‘Não sabíamos!’ Revelada a ignorância do abate de golfinhos 

Abate de golfinhos
Ilhas Faroé, setembro de 2021 (Sea Shepherd)

Dois terços dos consumidores no Reino Unido, Dinamarca e Alemanha estariam dispostos a boicotar ou apoiar sanções económicas contra nações baleeiras, de acordo com um novo inquérito encomendado pela coligação conservacionista Stop the Grind e pelos eco-activistas Sea Shepherd.

A investigação OnePoll explorou as opiniões dos europeus sobre o relatório anual Grindadrap ou 'Moer', em que os habitantes das Ilhas Faroé abatem centenas de baleias-piloto e outros golfinhos para consumo.

Veja também: Traineiras de krill cortam megapod de baleias-comuns

De acordo com as conclusões, 74% dos inquiridos não tinham ideia de que a caça aos golfinhos e a caça comercial à baleia permaneciam legais nas Ilhas Faroé e noutros países europeus, Noruega e Islândia. E 69% afirmaram que apoiariam sanções comerciais governamentais contra estes países, enquanto 62% apoiariam boicotes dos consumidores a produtos, serviços e viagens de lazer para eles.

Sea Shepherd tem lutado para parar o Moer desde 1983, mas as Ilhas Faroé, autónomas, embora dependentes dos militares e da polícia dinamarqueses, declararam a sua independência das leis da UE contra a matança de cetáceos.

Em Setembro passado, os ilhéus estabeleceram um recorde sombrio e foram condenados internacionalmente com o abate de um supergrupo de 1,492 golfinhos-de-faces-brancas do Atlântico, incluindo fêmeas grávidas e juvenis.

Infográfico de abate de golfinhos (Sea Shepherd)
Infográfico de abate de golfinhos (Sea Shepherd)

Isso levou a Sea Shepherd UK a associar-se à consultora de comunicações Shared Planet para formar a Stop the Grind, uma coligação internacional de grupos de bem-estar animal, políticos europeus e celebridades, para aumentar a consciência global e organizar a pressão política e económica para acabar com tais caçadas.

Grande parte do rendimento das Ilhas Faroé provém do turismo e da exportação de salmão, pelo que depende de consumidores de países onde a caça aos cetáceos é ilegal.

Petição de acordo comercial

Mais de 100,000 cidadãos britânicos assinaram um petição pedindo ao governo que suspenda o seu acordo comercial de £ 5.5 milhões com as Ilhas Faroé até o Moer termina. Em todo o mundo, mais de 1.3 milhão de pessoas já pediram a proibição dos assassinatos.

Em Janeiro, a UE e os Estados-membros que fazem parte da Comissão Baleeira Internacional (não incluindo a Dinamarca) apelaram às Ilhas Faroé para “pararem imediatamente com a prática ultrapassada de caça às baleias e golfinhos”, e chamaram o massacre de Setembro de “cruel e desnecessário”.

Embora o governo das Ilhas Faroé tenha declarado que avaliaria os regulamentos de caça há 10 meses, a Sea Shepherd afirma que nenhuma ação foi tomada.

Já este ano, a organização afirma que 182 baleias-piloto foram mortas, sem incluir os filhotes ainda não nascidos. A Sea Shepherd UK enviou outra tripulação baseada em terra para as ilhas para documentar as caçadas e ajudar a aumentar a conscientização sobre esta questão.

Também na Divernet: Grande noite nas Ilhas Faroé: 1428 golfinhos mortos

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x