É hora de considerar os sentimentos do polvo

NOTÍCIAS DE MERGULHO

Hora de considerar polvo sentimentos

Polvo

Foto: Steve Weinman.

Invertebrados como os cefalópodes – polvos, lulas e chocos – não são apenas os favoritos dos mergulhadores quando encontrados debaixo de água, mas são amplamente utilizados na investigação científica. Isto se baseia na crença de que eles são incapazes de sentir dor, angústia ou outros estados negativos, como fazem os animais vertebrados.

O Crook Lab, dirigido pela neurobióloga Robyn Crook em Califórniada Universidade Estadual de São Francisco, tem trabalhado para desafiar o que os cientistas acreditam ser um equívoco histórico – e agora afirma ter alcançado o seu objetivo.

O problema era demonstrar que as respostas comportamentais à dor ou desconforto eram reflexos emocionais e não físicos instintivos. Agora, um experimento revelou que um polvo reage exatamente da mesma maneira a um estímulo doloroso que um roedor de laboratório reagiria, embora o seu complexo sistema nervoso seja completamente diferente.

Depois de um único treinamento sessão em uma caixa de três câmaras, os polvos que receberam uma injeção dolorosa de ácido acético em um braço mostraram claramente evitar a câmara em que receberam a injeção. Outros injetados com solução salina inofensiva não mostraram preferência.

Quando os polvos que receberam a injeção dolorosa receberam imediatamente uma injeção analgésica, eles mostraram preferência pela câmara onde o analgésico foi administrado. Aqueles que receberam apenas solução salina novamente não mostraram preferência.

Cada polvo injetado com o ácido reagiu removendo com o bico uma pequena área de pele no local da injeção.

As descobertas combinaram com as dos vertebrados. A injeção de ácido produziu uma resposta centralizada em cada polvo, e a equipa científica descreveu isto como “a primeira evidência conclusiva desta capacidade em qualquer invertebrado”.

A sua esperança é que a descoberta conduza a um tratamento mais humano dos cefalópodes “em qualquer contexto em que encontrem humanos – em laboratórios de investigação, mas também em jardins zoológicos, aquários e na pesca”.

17 Março de 2021

“Nosso objetivo com este estudo foi levar a questão da dor nos invertebrados além de qualquer dúvida razoável, para que os esforços para regular melhor seu uso humano possam prosseguir com uma base probatória forte que, até agora, faltava.”

O estudo do Crook Lab é publicado na iScience.

o maior

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x