Navegação de tartarugas ‘relativamente rudimentar’ 

Tartaruga e mergulhador no Havaí
‘Eu me pergunto se você poderia me orientar…?’ (Steve Weinman)

Você já descobriu que sabe a direção geral de onde seu mergulho na costa começou, mas precisa procurar o ponto de saída?

Não se preocupe, as tartarugas-de-pente têm problemas semelhantes. Suas habilidades de navegação não são, ao que parece, tudo o que antes pensavam ser.  

Seguir as rotas percorridas por 22 tartarugas-de-pente equipadas com rastreadores Fastloc-GPS de alta resolução permitiu que uma equipe de cientistas tirasse conclusões sobre como essas criaturas marinhas se orientam em mar aberto – e a obstinação e a sorte parecem desempenhar um papel maior do que anteriormente pensamento.

As tartarugas marinhas são há muito consideradas migrantes oceânicos exemplares, porque muitas vezes cobrem distâncias enormes para alcançar alvos pequenos e isolados para acasalamento e reprodução. Depois disso, os gaviões adultos optam por retornar aos seus locais de alimentação originais e, como não têm chance de se alimentar de suas algas e esponjas favoritas até chegarem lá, pode-se esperar que voltem o mais rápido possível.

As tartarugas incluídas no estudo, liderado pelo biólogo Graeme C Hays, da Universidade Deakin, na Austrália, migravam ao longo de distâncias relativamente curtas – uma média de 106 km – para alvos remotos em bancos submersos no Oceano Índico. Mas descobriu-se que um deles seguiu uma rota tortuosa de pouco mais de 1,300 km para retornar a um local de alimentação que estaria a apenas 176 km de distância se nadasse em linha reta. 

Em média, as 22 tartarugas nadaram o dobro do necessário, com muita procura nas fases posteriores da viagem.

Fora do caminho mais curto

“Quando estavam em linha reta em direção ao seu alvo, as tartarugas às vezes corrigiam seu curso tanto em mar aberto quanto quando encontravam águas rasas”, diz o relatório, acrescentando que os resultados fornecem evidências convincentes de que as tartarugas-de-pente têm apenas um sentido de mapa “relativamente bruto” uma vez. no mar. 

Embora tenha sido provado que as tartarugas possuem uma forma de orientação geomagnética incorporada em experiências de laboratório há 20 anos, a nova investigação sugere que isto faz pouco mais do que permitir-lhes permanecer numa direção aproximadamente correta, em vez de localizar alvos específicos. 

“Em alguns casos, um mapa rudimentar pode ser tudo o que é necessário: por exemplo, para orientar as tartarugas pós-nascidas que vivem em mar aberto a nadar amplamente para norte, sul, leste ou oeste para encontrar áreas adequadas”, afirmam os cientistas. 

“Da mesma forma, os adultos que migram para um alvo no continente para se alimentar ou procriar podem simplesmente precisar de uma direção aproximada para seguir e então podem corrigir seu curso quando encontrarem terra.” 

As correntes e o clima predominante pareciam ter pouca influência na descoberta de rotas pelas tartarugas. E embora se saiba que alguns animais desenvolvem uma boa memória de rotas de migração passadas, seria pouco provável que isto se aplicasse ao oceano aberto, que oferece tão poucos marcadores ou pistas. A pesquisa tem acabou de ser publicado no Jornal da Royal Society.

Também na Divernet: Surpresa Tartaruga

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x