Além da oscilação

Uma arraia manta em Dédalo.
Uma arraia manta em Dédalo.

MERGULHADOR AO VIVO

A apresentadora de TV sobre ciências marinhas, MAYA PLASS, concentrou-se principalmente no mergulho em águas britânicas, então sua primeira viagem de liveaboard para mergulhar com tubarões e raias no Mar Vermelho foi um grande avanço – e não sem problemas iniciais

VOCÊ PODE MORRER! That was a genuine response from a friend when I excitedly told her that I was going on my first trip to the Red Sea on a shark-diving liveaboard férias. I’m not sure what aspect of my trip made her react like this, but I was going to prove to her that I was, in fact, going to live.

Eu me senti completamente verde, no entanto. Nunca tinha mergulhado de liveaboard, com tubarões ou em recifes de corais! Perguntei aos amigos o que esperar, levar e o que esperar.

Ao decolar, pensei em alguns dos conselhos úteis que recebi: “correntes fortes… pegue uma garrafa de rum… comida incrível… lindos recifes de coral… tubarões que mal notam você…” e assim por diante. Logo esqueci muitos de seus conselhos em busca de minha própria experiência e perspectiva pessoal. Embora eu tenha tomado o rum.

Fiquei surpreso quando vi o barco - o Melody azul era enorme, muito diferente dos escassos RIBs do clube Humber dos quais eu estava acostumado a mergulhar.

Entrar parecia uma cena de um filme de James Bond. O barco estava brilhando e o interior da área do lounge era melhor do que qualquer hotel em que eu já havia ficado.

Descobri que até a água do chuveiro da nossa cabine estava quente – o tempo todo! Também não foi apenas um drible.

Eu não esperava isso de um liveaboard.

Minha única reclamação sobre o barco seria que a comida era deliciosa demais e em excesso. Servido em estilo buffet, experimentar de tudo um pouco revelou-se uma tentação impossível de resistir – até que se tornou muito.

Os decks externos logo se tornariam um local favorito para relaxar, onde dormíamos sob o sol quente, depois mergulhávamos, comíamos, dormíamos, repetíamos o ciclo ou tomávamos uma cerveja gelada à noite e ouvíamos histórias impublicáveis ​​de outros mergulhadores. O barco rapidamente se tornou nossa casa confortável durante a semana, e a tripulação, nossos companheiros prestativos.

Uma viagem ao Mar Vermelho parece um rito de passagem para quem faz parte da comunidade do mergulho. Eu precisava ver o que estava acontecendo e se era para alguém como eu, com experiência no Reino Unido, mas com experiência limitada no exterior.

NOSSO PRIMEIRO MERGULHO FOI a gentle shallow reef at Abu Dhabab, a shake-down to allow everyone to adjust their kit and settle in. I saw all I needed just from this one dive to be bowled over.

The corals were statuesque, diverse, beautiful and the reefs packed with life, including blue-spotted rays in sandy patches beneath the arches. Yet Abu Dhabab was apparently “not the best” reef – that, I was told, was still to come.

“Ao ouvir sobre as incríveis histórias dos outros sobre tubarões-martelo e mantas, resolvi participar do segundo mergulho do dia.”
“Ao ouvir sobre as incríveis histórias dos outros sobre tubarões-martelo e mantas, resolvi participar do segundo mergulho do dia.”

We travelled on to the dive reefs of Elphinstone and the Brothers. Here I had my first experiences of sheer reef-walls. This was all so new to me, so exciting and there was so much to see with so many corals and fish that I struggled to still my mind and absorb the whole experience.

Passarei por toda essa maravilha até os recifes Daedalus nos dias quatro e cinco. O vento aumentou e chegamos durante a noite em mar agitado.

Espiei pela vigia da minha cabine e vi o horizonte azul subir e descer, com cavalos brancos galopando sobre a superfície do mar. Subi até o convés superior para observar o horizonte de manhã cedo.

The Daedalus lighthouse sits on top of a reef with a long jetty stretching out over the deep inky sea. It must have been some feat of engineering to build such a huge structure on an isolated reef in the middle of the Red Sea.

A handful of other large dive-boats had anchored in the lee of the reef. A few dwarfed RIBs skimmed and bounced over the lumpy seas, checking for hazards and currents before divers were dropped in to explore the waters.

