Arquivos de naufrágios surpreendem investigadores espanhóis

Frota de Colombo
Frota de Colombo

NOTÍCIAS DE MERGULHO

Um total de 681 navios coloniais espanhóis naufragados nas Bahamas, Bermudas, Cuba, República Dominicana, Haiti, Panamá e na costa atlântica dos EUA foram catalogados na primeira fase de um projecto realizado para o Ministério da Cultura de Espanha.

Uma surpresa para a pequena equipe de pesquisadores foi que menos de 1% das perdas resultaram de ataques piratas, de acordo com um relatório sobre as descobertas no Guardian.

A esmagadora maioria dos naufrágios, 91.2%, resultou de tempestades tropicais e furacões, enquanto 4.3% das embarcações colidiram com recifes ou tiveram outros problemas de navegação, e 1.4% foram perdidos em combate contra navios britânicos, holandeses ou norte-americanos.


Mais de 75% dos navios ainda não foram encontrados, mas foi demonstrado que 12 áreas no Panamá, na República Dominicana e nas Florida Keys contêm elevadas concentrações de naufrágios, com até 18 numa única baía.

O projeto abrange quatro séculos de naufrágios de navios que navegavam de e para as Américas. A primeira perda ocorreu em 1492, quando o Santa Maria, a nau capitânia de Cristóvão Colombo, afundou no Haiti, e o mais recente foi o do destróier Plutão em 1898, no final da Guerra Hispano-Americana.

A equipe de pesquisa é formada pelos arqueólogos Carlos León e Beatriz Domingo, e pela historiadora naval Genoveva Enríquez. Até agora, passaram cinco anos a compilar a lista a partir de arquivos de Sevilha e Madrid.

O seu objectivo é proteger os locais dos naufrágios, descobrir mais sobre os muitos naufrágios que mal foram documentados e lançar luz sobre o desenvolvimento histórico da navegação.

E, ao contrário dos caçadores de tesouros, dizem que têm tanto interesse nos navios que partem da Europa como nos que chegam. Ficaram particularmente surpreendidos ao descobrir que tanta carga consistia em artefactos religiosos, bem como roupas para escravos, armas e grandes quantidades de mercúrio, utilizado para a extracção de ouro e prata na mineração.

A próxima fase do projecto absorverá as perdas remanescentes nas Caraíbas ao largo do México, Colômbia, Porto Rico e Costa Rica, antes de a equipa avançar para a região do Pacífico.

O governo espanhol irá partilhar a base de dados resultante com os países que têm naufrágios coloniais nas suas águas e que assinaram a Convenção da UNESCO de 2001 para a protecção do património cultural subaquático, na esperança de que cooperem na protecção dos destroços dos salvadores.

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x