dos EUA pelo conjunto de uma obra em pesquisa científica.

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x