Eu me sentia inexperiente em comparação com todos os viajantes do mundo até então na viagem. Observando os RIBs, que às vezes ficavam quase verticais na água, tive uma sensação de apreensão e vozes sussurrando “correntes fortes, mergulhadores perdidos…”. Tentei manter essas vozes em um sussurro.

GUIAS DE MERGULHO ELKE e Chrissie explicou claramente o plano de mergulho, usando diagramas lindamente ilustrados do local e cobrindo os riscos pertinentes.

My apprehensive mind focused on the warnings. From the corner of my eye I could see a RIB heading off, skirting the reef where tumbling waves spilled over the fringe in surfable barrels.

As vozes sussurrantes ficaram mais altas e a dúvida começou a surgir: “Você é inexperiente, não conhece essas águas – você é capaz disso?”

Minha mente estava em guerra consigo mesma. “Eu quero ver os tubarões” estava lutando com “Não entre!”

“Don’t go in!” won. I was feeling too anxious to be safe, and didn’t want to ruin my buddy’s dive. I dejectedly watched divers head out in the RIB, part-relieved and part-annoyed with myself.

Distraí-me conversando com o capitão, aprendendo alguns números árabes e saudações.

Tomamos café da manhã e os mergulhadores tiraram de mim o merecido jeito como nós, britânicos, somos tão bons. Ouvindo sobre as incríveis histórias dos outros sobre tubarões-martelo e mantas, resolvi participar do segundo mergulho do dia.

At the briefing the guides, aware of my earlier bail-out, had thoughtfully offered a second dive option. It was an easy dive to skirt the southern edge of the reef, and I jumped in with no worries, and felt all my fears float away into the blue waters.

Um grande bodião Napoleão chegou para me lembrar de como era frio estar no grande azul.

No terceiro mergulho a oferta de uma opção fácil ainda existia, mas não havia chance disso. Eu estava indo me juntar ao resto dos mergulhadores! Os RIBs balançaram com facilidade e eu juro que o mar agitado ficou menor.

We dropped next to the vertical reef wall, with coral shapes and textures beyond description. Within minutes two hammerhead sharks were swimming alongside the reef. They were nonchalant, uninterested in us and intensely striking and mesmerising to watch.

NO DIA SEGUINTE DÉDALO gave us three more intensely memorable experiences. We left the safety of the reef wall and swam further out, leaving the reef as visual reference in the distance.

A experiência de flutuar no azul é quase religiosa. Tornei-me uma partícula em um mar azul. Minha respiração desacelerou e me senti apoiada pelos vastos mares e oceanos interligados. Seria este o oceano de consciência infinita de que falam os iogues?

My mind and body was drifting when a diver pointed towards the surface. That brought me back to the moment, because up there I could see the unmistakable shape of a manta ray.

As asas voaram em perfeita simetria enquanto deslizavam em minha direção em águas mais profundas. É difícil ficar de queixo caído quando você tem um bocal preso entre os dentes, então soltei um suspiro abafado.

My camera had broken on day three, when I foolishly dropped it on the upper deck. And now I was grateful not to be watching the manta through the eye of my camera, because I wanted to drink in every detail of it.  The two remoras hitching a ride on the pale belly of the ray were having a hitch-hiking experience to beat them all.

Eu queria dar uma olhada mais de perto no raio. O cefálico barbatanas almost look coiled as they draw food to the mouth, which is forward-facing unlike that of other rays. My heart was beating faster as I tried to absorb my first-ever dive with a manta. This is why we dive.

Então descobri que adorava mergulhar em um liveaboard. Tive essas experiências incríveis graças a guias de mergulho atenciosos, tripulação de barco qualificada, minha solidária companheira de mergulho Emma e um pouco de autodeterminação.

Não há vergonha em ter a oscilação de um mergulhador e você deve obter todo o apoio necessário para voltar à sela e mergulhar novamente. Em retrospecto, estou feliz por ter perdido aquele mergulho. Deu-me a oportunidade de recuperar a compostura, de não ter um mergulho ruim e desanimador e de aprender um pouco de árabe!

PREsumo que meu amigo O pressentimento sobre a viagem resultou do fato de eu estar mergulhando com tubarões. Minha experiência de liveaboard enfatizou o que eu já sabia ser verdade: que os tubarões têm muito mais a temer de nós do que nós deles.

