Robo-jellies poderiam monitorar oceanos

NOTÍCIAS DE MERGULHO

Robo-jellies poderiam monitorar oceanos

Geléia Robô

A água-viva robô biohíbrida. (Foto: Universidade de Stanford)

Uma água-viva lunar foi transformada em um “robô biohíbrido”, capaz de se mover na água quase três vezes mais rápido que o normal.

Scientists at Stanford University in Califórnia took artificial control of the live Aurélia aurita água-viva incorporando um dispositivo microeletrônico de controle de natação, que gera ondas de pulso e estimula contrações musculares.

Eles relataram que era necessária pouca energia externa e um aumento relativamente modesto na quantidade de esforço metabólico necessário para a água-viva. Dizia-se que o híbrido usava mil vezes menos energia externa por massa do que qualquer robô aquático feito pelo homem até agora desenvolvido.

A descoberta significa que a propulsão da água-viva pode ser aumentada artificialmente até atingir um “ponto ideal”, no qual a maior velocidade é equilibrada com a menor produção de energia.

A pesquisa pode parecer frankensteiniana, mas há um motivo ambiental por trás dos experimentos.

As medusas não são apenas nadadoras mais eficientes do que as máquinas, mas também são capazes de se autocurar e de sobreviver em todas as profundidades, temperaturas, salinidades e concentrações de oxigênio conhecidas no oceano.

2 Março de 2020

Isto poderia torná-los ideais para monitorizar o ambiente submarino de uma forma semelhante aos animais marcados – ou simplesmente para servir como modelos para a construção de veículos subaquáticos mais eficientes.

O estudo é publicado na Science Advances.

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x