O farol e o longo cais que marcam o Recife Daedalus.
O farol e o longo cais que marcam o Recife Daedalus.

Foi um prazer ver os tubarões-martelo, embora o avistamento tenha sido limitado aqueles indivíduos a talvez 5 metros de distância. Eu ainda estava impressionado. Não houve nenhum mergulhador em nossa viagem que não tivesse tido um encontro emocionante com um tubarão, mas era bem cedo na temporada, e fomos informados de que os últimos meses de verão provavelmente seriam mais bem-sucedidos.

As we left Daedalus a sizeable oceanic whitetip did circle our boat, and I had spotted reef sharks 10m or so below me  – a whale shark would have been good but I was just becoming greedy!

Como o Mar Vermelho faz fronteira com vários países diferentes com legislações variadas sobre a pesca de tubarões, seus tubarões estão sob ameaça. Os tubarões demoram a produzir descendentes e são suscetíveis às pressões humanas decorrentes da pesca e da remoção das barbatanas, mas espero que, com a demanda por tubarões-nadadeira a sopa caindo e as campanhas de conservação aumentando, talvez essas lindas criaturas estejam por aí para todos verem nos próximos anos. Isso é mais provável se forem vistos como ajudando a apoiar as economias dos países voltados para o Mar Vermelho através do turismo de mergulho.

ESTA VIAGEM DE TUBARÃO DO PROJETO certamente beneficiou da presença do Dr. Elke Bojanowski, fundador e diretor da instituição de caridade Red Sea Sharks. Suas palestras sempre foram bem concorridas e essas apresentações descontraídas estavam repletas de informações sobre como identificar tubarões e como se comportar com eles na água – crucial para esta viagem de tubarões.

Elke também transmitiu muitos factos não só sobre as adaptações e evolução dos tubarões, mas também sobre o seu triste desaparecimento como resultado principalmente da remoção das barbatanas dos tubarões.

Acho que cada mergulhador que saiu do barco renovou o respeito, a admiração e a compreensão desses maravilhosos predadores de ponta, reforçados pela maravilha de vê-los na água, mas também pelas palestras informativas de Elke.

Parece obviamente uma boa ideia aprender mais sobre nosso ambiente marinho enquanto estamos em viagens de liveaboard. Com um pouco mais de compreensão, podemos continuar a ser guardiões apaixonados do nosso ambiente marinho.

Saí do Mar Vermelho sentindo-me confiante em minhas habilidades de mergulho, mais instruído, mais inspirado e desesperado para reservar minha próxima viagem. Até lá, terei prazer em voltar à costa de Devon e mergulhar nos mares britânicos, percorrendo florestas de algas e algas coloridas.

Praticarei minhas habilidades de mergulho e sonharei acordado sobre a próxima vez que ver uma manta passar voando por mim, ou uma cobra tubarão-martelo abaixo de mim em mar azul.

ARQUIVO DE FATOS

COMO CHEGAR: Voe para Hurghada saindo de Londres Gatwick – o embarque é em Port Ghalib.

VIVER A BORDO: O iate a motor de madeira blue Melody de 38 m, o terceiro navio da frota blue o two, foi atualizado em 2016. Pode transportar 26 convidados em 10 cabines duplas e três cabines duplas, todas com banheiro privativo, ar-condicionado e sistemas de entretenimento pessoal. Equipado para enchimentos de nitrox, o navio também é técnico e fácil de rebreather.

QUANDO IR: O blue Melody navega o ano todo, com uma viagem do Project Shark para Daedalus & St Johns marcada para julho próximo, mas também há viagens do Project Shark “Simply the Best” em agosto e novembro deste ano e maio, julho, setembro e outubro de 2018.

PREÇOS: As viagens do Projeto Shark começam em £ 1099 dependendo das datas, embora você possa ter que reservar com bastante antecedência. Os preços incluem voos de ida e volta, sete noites de pensão completa e seis dias de mergulho. Ofertas de grupo também se aplicam, site azul o dois

Informações ao visitante: Viagem Egito

VAMOS MANTER CONTATO!

Receba um resumo semanal de todas as notícias e artigos da Divernet Máscara de mergulho
Não fazemos spam! Leia nosso política de privacidade para mais informações.
Subscrever
Receber por
convidado

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Entre em contato

0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x